Qual dupla de laterais você escolheria?

622_f5d3cbf6-331c-3373-90e1-36b17e0e4b09.jpg

E ontem a Juventus venceu o Mônaco por 2×0 e também encaminhou sua classificação para a final da Champions, aumentando as chances de enfim, Buffon ter sua carreira coroada com uma “orelhuda”.

Os dois gols saíram de forma estatística do mesmo jeito, assistência de Daniel Alves, gol de Higuain.

Só que além das assistências, a vitória de ontem fez Daniel bater um recorde, o lateral passou a ser o jogador brasileiro com mais jogos pela principal competição de clubes do mundo, com 142 partidas. Ele ultrapassou Roberto Carlos que possui 141 partidas.

Além disso, Daniel pode ao final dessa temporada se tornar o jogador com o maior números de títulos, superando Ryan Giggs.

E aí, comecei a especular em minha mente, e avancei além da disputa entre Daniel Alves e alguém, aproveitando a também excelente temporada de Marcelo fui mais longe na minha provocação do dia, meu debate é, qual dupla é melhor: Cafu e Roberto Carlos ou Daniel e Marcelo?

Sinceramente, a três anos, eu consideraria lunático levantar tal possibilidade, contudo aquele combo futebol apresentado + números, começam a saltar para a comparação.

Mundialmente falando, a dupla atual é maior, nacionalmente que a questão ainda esbarra, principalmente pelo lado direito. Porque?

Pelo lado esquerdo, a carreira de ambos é similar, inclusive o clube onde estão fazendo história, a diferença é uma Copa do Mundo, não que seja pouco, mas a história de ambos é parecida.

Já na direita, a relação é inversamente proporcional e talvez seja o orientador para escolher uma dupla ou outra, Cafu tem uma história incrível na seleção, é quem mais vestiu a camisa, é o único a jogar três finais consecutivas de Copa do Mundo e enquanto estava em plena forma, era intocável na lateral. Como jogador foi bem, mas sem grande destaque.

Enquanto Daniel, foi ok na seleção e monumental por clubes, ganhou tudo pelo Barcelona, teve passagem formidável por Sevilla e segue importantíssimo na Juventus. Não à toa, os números que mencionei acima o credenciam como.

Como eu sempre digo, é preciso esperar a carreira de um jogador acabar para dimensionar exatamente o tamanho dela, até porque Marcelo e Dani podem ainda beliscar uma Copa no ano que vem, quem sabe.

Mas acima de tudo, fica o exercício de pensar, se você fosse montar uma seleção e tivesse que escolher uma única dupla para compor o seu time, quem seriam os eleitos, Dani e Marcelo ou Roberto e Cafu?

Eu escolheria a atual.

 

Simeone e todo o futebol

SPAIN SOCCER PRIMERA DIVISION

E Simeone mais uma vez vê o sonho da Champions ficar distante. E pela quarta vez seguida o algoz é o rival de Madrid, o Real. A vitória por 3×0 no Santiago Bernabéu coloca as chances do time do Vicente Calderon como mínimas.

Diferente das outras vezes. por enquanto foi apenas o jogo de ida, e o Real foi letal, venceu com um triplete de Cristiano e encaminhou mais uma vez aos merengues para a final.

É possível a virada? É. Vai acontecer? Acho dificílimo, só não digo impossível porque é futebol, mas eu ficarei perplexo se o Atlético avançar.  Será maior que o feito do Barcelona nessa mesma Champions.

Contudo, diferente das demais eliminações, essa parecia aquela onde o Atlético chegava “mais inteiro” ou mais confiante, se preferir. Durante todas as outras campanhas, tudo pareceu muito sofrido para Diego Simeone e companhia, a sensação é que era proibido ser fácil e não que tenha sido dessa vez, mas a confiança adquirida nesses últimos anos parece ter refletido na atuação do time, os duelos foram árduos, mas o time não parecia fazer uma força colossal para vencer.

