O problema em criar Nenês…

images.jpeg

Todo mundo que já conviveu com um Nenê, sabe as dificuldades que existem.

Apesar da sua chegada trazer euforia, entusiasmo, um novo ânimo para o ambiente, a convivência tem seus percalços.

E entre as principais adversidades, a mais complicada é quando está contrariado, se irrita fácil, por muitas vezes se torna mimado e exagera no choro propositalmente.

A parte ruim disso tudo é quando a exposição pública é grande, muitos de longe sem entender, julgam você e não acreditam que aquela “coisinha linda” pode estar dando tanto trabalho, e quando você menos percebe perdeu o controle.

E para você que pensa que estou falando de crianças, digo que não, estou falando do Nenê no São Paulo.

Admiro seu futebol e realmente sua chegada, mais Lugano na diretoria e Aguirre deram uma nova perspectiva para o São Paulo, o de enfim, retomar os trilhos e aos poucos resgatar sua trajetória vitoriosa, mas de repente, sem mais nem menos, a união do grupo desandou, e muito passa pela atitude de Nenê.

Ele, talvez seja a maior referência dentro de campo hoje, quando bate o pezinho por uma substituição ou quando ao comemorar um gol, propositalmente leva o menino da base a cumprimentar o banco, exceto o treinador, ele erra mais que o treinador, ele não dá exemplo, ele fortalece a cultura recente do clube de mimar atletas, queimar técnicos e não sair desse círculo viciado.

Fora de campo, a chegada de Raí e Lugano davam carta branca para eles cobrarem isso dos jogadores, contarem com a torcida e mudarem a chave no São Paulo, mas não, entraram no mesmo jogo, quando Raí cede a pressão e demite o treinador e quando o zagueiro curte comentário sugerindo a saída de Nenê, ninguém da exemplo, todos seguem a postura infantil dos últimos tempos.

São Paulo não precisa de Nenes, precisa de Anderson (nome do atual camisa 10 do tricolor), homens, adultos e que assumam suas responsabilidades perante o clube.

E isso vale para jogadores, dirigentes, técnicos e torcidas.

O São Paulo parece um adulto com crise de identidade que está repensando sua carreira, suas escolhas, etc.

Nenê precisa assumir o seu papel no time, de ser um exemplo não só técnico em campo, mas principalmente de respeito fora dele.

Raí precisa assumir o papel de dirigente, igual tal como jogador, craque de conduta inquestionável.

E o São Paulo precisa querer que eles assumam esses papéis.

Se não, só restará a parte ruim de cuidar de um nenê

Anúncios

O que esperar do Neymar?

 

Neymar13112018.jpg

Como sempre esse é o texto perfeito para virar piada depois, uma tentativa de escrever sobre o que o presente nos mostra, porém completamente cheio de incertezas e que pode ser apenas um texto sem sentido lá na frente.

É engraçado como Neymar se acostumou a ser holofote no futebol, necessita estar nos “trending topics” do nosso cotidiano, mas faz tempo que quando o assunto remete a Neymar muito se fala em cifras, Marquezine, Barcelona ou qualquer outra transferência e pouco ou quase nada sobre futebol.

Sinceramente, vejo que Neymar entrou em uma etapa da carreira que ele precisa decidir realmente o que veio fazer no futebol, se é apenas mais um cheio de talento ou se realmente quer entrar para a história.

E aí, farei um paralelo onde sofrerei criticas de muita gente, Neymar caminha para se tornar mais um Robinho melhorado ou Ronaldinho Gaúcho piorado. Jogadores com um potencial de habilidade gigantesco, que chegaram a iniciar voos grandiosos, mas abortaram suas missões pelo caminho e não quiseram o protagonismo na história do futebol.

