Qual o limite de interferência de um ídolo?

fredreclamando

Qual o limite de interferência de um ídolo?

A polêmica entre Fred, Flu e Levir acendeu esse debate. Isso sem ainda sabermos exatamente o que fez Fred tomar tal posicionamento. Ainda é necessário, escutar o jogador, para tirarmos conclusões. Isso sem falar na conversa entre Fred e Levir para resolver o que será daqui para frente.

Mas de qualquer forma, a situação toda gerou uma questão sobre até onde Fred pode adotar uma postura diante da condição de ídolo da história tricolor. Fred tem o carinho de todo o torcedor das Laranjeiras, o jogador um dos símbolos da história recente do clube, foi peça-chave na retomada histórica no Brasileirão de 2009 e depois no título do ano seguinte.

Contudo, Fred foi aproveitando o cenário atual brasileiro e foi ganhando corpo dentro do Fluminense, diante de cada saída de treinador. Desde de que Fred chegou houve 15 trocas de comando. 15 treinadores diferentes em pouco mais de 5 anos. Não por menos, Fred se consolidou como referência e por algumas vezes foi motivo da saída de outros treinadores.

Fred tem liderança perante o grupo e pode levar os jogadores a se doarem mais ou menos diante da postura do treinador, e ultimamente a pouca experiência de alguns pesou a favor de Fred. Contudo, dessa vez, ele parece ter reencontrado um treinador com tremenda bagagem, além de uma característica crucial nesses momentos, Levir é querido pela imprensa.

Porém, acima de tudo fica a questão, o quanto a posição do atacante permite algumas atitudes, até onde ele pode se posicionar e quando passa a ser algo maior do que o clube? E aqui fica o exercício não só para o Fred, mas para ídolos do clube, talvez hoje, só Victor do Galo tem essa importância dentro de um clube.

Qual o limite de interferência de um ídolo?

Anúncios

Nossa safra de goleiros!

2002-041098-_19700609

Depois da atuação do Fernando Prass contra o Fluminense, seu nome foi levantado como possível goleiro de seleção.

Contudo, gosto de reforçar quando as convocações de seleção surgem, goleiro é confiança, mais do que momento. O treinador precisa se sentir seguro com ele no gol e consequentemente, passar tranquilidade para o grupo.

De qualquer forma, se existe uma posição muito bem servida no Brasil é a de goleiro. Talvez não exista nenhum excepcional atuando no seu auge físico, porém existem vários bons goleiros.

Aliás, dizer que não tem nenhum excepcional é pouco de precipitação, sempre digo que um jogador se mede após o seu encerramento ou a vias de encerrar. No gol, Buffon e Ceni são os grandes nomes que vi jogar, não só a qualidade técnica de defender, mas o que fizeram na posição. Neuer, é outro que ainda no começo, vem aperfeiçoando a função, e tem tudo para entrar nesse altar dos goleiros.

Voltando para o nosso campeonato, na Série A, considero apenas o Avaí detentor de um titular mediano, os demais todos possuem bons goleiros defendendo as metas.

Entre os considerados menores, Weverton, Lomba e Danilo Fernandes são os grandes destaques. Aliás, o último, salvo uma sequência desastrosa nesses 6 jogos finais, é o meu goleiro do Brasileirão.

Danilo pegou muito, várias vezes nesse campeonato.

Escolher quem merece ir para a seleção é sempre muito injusto, porque só um será titular, e no máximo três farão parte do grupo. E hoje nosso país tem pelo menos 11 postulantes a vaga.

A única coisa que questiono em Dunga é a não definição de quem são, até porque já disse, a segurança para o grupo começa em todos saberem quem é goleiro.

E só para não perder o costume, irei listar cinco goleiros, o titular, os dois reservas e mais dois, caso alguém esteja impossibilitado de participar.

Titular: Diego Alves
Reservas: Cavalieri e Jefferson
Eventuais: Victor e Grohe

Abs,
Thiago Campos

A diferente noite dos goleiros

image

E ontem a Libertadores voltou para os brasileiros!

Todos os cinco clubes entraram em campo ontem para o início das oitavas de final da competição.

E podemos olhar a participação de todos pela ótica dos goleiros, quase todos tiveram papel fundamental no placar do seu time.

Cassio foi o primeiro a entrar em campo, foi o único a jogar fora do Brasil, talvez por isso tenha se sentido abandonado, logo no começo do jogo uma saída errada em um cruzamento quase rendeu o primeiro gol do Guarani.

Porém, ele guardou o melhor (pior na verdade) para o final, melhor nem tanto final assim, eram 15 do segundo tempo quando uma falta de longa distância passou por ele de forma constrangedora.

Tudo bem que o time não ajudou nada no restante do tempo, mas Cassio foi peça chave para o Guarani sair do Paraguai com uma boa vantagem.

Depois os outros quatro goleiros entraram em campo, dois no Morumbi e dois no Independência.

E aí, os dois que jogavam fora de casa como Cassio havia acabado de atuar, foram os destaques, mas por garantir ao seu time que o resultado não fosse pior.