E eis que nessa hora o futebol mostra suas facetas, como disse no texto de ontem sobre a declaração de Eduardo Baptista, não tem culpado, nem errado, o Atlético não achou seu jogo ontem, o Real sim e ainda teve seu astro maior extremamente decisivo. Cristiano Ronaldo não está brilhando esse ano, mas está decidindo no momento que o time precisou, foram 8 gols dos últimos 9 do time na Champions. É disparado o maior artilheiro da Champions na fase de mata mata, são 52 gols contra 37 de Messi e depois dos dois, o mais próximo é Thomas Muller com 19.

O Atlético mostrou que o planejamento, a tática e a técnica são primordiais para te levar nos últimas quatro edições de Champions, a duas finais, uma quartas e uma semi (podendo com um milagre virar final), mas o timing, o instante do jogo tem feito a diferença entre tornar o Atlético um campeão ou não.

O futebol tem sido levemente ingrato com o Atlético por não coroar o time com essa conquista da qual ele tem passado tão perto, mas ao mesmo tempo tem sido fabuloso ao permitir a uma torcida que não imaginava viver esse momento, viver por quatro temporadas seguidas.

Como diria, um “sábio mestre”, a bola dá, a bola tira.

E vocês acham que ainda dá para o Atlético?

 

O soco de Eduardo Baptista

edubaptista020517.jpg

Em uma semana onde o soco de Felipe Mello ganhou destaque e correu o mundo, o verdadeiro soco foi proferido pelo treinador do Palmeiras.

Eduardo Baptista em um momento exaltado desferiu palavras contra a imprensa e de maneira contundente. Sinceramente, tirando a forma como ele disse, o conteuúdo é ótimo, é perfeito, faz todo sentido.

Eduardo podia escrever toda a raiva que sentiu naquele instante e repetir de maneira ordenada no dia seguinte, seria melhor ainda a resposta dele, mas o calor mostrou o que a maioria dos treinadores passam e por muitas vezes são ignorados, a pressão por resultados existente no Brasil.

Aqui, gostamos do trabalho bonito, mas qualquer derrota serve para acharmos culpado, nunca a derrota é mérito do vencedor ou uma tarde ruim, sempre alguém será culpado, algum motivo nominal será encontrado.

E foi aí que Eduardo bateu, a imprensa alimenta isso, especula-se crise no vestiário, diz que soube por alguém que tal fato aconteceu e assim vai criando uma tensão por muitas vezes desnecessária.

Não vou entrar no mérito de fonte, isso ou aquilo, se é real ou não. Me apego ao fato de ser necessário, realmente precisamos comentar que fulano brigou com ciclano no treino, que beltrano está conversando com o clube tal para sair, que alguém está cogitando sair do clube e etc. Isso não agrega nada, não muda nada no clube e as vezes ganha proporção desnecessária apenas para gerar algum tema naquele clube.

Eduardo trouxe como exemplo, como a imprensa tem sido “impaciente” com o trabalho dele, Ceni e Carille, os co-irmãos que iniciaram suas jornadas nos grandes paulistas esse ano.

Pegaram no pé de Ceni sobre o time tomar muitos gols, somou-se a isso a derrota para o Palmeiras e pronto, a pressão foi tamanha que o time começou a rever um pouco seu jogo e sofreu de novo, agora o time não cria o mesmo que antes.

Carille foi colocado como sem perfil para aguentar um Corinthians, e em silêncio vai ganhar o título paulista de maneira eficiente.

Em resumo, a imprensa pode argumentar as propostas de jogo, como foi o comportamento durante o jogo, as variações táticas e atuações individuais, mas não pode esquecer daquilo que fora do pós jogo eles sempre repetem, é preciso tempo para que o treinador mostre seu valor.

Como bem disse Arnaldo Ribeiro (ESPN), o trabalho de um treinador deve ser analisado durante um ano, exceção feita quando o trabalho for catastrófico que ameaça o time de rebaixamento.

