“Todos os esportes coletivos tem o mesmo objetivo”

pep-guardiola-bayern-munich_3432500

Trazendo mais um pouquinho do que li no livro de Guardiola!

Em determinado momento, Guardiola traz um conceito para definir universalmente todos os esportes coletivos, segundo ele, em qualquer esporte coletivo, a posse de bola deve ser obtida no intuito de enganar o adversário, manter a posse em um lado e de repente em um rápido movimento, levar a bola para o outro lado afim de encontrar alguém com mais espaço para definir.

Essa declaração veio após uma revolta de Pep sobre o Tiki Taka, o espanhol disse que odeia o Tiki Taka, porque a posse de bola por posse de bola é uma grande besteira.

Olhando para a definição dele, é impressionante como por mais que outros tenham percebido anteriormente, a declaração de Pep traz para nós que ficamos aqui apenas no pitaco um conceito simples para se entender o esporte coletivo.

Baseia-se em ter a bola e trazer o rival para um espaço do campo onde você terá domínio, porém como esse espaço estará muito povoado, caberá ao time, mudar rapidamente o local onde a bola estará para encontrar alguém livre e com um espaço maior para concluir a jogada.

O mais impressionante é que seja no vôlei, basquete ou handebol (trouxe esses três como exemplos mais próximos do que praticamos nas aulas de educação física na escola) o conceito é o mesmo, o trabalho coletivo é feito para que alguém em algum momento tem espaço para concluir a jogada com a menor pressão de marcação possível.

Parece trivial, parece a coisa mais óbvia do mundo, mas a forma como alguém executa é a grande diferença, porque não envolve somente treinamento, desculpem a redundância, mas “envolve envolver” o jogador, fazer com que ele entenda e tenha confiança em executar, que ele tenha em mente tudo que pode acontecer no momento seguinte, desde a execução correta do movimento até a errada.

Como Pep diz, para você ter a bola, você precisa querer ela, atacar o adversário é fundamental o quanto antes para ter a bola novamente para si.

E aí como sempre que Pep é fantástico, a sensação que no xadrez do futebol ele conhece todos os movimentos possíveis, todos, não existe nada que passe desapercebido, e é dessa forma que seus jogadores possuem total segurança de tudo que pode acontecer.

Sou um apaixonado pelo futebol como todos vocês sabem e essa biografia do Pep foi um belo soco no meu estômago, até em uma biografia Pep consegue ampliar nosso olhar para o jogo de futebol.

Aposentando o melhor funcionário!

funcionariodomes

A escolha pela aposentadoria nunca é fácil.

Imagine-se na situação de parar tudo o que você tem feito há anos, ter que reinventar sua rotina para não enlouquecer com o ócio que passará a tomar conta da sua vida e, mais ainda, se programar, saber a hora que esse momento vai chegar para não ser surpreendido ao final da sua trajetória.

A Espanha não soube a hora certa de parar.

Em 2008 ganhou uma Euro. Em 2010, uma Copa do Mundo. Em 2012, outra Euro. Ou seja, se ganhou tudo que poderia em 4 anos, porque não aguentaria mais uma Copa?

O espectador mais atento veria que a Euro em 2008 foi tranquila e na Copa em 2010 (com a exceção da derrota para a Suíça e a tensão da final) a Espanha não passou por grandes sustos. Já na Euro de 2012, o time começou a ter mais dificuldades, a final contra a Itália mostrou que alguns aspectos da filosofia da seleção espanhola já não funcionavam tanto.

Mourinho se reinventava para vencer o Barcelona e ensinava ao mundo como parar o Tiki Taka espanhol.

Era hora de Del Bosque começar a mudança e entender que alguns ajustes seriam necessários, mas decidiu se arriscar por mais um campeonato. Ontem o futebol foi impiedoso e eliminou os campeões mundiais ainda na primeira fase. Aliás, nesse milênio, só o Brasil na Copa de 2006 não teve o mesmo fim.

O Chile merece comemorar a classificação da tarde passada pelo futebol presente hoje no time.

Mas todos devem reverenciar o que a seleção da Espanha fez nos últimos 6 anos.

A aposentadoria foi forçada, sim, mas ninguém na grande empresa chamada futebol pode questionar o talento e as várias condecorações da Espanha como funcionário do ano!