Alisson pegou bem demais para o Inter, retardou o máximo possível o empate do Galo e quando não deu mais para evitar, o Galo também não tinha mais tempo para tal.

O mesmo fez Fábio diante de um Morumbi lotado (recorde de público pós Copa), evitou a qualquer custo a vitória tricolor, foram três grandes defesas, no final o ovacionado Centurion ainda conseguiu vencer a barreira Fábio para garantir a vitória são paulina, mas ficou de bom tamanho para a Raposa.

Ceni e Victor não chegaram a ser meros espectadores, mas nem de longe tiveram um dia tão agitado.

Burro com sorte, inteligente e com asa…

levirculpi-atleticomg-fernandomartins-6

Lógico que é só o início.

Lógico que é apenas pré-temporada.

Mas o ínicio do Atlético-MG ontem foi arrasador.

O Galo enfrentou o Shakthar e venceu por 4×2, sendo que o time mineiro chegou a abrir 4×0 nos ucranianos. O time que começou foi Victor, Marcos Rocha, Leonardo Silva, Jemerson, Douglas Santos, Leandro Donizete, Rafael Carioca, Luan, Carlos, Datólo e Pratto.

Um time leve, extremamente leve. Com um proposta de jogo ofensiva, com dois volantes que sabem jogar e um trio a frente muito rápido e de muita movimentação. E Pratto confirmou as expectativas. Tem faro de gol e ótima movimentação, características do novo centroavante.

Levir parece ter achado uma fórmula para deixar os garotos que subiram a vontade. Dodô é uma grata surpresa, desde a reta final do brasileiro do ano passado e mesmo no jogo de ontem, o menino mostra um futebol diferenciado.

Entre os times brasileiros da Libertadores, a única real incógnita é o Inter, pois os demais pouca coisa mudaram, portanto a expectativa era de melhora nos demais devido ao entrosamento. Contudo, depois de ver Corinthians e Cruzeiro não esperava um início tão bom do Galo.

O Galo começa o ano muito bem, o time já está leve, e Levir mostra que a proposta de jogo mesmo sem Tardelli será a mesma, jogar para cima.

Levir já pode dizer que além de Burro com sorte, é bom inteligente e com asa, pois o Galo começou voando.

A primeira lista de Dunga: 19/08/2014

Dunga31072014

E saiu a data da primeira convocação de Dunga, será dia 19 de agosto.

E aí, eu pergunto quem fará parte dessa lista? Muita coisa vai mudar? Quem serão as surpresas?

O Cadê Meu Camisa vai tentar pelo perfil do treinador e por convocações quando o mesmo comandou a seleção tentar desvendar um pouco essa lista.

Goleiros: Acho que a principal mudança será a titularidade de Fábio. Dunga, sempre gostou muito do goleiro e recentemente disse que Fabio era o melhor goleiro brasileiro. Os outros dois ou apenas mais um que ele levará continuará entre Victor, Cavalieri e até mesmo Diego Alves.

Laterais: Por mais que todos estejam saturados de Maicon e Dani Alves, precisamos entender que no curto prazo não existe outro. Rafinha (Bayern) é tão velho quanto Dani, portanto acho que na direita pouca coisa muda. Já na esquerda, Filipe Luis será o titular, enquanto Marcelo banco.

Zaga: Acho que nossa dupla titular e que agora terá entrosamento no PSG continua junto. É capaz de mais um ex-PSG e ex-companheiro de Thiago Silva, aparecer. Alex (ex-Santos, atualmente Milan) foi convocado algumas vezes por Dunga, e possui entrosamento com Thiago. Para a quarta vaga, acho que Dunga cederá a justa pressão popular e levará Miranda.

Volantes: Para mim, Lucas Leiva e Ramires serão a dupla de volantes. Depois disso, é um grande mistério para mim. Acho Fernandinho e Paulinho possuem chances, mas não duvido que Sandro reapareça ou qualquer outra novidade por aqui.

Meias: Hernanes e Oscar devem compor esse meio de Dunga inicialmente. Everton Ribeiro e William pintam como os candidatos para compor o elenco. Aqui novamente, outros nomes como Kaká, Ganso, Phillipe Coutinho também são candidatos.

Ataque: Sinceramente, Neymar e só. Eu não tenho a menor idéia do que Dunga fará aqui. Aqui no Brasil, temos poucos nomes de destaque, apenas Ricardo Goulart (o Thomas Muller brasileiro), lá fora, Firmino (mais um daqueles que nunca apareceram no Brasil, fez uma grande temporada na Alemanha e pode ser uma aposta.

Assim, a lista  que o Cadê Meu Camisa 10 acha que Dunga divulgará dia 19 é essa (acredito que os titulares serão os destacados em azul):

Goleiros: Fabio, Victor

Laterais: Maicon, Dani Alves, Filipe Luis, Marcelo

Zagueiros: Thiago Silva, David Luiz, Alex, Miranda

Volantes: Lucas Leiva, Ramires, Fernandinho, Paulinho

Meias: Hernanes, Oscar, Everton Ribeiro, William e Phillipe Coutinho

Atacantes: Ricardo Goulart, Firmino e Neymar.