Antes da chuva de criticas mais pesadas, não estou botando os três no mesmo balaio de qualidade, apenas no mesmo balaio da minha frustação versus potencial desperdiçado. Robinho poderia ter sido um grande jogador, não para marcar a história, mas para marcar um periodo em algum clube, já Ronaldinho poderia ameaçar coroas no futebol, marcar de forma inquestionável sua passagem pelo futebol, mas ficou pelo caminho, foi um gigante na história do Barça, mas pelo que fez em pouco tempo, brincou de jogar e não jogar futebol.

Sendo assim, e preparado para uma possível chuva de reclamações, voltemos a Neymar, e dele o que esperar?

Acho que independente de clube, o que Neymar precisa colocar na cabeça é o que ele realmente quer do futebol, ser um grande jogador milionário e muito escalado no videogame ou ousar brigar por algo grandioso no Olimpo do futebol?

Essa é a principal resposta que ele precisa se dar, não precisa contar para mim, para alguém, nem para o paizinho dele, precisa contar para ele e daí em diante seguir sua decisão, se vai ser no PSG, Barça, Real ou algum outro time, tanto faz, a postura daquilo que ele quer é que fará a diferença para sua história.

Neymar tem números impressionantes, ganhou os principais titulos como clube, fez parte da seleção olimpica que conquistou o ouro inédito, tem tudo para individualmente ser o maior artilheiro da história da maior seleção de futebol do mundo, ou seja, tem tudo para estatisticamente marcar seu nome, precisa também mostrar com atitude.

A idade ainda é ótima, com quase 27 anos, ainda tem uma Copa do Mundo em alta performance (quiça duas), e vários anos para firmar de vez seu protagonismo no futebol.

Resta esperar, o que ele quer?

E vocês, o que acham?

O despreparo com a carreira de um jogador

JeanChera20102018

Eu já desisti que falar que agora vai, agora voltei, ou qualquer coisa do gênero, mas seguimos, sem desistir.

Confesso que é difícil escrever neste momento, porque a cabeça fervilha perante a disputa eleitoral que se aproxima para o nosso país. Mas algumas coisas no paralelo andam me chamando a atenção no futebol nesse ínterim.

A possível volta do Neymar ao Barcelona é uma delas, as outras, juro que tentarei escrever logo, para que elas continuem frescas em nossas memórias. Mas o Neymar voltar ao Barcelona me chamou atenção.

Confesso que já concordei e discordei com a decisão em vários momentos, mas sinceramente, acho que tem mais erros no retorno do que acerto.

Neymar desde sempre sabia que estava indo para Paris, portanto deveria ter ideia de como seria morar lá, como seria o campeonato de lá e as expectativas sobre isso. A Ligue 1 é inferior a La Liga, qualquer pessoa com pouca noção de futebol sabe, ele que adora um videogame, com certeza sabe. Além disso, no próprio videogame que ele tanto joga com os parças, ele sabe que ele saiu de um clube com muito mais tradição e consequentemente com mais chances na Champions League do que o atual clube.

Portanto, quando eu vejo a decisão do Neymar, cada vez mais eu tenho certeza, são pouquíssimos os jogadores que possuem alguma capacidade real de debater sobre sua carreira ou olhar e entender como devem conduzi-la e o pior que normalmente quem está ao lado do jogador para orientar só consegue pensar na próxima transação e quanto ele vai ganhar com isso.

A figura do empresário deveria ser melhor pensada, principalmente pelas pessoas que cercam o jogador, família, amigos, etc (sei que aqui, isso não se aplica ao Neymar). Deve haver a consciência do passo que cada jogador faz ao aceitar uma transação, ir para Islândia, EUA, China ou Casaquistão não pode ser analisado apenas pelo fator financeiro, da mesma forma que ir para Espanha, Inglaterra, Italia ou Alemanha, não vale ir a todo custo pela exposição somente.

Por exemplo, um jogador que reconhecidamente é um grande potencial no Brasil, vale ir muito novo para um Shakthar Donetsk? O time é notoriamente conhecido por fazer jogo duro na hora de vender, ou seja, chances grandes de ficar por muito tempo lá, e aí nem todo mundo é William (Chelsea), alguns podem mofar lá pela Ucrânia e depois não conseguirem nem voltar para um grande clube por aqui.

