Qual o melhor momento para lançar um jovem?

Lulinha 21012015

Qual o melhor momento para lançar um menino?

Ontem foi feriado no Rio de Janeiro e portanto, depois de algum tempo, consegui acompanhar algum programa esportivo na hora do almoço, vi o Bate Bola da Espn e em determinado quadro, a pergunta do começo do post foi debatida entre Zé Elias, Alexandre Oliveira e Jorge Nicola.

Tudo isso, por causa da transferência entre Cruzeiro e Corinthians envolvendo Marciel e Willians. O Corinthians mandou provavelmente sua melhor promessa dos últimos dois anos com uma claúsula de compra, podendo perder a promessa para um rival nacional.

Do ponto de vista tático, entendo a escolha de Tite, sua necessidade é de um primeiro volante que proteja a defesa tão bem quanto Ralf fazia e Willians tem muito mais capacidade de fazer isso, do qualquer outra peça do time.

Porém o discurso utilizado é que não foi sustentado, quando Edu Gaspar diz que não irão repor outro Gil, porque o que eles querem é preparar alguém para ser um novo Gil, mostra que o apoio a base e a utilização dela para montar o elenco nessa renovação forçada pela China será feito.

Contudo, ao fazer essa troca, mostra que é o uso será apenas um tampão, caso não achem alguém no mercado.

E aí, fiquei com a dúvida, mais do que discutir a troca em si, mas,  qual o melhor momento para lançar um jovem?

Com o time redondinho, a chance dele ser lançado é menor, porque pode colocar em risco a chance de sucesso daquele time, enquanto o garoto vai ganhando corpo.

Com o time escangalhado, a chance da torcida pegar no pé é gigante, pode ser queimado e tudo mais.

Ou seja, desculpa sempre terá, e quando eu vejo os times do Santos de 2002 para cá, tenho certeza de que é muito mais uma questão de filosofia e vontade do treinador do que qualquer discurso pronto.

O moleque deve ser lançado e preparado aos poucos sim, e em qualquer situação.

O não lançamento dos garotos só mostra uma certeza o quão distantes todos os clubes estão entre o trabalho do profissional com o da base. Se desde os 11 anos, o menino é preparado para o que vai enfrentar no profissional, mais fácil é sua adaptação, mais natural.

Agora, quando vemos que ninguém se importa com isso, que tanto faz o esquema da base, pouco importa se é completamente antagônico ao que o time principal propõe, é lógico que todo treinador, até Tite, terá preguiça de trabalhar com os garotos.

Já que de dentro não vem pronto, traz de fora, o pronto.

O Cruzeiro estreou!

image

Ontem assisti ao jogo do Cruzeiro pela Libertadores, vitória tranquila sobre o fraco time venezuelano do Mineros.

Os gols foram marcados por Arrascaeta, Damião e Henrique.

Tinha visto o Cruzeiro na pré temporada contra o Londrina e depois nos três jogos da Libertadores.

Enfim, o Cruzeiro estreou!

A movimentação característica do bicampeão nacional reapareceu, Marcelo conseguiu fazer as novas peças entenderem sua proposta de jogo.

Arrascaeta, Alisson, William bigode e Damião fazem esse novo quarteto, com Henrique e Willians na volância.

Marcelo manteve o seu 4-2-3-1, com muita triangulação entre os laterais, pontas e seu meia centralizado, além das aparições constantes de Henrique.

A promessa uruguaia começa a mostrar suas armas e Damião voltou a colocar uma pulga atrás das nossas orelhas, quem é Damião?

Damião fez um partidaço ontem, confesso que mesmo na época de Inter, não lembro de uma atuação tão completa dele. Não se resumiu a fazer muito bem seu papel de centroavante, deve ter assistido alguns vts com atuações do Guerrero.

O Cruzeiro parece ter iniciado o ano enfim, e o melhor a proposta de jogo foi preservada.

Marcelo de Oliveira vai se credenciando como um grande treinador e agora é ficar de olho na Raposa.

Falta: o principal recurso!

42708_zuñiga

Você acha a falta um recurso do futebol?

Eu acho, mas ele não precisa ser o primeiro e com certeza muito dos problemas da qualidade de nossas partidas partem dessa premissa.

Ontem fui ao Morumbi ver o jogo do meu tricolor, antes de entrar no estádio, parei em uma lanchonete próxima do Cícero Pompeu de Toledo e assisti ao clássico paulista entre Santos x Corinthians, depois vi a partida do São Paulo e quando cheguei em casa ainda consegui ver o clássico do Rio Grande do Sul.

E sabe o que eu mais vi nesses jogos? FALTA, FALTA E MAIS FALTA. Eram faltas por todos os lados.