Galo forte, vingador e exorcista!!

Galo

“Diziam que o Galo era azarado, que eu era azarado, pronto, acabou! Azar, p…a nenhuma!” foi assim que Cuca desabafou ontem após Gimenez errar o quinto pênalti do Olimpia garantindo a vitória por 4×3 para o time mineiro.

Na sequência, Ronaldinho completou, “falavam que eramos renegados, que o Ronaldinho acabou, que o Jô acabaou, que o Gilberto Silva acabou, que esse time não tinha vontade, tá aí, vão falar o que agora?”

Foi assim que começou a trajetória desse time mineiro que ganhou um capítulo extraordinário ontem, com a conqusita da Taça Libertadores da América. Um time que começou na fase de grupos atropelando todo mundo. Só perdeu para o São Paulo na última partida, derrota essa que fez com o que o Galo encontrasse novamente o time brasileiro nas oitavas e aí o fantasma da “zica” que assombrava Atlético e Cuca começava a ser exorcizado.

O São Paulo começou fulminante o primeiro jogo no Morumbi, abriu o marcador e sufocava o Galo na busca pelo segundo gol. Eis que os caras lá de cima, resolveram ajudar e fizeram Lúcio ter uma atitude totalmente destemperada e ser expulso ainda no primeiro tempo. A partir dali, o Galo fez valer a superioridade numérica, virou o jogo e depois venceu com sobras no Horto.

O próximo adversário seria o Tijuana, time sem tradição e que tinha como diferencial apenas o campo de grama sintética, ou seja uma presa fácil para o time de Kalil. Para melhorar a história, o Galo conseguiu segurar o empate no México por 1×1 e veio tranquilo para cumprir seu papel dentro do Horto. Mas , só foi começar o jogo para o fantasma voltar a assombrar. O time jogou muito mal (provavelmente a pior atuação do time dentro de casa) não criava nada e o Tijuana ainda arriscava contra ataques perigosos. E quando tudo caminhava para uma classificação por 0x0 de forma preocupante, um pênalti aos 47 do segundo tempo para o Tijuana mostrava que o fantasma precisava ser exorcizado mesmo. E mais uma parte dele foi exorcizada, pois Victor resolveu pegar com os pés a cobrança e manter o Atlético vivo na competição.

Chegava a vez de enfrentar, o time mais forte da competição, o Newells Old Boys. Para mim, o time argentino foi tão bem quanto o Galo na competição, mas alguém precisa seguir em frente. Aí foi a vez do Galo fazer uma péssima partida na Argentina, o time foi engolido pelo Newells e saiu com um 2×0 perigoso na conta. No jogo de volta, um gol logo no começo e só. Depois, o Newells começou a controlar a partida mesmo sem a bola, especialidade argentina. Parecia que o time poderia jogar dias e dias que nunca seria assustado pelo Galo. Apenas uma luz salvaria o Galo.

E a luz veio, mas veio indo embora. Um apagão no estádio da Independência paralisou o jogo por cerca de 15 minutos e foi o tempo suficiente para Cuca reorganizar o time mineiro para jogar uns 15 minutos finais em cima do time argentino. E a luz (ou falta dela) foi fundamental para o resultado, o time continuou abafando, mas agora de forma mais concreta e foi achar o gol com Guilherme. Sim, aquele que os atleticanos chamavam de “Maria” (referência ao histórico do jogador no maior rival) e que havia entrado no lugar de ninguém menos do que Tardelli.

Com o gol, a decisão foi para os pênaltis e o exorcismo continuava, o time conseguiu uma virada nas cobranças de pênaltis, aumentou ainda mais a idolatria dos torcedores por Victor e o time carimbava o passaporte para final contra o apenas tradicional Olimpia do Paraguai.

O primeiro jogo foi feio, com o Galo errando muito e o Olimpia mostrando que era apenas um time esforçado, porém achou dois gols, sendo um no final da partida que deram uma vantagem significativa para uma final. 2×0. E ontem o fantasma foi exorcizado de vez.

Exorcizado pelo volume de jogo criado, exorcizado, porque conseguiu devolver o placar e vencer nos pênaltis, exorcizado porque apesar de ter um jogador a mais, não pode aproveitar porque Bernard se lesionou, exorcizado porque quando Ferreyra correu em contra ataque e deixou Victor para trás, os deuses do futebol trataram de lhe darem uma rasteira que fez com que o atacante não silenciasse o Mineirão. Exorcizado porque Cuca montou o São Paulo campeão dessa competição em 2005 e no Cruzeiro montou times impecáveis que cairam pelo imponderável, portanto já era merecido a tempos.

Venceu o melhor, e venceu aquele que venceu 8 adversários. O Galo venceu Arsenal-ARG, São Paulo 2x, The Strongest, Tijuana, Newells, Olimpia e principalmente, ele mesmo!

Parabéns Clube Atlético Mineiro, Galo forte e vingador!!