 

E agora Tite?

tite290317

São oito jogos no comando da camisa mais pesada do mundo, são oito vitórias (feito inédito na história do futebol) com 24 gols marcados e apenas 2 sofridos.

Tite resgatou o que a seleção brasileira era para o mundo, a mais temida, não imbatível, mas temida, respeitada demais, por todos, inclusive os grandes, a mudança de clima, de confiança e todos os fatores que fogem do técnico-tático exacerbam nas faces de todos os atletas que fazem parte da seleção.

Tite aliás, antes do jogo disse que são 56 atletas mapeados, ou seja, ele fechou uma lista com os possíveis jogadores que integram a seleção brasileira, 23 serão os escolhidos no final, mas ele tem um grupo mapeado, nem os 80 que outrora fizeram parte da seleção, nem somente 30 como alguns acusaram que Tite trabalharia.

E diante do cenário atual da seleção, a pergunta que fica é: o que fazer nesses quatro jogos restantes? Dificilmente o Brasil perderá o primeiro lugar, além do que ficar em primeiro é apenas simbólico, a dúvida é, usar esses jogos para testar outros possíveis “selecionáveis” para ver como eles reagem na seleção e as ideias de Tite, ou mantém a base para aprimorar ainda mais o time?

Sinceramente, de longe e com o livre direito de pitacar na vida alheia, principalmente futebolisticamente falando, vamos dar a minha sugestão, eu usaria os reservas que foram pouco utilizados mais aqueles que são potenciais, caso alguém tenha alguma lesão. Para o time titular “imaginário” de Tite, a sequência de amistosos contra escolas europeias seria o entendimento que falta de possibilidade de jogos durante uma copa do Mundo.

Ou seja, enquanto aqueles que lutariam para estar na lista dos 23, fariam quatro confrontos duríssimos no restante das eliminatórias para mostrar seu valor e seu  M E R E C I M E N T O, os “preferidos” de Tite mais alguns participariam dos amistosos que já serviriam de base para que o time entendesse a proposta de jogo brasileira contra várias escolas européias (espanhola, italiana, leste europeu, suiça, para citar algumas).

Assim Tite conseguiria  atuar nas duas frentes e naquilo que eu acredito que agradaria o planejamento da seleção, de qualquer forma, como eu disse, sou eu pitacando de longe e sem o menor conhecimento do planejamento da seleção.

Meu único contraponto a minha proposta é dentre aqueles 56, alguém se destacar muito nos jogos eliminatórios ao ponto de ser questionado o lugar dele frente alguém que já estava consolidado no grupo principal de Tite, se criaria um problema desnecessário ou que obrigaria muito jogo de cintura para lidar com ele, característica que sobra em Tite, por isso não vejo problema em seguir minha teoria.

A seleção já cumpriu seu papel nas eliminatórias e para terminar a preparação para a Copa, só falta os testes europeus e conhecer completamente os 56 eleitos.

E vocês, o que fariam?

Zequinha e seu novo time

zequinha280317

E Zequinha chegou na nova cidade, de cara ele achou muito engraçado, porque lembrava muito quando eles iam na casa dos avós, muitas praças, cavalos andando na rua, poucos carros, e muita casa ao invés de prédio.

Zequinha então foi direto ao local do time, que possuia uma estrutura integrada, campos para treinamento, refeitório imenso, sala de ginástica, piscina, além de vários quartos para moradia, o clube permitia que o “atleta” morasse com o pai durante os primeiros meses.

Zequinha ficou impressionado com o tamanho de tudo aquilo, era tudo muito grande, para sair daquele ambiente era quase uma viagem de volta para a cidade, Zequinha conseguiu conhecer alguns lugares, mas o dia já ia anoitecer e vários lugares ele só iria conhecer com o tempo. ele e seu pai se dirigiram ao refeitório para o jantar, comida boa, não igual da mãe, mas boa e depois ficou no salão de jogos com outros garotos, aprendendo a jogar pebolim.