No Grenal por exemplo, aos 42 segundos do primeiro tempo, Rodriguinho já dava um cartão de visita para Willians. No clássico paulista, a bola rolou menos de 40 minutos. Menos de 40%. Pense que você pagou ingresso para ver esse jogo, comprou uma partida de 90 minutos, que deveria ter em média 60 minutos e só teve 40 minutos. Deixaram de te “dar” 1/3 do jogo que você pagou.

Eu sei que existe uma questão sobre a arbitragem, que não sabe controlar um jogo e para demais o jogo.

Mas venho notando com mais carinho esse ano, que o problema maior está nos jogadores. O brasileiro é ensinado desde cedo a parar o jogo, o jogador brasileiro não é ensinado a marcar bem, ele é ensinado a interromper o ataque rival, seja desarmando, seja fazendo falta.

O próprio Felipão na coletiva pós-clássico soltou a seguinte frase: “O Walace, menino de 19 anos foi bem o jogo todo, uma aposta que fiz para segurar o D’Alessandro, só no lance do gol, se ele fosse mais experiente tinha parado o lance com uma falta.”

O pior, ele disse isso achando que era bacana o que ele estava dizendo. Ou seja, estamos formando a base para parar o jogo com falta.

Ontem, antes dessa maratona de Brasileirão, assisti ao final da Copa da Inglaterra. O jogo era Arsenal x City, era uma final, não esqueçam. A primeira falta aconteceu com 12 minutos de jogo. 12! A essa altura no clássico paulista já tinhamos 10 faltas. Algumas por exagero de Raphael Klaus, mas a maioria porque o jogador brasileiro vai para fazer a falta.

Está errado, basta lembrar que o Brasil terminou a Copa como a 5ª seleção com a maior média de faltas.

Para quem diz que é o país do futebol, do futebol-arte, futebol jogado, temos que dizer que estamos mais para o país da falta como principal recurso.

Pitacos: Os jogos que não foram para a nossa alegria…

Ontem o dia começou com o jogo entre Barcelona e Milan e terminou com Olimpia e Flamengo, passando pelos jogos de Corinthians e Palmeiras.

Eu acho que a transmissão na Tv aberta do clássico europeu afetou o rumo da partida, pois o jogo ficou abaixo do esperado, principalmente porque o Milan foi muito eficaz em não deixar o Barcelona jogar.

Não me venham com aquela história que foi o Barça que esteve em tarde infeliz! Vamos respeitar a atuação rossonera. O Milan conseguiu a duras penas segurar a máquina Barcelona.

Vai agüentar no Camp Nou? Duvido. Já faltou pernas para o time no final do jogo, na Catalunha, acho impossível o time ter êxito nos 90 minutos novamente. A chance do Milan é ser perfeito nas chances que tiver.

Mas agora vou falar uma coisa para vocês, o time que terminou jogando pelo Milan tem no máximo três jogadores que seriam titulares nos grandes clubes brasileiros.

Depois foi a vez de acompanhar quase que simultaneamente a pasmaceira dos nossos estaduais e o Flamengo na Libertadores. Logicamente que o jogo do Flamengo me atraia mais.

Primeiro por constatar que Ronaldinho sempre foi e sempre será coadjuvante, nunca teve atuação de destaque quando a responsabilidade do time era somente dele, para não ser tão chato, apenas naquele famoso jogo em Madri que ele saiu aplaudido que ele assumiu mesmo a bronca.

Ronaldinho só jogou bola quando Botinelli entrou para dividir a criação do time. Em compensação Love está carregando o time nas costas, tem jogado muito, sem exagero nenhum, ele merece uma chance na seleção.

Outro caso curioso é Willians, de volante marcador que todo mundo queria na frente da zaga, passou a jogador pesado de pegada fraca, completamente tosco. No final, o Flamengo perdeu por 3×2 para o Olimpia e terá enormes dificuldades de passar da primeira fase. Depende somente dele, o que torna “mais difícil” as coisas.

Nos animadíssimos estaduais, os confrontos de Palmeiras e Corinthians terminaram com a vitória de 1×0. Tradicional para o time corintiano, curiosa pelo lado palmeirense, já que o gol não teve participação nem de Marcos Assunção, nem de Barcos, foi jogada individual de João Vitor.

No fim, vários jogos, mas nenhum empolgante, vamos ver se o fim de semana guarda algum jogo mais divertido.

Análise do BR-2011 até essa 09ª rodada.

Galera do blog, esse fim de semana confesso que fui um pouco displicente com o Brasileirão, não vi quase nada, na verdade vi apenas os dez minutos finais do jogo do Corinthians e escutei a vitória do meu tricolor. No caso do domingo, estava impossível tirar do jogo da seleção de vôlei, jogo eletrizante digno de final de Liga Mundial.