Jogador de futebol precisaria ter mais cuidado com sua carreira, enxergar melhor as oportunidades para não correr o risco de jogar fora sua carreira que poderia ser tão brilhante.

Como diria Arsene Wenger, alguns jogadores estão aqui pelo dinheiro, outros pela glória. Complementando isso, digo, todo empresário, todo mesmo, inclusive se ele for seu pai, está pelo dinheiro, cabe ao jogador decidir se quer a glória, se gostaria de quando pendurar as chuteiras ser reconhecido por alguma torcida como ídolo, aposto que isso não tem dinheiro que compre.

 

A lista de Tite e uma controvérsia…

Fagner 15052018.jpg

E Tite divulgou sua lista para a Copa da Rússia 2018.

Logicamente não poderia ter sido diferente, com seu pragmatismo atual e sua habilidade de “dobrar” a imprensa. Porque pouco se criticou a lista, uma argumentação ali ou outra acolá, mas você não tem como dizer que a lista é um absurdo.

Porque em nenhum momento, Tite não deu esses indícios, porque não tem ninguém despontando de forma absurda para ser cogitado e tampouco algum medalhão em baixa. Talvez, tenha sido a primeira lista desde de que me entendo por gente que não levanta uma grande polêmica.

Se eu convocaria diferente? Lógico, todos aqui tem suas preferências e mania de treinador. Eu trocaria 4 posições, Vanderlei por Cassio, Mariano por Fagner, Rodriguinho por Fred e Taison por Luan. E ficaria triste por não encaixar Arthur nessa lista também, teria 24 entre os meus relacionados.

Eu particularmente, tenho uma única ressalva mais dura sobre a lista, Fagner. Por muito tempo neguei o futebol jogado por ele, provavelmente hoje ele jogue futebol pela lateral no mesmo nível de todos os concorrentes da posição, Danilo, Rafinha, Mariano, etc, só mesmo Daniel Alves está acima, e, possui a vantagem de ser de confiança do treinador, por isso entendo a convocação por parte de Tite.

Contudo, quando escuto o discurso encantador de Tite não entendo a convocação do lateral do Corinthians, um jogador que por diversas vezes não tem a menor vergonha de entrar de forma maldosa nos companheiros ao ponto de tirar de atividade por longos tempos não deveria ser premiado com uma convocação.

Entrada dura, dividida e lance acidental podem tirar um jogador de atividade, faz parte da profissão, na boca do povo, é acidente de trabalho, agora entradas corriqueiras do lateral como a que ele fez contra o Ederson (na época no Flamengo) entre outras, mostram o total desrespeito com o colega de trabalho.

Assim como por um bom tempo a convocação do Rodrigo Caio era muito mais pelo que ele representava de valores do que de futebol, a convocação de Fagner é oposto, mostra que na cabeça de Tite, o fato de ter trabalhado com o jogador por mais tempo é mais importante do que os valores dele.

Sendo assim, pergunto, vocês concordam com minha opinião? Convocariam o Fagner? Quais jogadores vocês mudariam na relação do Tite?

O CMC10 respira….

CMC10060518

A inspiração para falar do futebol tem faltado ultimamente, arrisquei umas linhas no primeiro semestre, mas nada publicado.

Tenho achado o futebol chato, as discussões de bar giram em torno de média de público , resultado de balanço dos clubes, como vai pagar a divida, quando o patrocinador for embora já era, como pode gastar tanto em fulano e o retorno financeiro dele?

É como abrir um restaurante e se preocupar apenas com o balancete e não olhar que no cardápio não tem nenhuma sobremesa, ou que os garçons não gostam de ficar ou não trabalham direito.

E não podemos esquecer de uma coisa, ainda estamos falando de futebol, a conta não precisa ser exata,é logico que é bom cuidar da saúde financeira do clube, mas tudo só fica bom, se o time jogar bem e ganhar, aí sim, “o resultado vem”.