O dia seguinte foi ainda de apresentações, principalmente para os novos companheiros de time e de treino coletivo, um jogo treino foi feito para que Zequinha pudesse ser inserido e testado junto com a equipe, até porque daqui 45 dias ele teriam um torneio.

O treino transcorreu bem, Zequinha fez o que foi pedido, porém sentiu muito mais dificuldade com a execução das ações, pois os meninos do time adversário pareciam correr mais, então dificilmente ele ficava no mano a mano para partir para cima do adversário.

Zequinha, sentiu que o jogo era um pouco diferente que teria poucas oportunidades para driblar, que precisaria achar outras soluções para conseguir sucesso. Zequinha ainda não tinha esse pensamento estruturado, era apenas uma sensação e mesmo quando escutasse as orientações do treinador, ainda ficaria confuso por muitas vezes.

Ao final do primeiro treino, o treinador, Seu Santana, avaliou bem Zequinha, mas falou que o menino precisaria entender mais o que ele esperava de execução durante o jogo, Zequinha iria para o torneio, mas como disse Santana, seria sua arma para o segundo tempo.

Zequinha caminhando para seus 15 anos, não entendia como podia ser bom ser uma arma para o segundo tempo, bom era ser arma para o jogo todo, Zequinha iria dormir confuso até o início do torneio, só no segundo jogo do torneio aquilo poderia começar a fazer sentido, por enquanto, só atrapalharia o sono mesmo.

Enquanto isso, seu Silva dormia pesado em uma cama de solteiro depois de quase 20 anos dormindo com Dona Marluce.

O melhor dos clássicos!!

spfc-3

E ontem dois clássicos agitaram o futebol brasileiro, clássico com os quatro clubes com as maiores torcidas do Brasil, Flamengo, Corinthians, São Paulo e Vasco.

Entre todas as pataquadas da arbitragem, o que mais deu o que falar foi a comemoração de Maicon, zagueiro do São Paulo que abriu o placar em um Majestoso que foi mais horroroso do que majestoso.

Na comemoração, Maicon fez uma provocação ao rival Corinthians, tal qual o famoso porquinho de Viola. Sabiamente, o jogador após a partida evitou entrar em polêmica e não assumiu o motivo óbvio da comemoração afim de evitar qualquer punição dos aparecidos dos tribunais desportivos.

E logicamente reacendeu o debate de como estamos policiando demais o futebol ao invés de permitir essas manifestações tão naturais e se alguém se exceder seja dentro ou fora de campo ter a sanção correta e aplicada.

O que mais gostei na situação toda é como o time do Corinthians está lidando com tudo isso, talvez até por não ter percebido na hora, o time tem dado declarações com muita boa esportividade e estimulando a continuação disso de forma sadia, prometendo troco e mais comemorações provocativas nos próximos duelos.

Futebol precisa disso, apesar de ter várias ressalvas contra a atitude em campo de Felipe Mello, suas frases provocativas e seus gestos tem resgatado um pouco disso, o futebol na rua é isso. Quem nunca mandou mensagem mexendo com o amigo após uma vitória, quem nunca compartilhou diversos memes nos grupos de whatsapp, e o melhor quem nunca fez isso e estava ali tomando uma cerveja com o amigo e rindo das brincadeiras.

Futebol é um esporte e tal como tal tem a parte séria da competição, da disputa por título, do respeito pelo adversário que é companheiro de profissão, entre outras coisas, e tem também a brincadeira, a aposta valendo almoço, a aposta valendo ajudar uma instituição de caridade, a comemoração do gol e se possível no dia seguinte, um abraço celebrando a paz.

Sou contra a expressão pelo fim do futebol moderno, sou a favor da modernização sempre do futebol, mas com o respeito e a manutenção de seus valores e cultura.

Brincadeiras e comemorações criativas fazem parte da cultura do futebol, assim como bandeiras e tudo mais.