Iria fazer essa análise apenas na décima rodada, porém vamos antecipar, vamos fazer uma análise geral da tabela.

Na parte de cima, Corinthians e Flamengo são os times a serem batidos, ainda invictos no campeonato, os times mostram que estão bem compactos e que para o adversário vencer terá que suar sangue. Tenho gostado muito do que vi em Palmeiras e Botafogo, são dois times bem montados, com elenco limitado, mas com força total são times difíceis de serem batidos.

Além desses quatro, incluo Cruzeiro, Inter e São Paulo como favoritos ao topo da tabela, contudo esses três ainda estão encontrando a formação ideal.

Na parte debaixo, parece que está mais anunciado do que nunca os que farão parte da Série B, os 4A, Avaí, Atlético-PR, Atlético-GO e América-MG são times muito fracos e que dificilmente terão sorte para escapar da degola.

Minha seleção até essa 09ª rodada fica com Muriel (INT), Weldinho (COR), Chicão (COR), Anderson Martins (VAS), Junior Cesar (FLA), Willians (FLA), Paulinho (COR), Marcos Assunção (PAL), Thiago Neves (FLA), William (COR) e Ronaldinho (FLA), Téc. Felipão (PAL)

E para vocês, quais são os destaques até agora?

Pitacos: 07ª rodada do BR-2011

Galera, ontem acompanhei os dois jogos dos últimos invictos do Brasileirão 2011, primeiro assisti a vitória do Flamengo por 3×2 sobre o América-MG e depois acompanhei a vitória corintiana sobre o Bahia por 1×0.

No jogo do Flamengo, comecei a olhar a escalação e me assustei como no papel o time é ofensivo, o rubro negro do meio pra frente começa com Willians, Renato Abreu, Thiago Neves, Ronaldinho, Negueba e Deivid, contudo na prática a proposta é um pouco diferente, basicamente é “tudo mundo se mata, menos o Ronaldinho”, brincadeiras a parte, é impressionante a doação dos demais jogadores para que o camisa 10 possa se dedicar somente ao ataque, Willians é um monstro na frente da defesa, ele parece jogar por três, Renato Abreu foi outro que me surpreendeu, tem aparecido pouco no apoio, mas sua cobertura as subidas dos laterais adversários tem dado muita segurança a defesa flamenguista.

Soma-se a isso que Ronaldinho está jogando bem e Deivid desencantou. Ontem o dentuço, não apareceu tanto, mas foi decisivo sempre que teve espaço, marcou dois gols e teve atuação destacada. Bom, ver Ronaldinho mostrando seu talento em terra brasilis, a questão é se agora ele deslancha de vez, ou se é apenas reação momentânea a cobrança da Magnética. De qualquer forma, pelo que eu vi no jogo de ontem, mudou um pouco minha opinião sobre o Flamengo, esse time pode ir longe, ainda mais se o dentuço deslanchar. Quanto ao Coelho, o time é esforçado, tem bons atacantes e bons zagueiros, mas seu jogadores de meio são bem limitados, o time mineiro vai lutar para não cair.

Vamos agora para o jogo do Corinthians, bem mais real dessa vez, o jogo foi bem disputado e o melhor da partida foi Júlio César, o que mostra que o Corinthians tirou a sorte grande na noite de ontem. A partida foi bem distinta, um tempo para cada time, no primeiro tempo, o time paulista foi superior e no segundo, domínio do time baiano.

No Corinthians, Liédson fez boa partida novamente, diferente de Danilo que pouco apareceu, assim como William, aliás, Alex e Emérson jogaram pouco minutos, e mostraram ótimo potencial, acho que com o tempo, ambos podem ganhar a titularidade, dessa forma o Corinthians assume a liderança e carimba de vez o time como candidato ao título, ainda assim não é um time que encanta, algo parecido com o Flamengo, são dois times competetivos, mas que ainda não convencem.

Pelo Bahia, o time mostrou que tem um time bem arrumadinho e com alguns talentos individuais que podem fazer a diferença em alguns jogos, ontem gostei muito da atuação do zagueiro Paulo Miranda, marcou Liédson de forma leal, diferente da disputa entre Fahel e Jorge Henrique, como sempre o pequeno jogador corintiano cria polêmica na partida ao deixar se famoso cotovelo no umbigo dos adversários. Nada que transforme Fahel em um santo, o volante ex-Botafogo também é famoso pelo seu estilo MMA de jogar. Voltando ao tricolor baiano, acredito que o time poderá fazer uma campanha digna e de repente até beliscar uma vaguinha na Sulamericana.

Destaque para o Cruzeiro que está subindo na tabela e conquistando a posição que lhe é de direito. Em compensação, o São Paulo, digo os jogadores, parecem ter se cansado de Carpegiani.

E vocês, o que acharam dos jogos de ontem?