Portanto, é legal falar de números, eu mesmo gosto de olhar para saber a saúde financeira de um clube e o que ele pode render e como tem que se preparar dentro de campo pelo próximos cinco anos, mas a discussão não pode ser só essa.

Temos que falar do que o Liverpool tem jogado, quase inconsequente as vezes, mas como é bom ver jogar, falar do Napoli, do Manchester City, do Grêmio aqui no Brasil, dos primeiros passos do Atlético-PR com Fernando Diniz, de tudo o que o tático e o técnico evoluiram, mas sem esquecer a beleza que é o futebol.

Falar da história que Cristiano e Messi construem juntos, de como se manter no topo por tanto tempo, são mais de 10 anos que ambos aparecem como os grandes jogadores, não lembro de nada disso na história do futebol.

O clima da Copa está começando, meu album está quase completo, vamos retomar o blog para falar bastante de futebol, tava com saudade de passar aqui e escutar as cornetas de vocês e deixar a minha.

Depois de um periodo sabático (até parece), vamos retomar, vamos falar de futebol, o periodo foi tão longo que até o Wenger deixou o Arsenal.

Enfim, de volta.

 

A matemática do Corinthians

225

E a derrota de ontem, acendeu um alerta no Corinthians, ou pelo menos assim todos vendem, pelo fato de dar alguma graça na parte de cima da tabela.

Realmente, são duas rodadas de diferença, contudo não custa lembrar que só restam 08. Ou seja, além de torcer para o Corinthians continuar com campanha pífia no returno, ainda é necessário que Palmeiras e Santos realmente consigam fazer o belo returno.

Se lembrarmos do final do primeiro turno, Corinthians conquistou 47, contra 35 do Santos e 32 do Palmeiras. Se pensarmos que o Tite considera que 72 já torna o clube candidato ao título e com 75 é garantido, vamos passar para os postulantes.

Pensando em 72 pontos, para o Corinthians faltam 13 pontos dentre os 24 restantes, para o Palmeiras e Santos restam 19 dos 24, tanto o time da Leila quanto o da praia, tem pouca margem de erro para atingir a pontuação boa.

Além disso, significaria que Palmeiras faria um returno de 40 pontos. Um ótimo returno.

Olhando para a tabela, temos:

Corinthians: Ponte (fora), Palmeiras (casa), Atlético-PR (fora), Avaí (casa), Fluminense (casa), Flamengo (fora), Atlético-MG (casa) e Sport (fora). Sinceramente, os próximos dois jogos são perigosos para uma perda de título incrível, fora isso, é completamente tranquilo buscar os resultados nas demais partidas.

Palmeiras: Cruzeiro (casa), Corinthians (fora), Vitória (fora), Flamengo (casa), Sport (casa), Avaí (fora), Botafogo (casa) e Atlético-PR (fora). A tabela do Palmeiras para quem quer buscar uma arrancada histórica é ótima, mas precisará contar com o tropeço do rival, fora isso, apenas ir bem, não dará certeza de nada.

Santos: São Paulo (fora), Atlético-MG (casa), Vasco (casa), Chapecoense (fora), Bahia (fora), Grêmio (casa), Flamengo (fora) e Avaí (casa). O Santos é o azarão nessa disputa, tem uma sequência complicada fora de casa e pode ficar pelo caminho após voltar de Salvador.

Por fim, apesar da emoção gerada pelo returno pífio do Corinthians, o Palmeiras teria que repetir história parecida com a de 2009, quando na oportunidade ele era o Corinthians e viu o título escapar de forma incrível nas últimas rodadas do campeonato.

Para o Corinthians, basta olhar com atenção para o que aconteceu em 2009 com o arquirrival para não repetir os mesmos erros. Do pouco que vi, acho que Carille pode arriscar uma mexida ou outra no time, como “perder” um pouco do meio e ganhar agressividade nos jogos em casa.

Na matemática, ainda assim é muito difícil o Corinthians perder, o problema é que mesmo a matemática no futebol é subjetiva.