E aí, seu advogado é craque?

tecnologia-arbitragem-1376

E resolvemos continuar falando da arbitragem.

E o melhor, isso não fica apenas para nós torcedores, vai para o comentarista, vai para os blogueiros, vai o jornal, para o treinador, para os jogadores, e para os tribunais. Sim, como já disse aqui inúmeras vezes, como nosso STJD gosta de “disputar” o campeonato brasileiro e curiosamente sempre prepara uma entrada triunfante na reta final do Brasileirão.

Já faz tempo que damos espaço maior que o devido para eles, sim, a culpa é de todos os envolvidos, eles só aproveitam para aparecerem.

Para mim, tudo começa na falta de apoio aos árbitros e uma comunicação clara, é preciso um limite de tempo para se tomar a decisão final sobre um lance. Não se pode gastar 13 minutos para se decidir se um gol é válido ou não. Em treze minutos, todo mundo no estádio já sabe o que realmente aconteceu.

E se no futebol não permitimos o uso de tecnologia é porque assumimos que o erro faz parte do jogo, é bem difícil acertar sempre, portanto, de maneira prática, a arbitragem deveria gastar 30 segundos para decidir um lance duvidoso, o árbitro acha uma coisa, o bandeira próximo ao lance acha igual ou diferente, aí o árbitro precisa decidir, ou seja, em trinta segundos, uma decisão deve ser tomada e segue jogo.

Se errar, paciência, tá dentro da expectativa.

Isso independe de profissionalização (que eu defendo), isso independe de calendário fechado de arbitragem (que eu também defendo), isso independe de outras várias medidas para ajudar a arbitragem, enquanto não aceitar o uso da tecnologia para resolver a partida, o erro fará parte.

Ou teriamos alguma discussão, se Ricci tivesse dado o gol do Flu e pronto? Ah, ele tava impedido, sim, mas ficaria apenas na conta dos famosos erros que acontecem, nem tampouco o Figueira entraria agora com a mesma ação.

E para aproveitar a chance de aparecer, o STJD decide que irá julgar até o mês de Novembro, ou seja, ganhou a chance de brincar de dono da decisão do campeonato, é patético.

Enquanto isso, fica a sensação que além de um bom time, os clubes precisam se preocupar em trazer como reforço a cada temporada, um bom advogado, porque em algum momento, ele poderá ser útil.

Já tô vendo que para o próximo album de figurinhas do campeonato brasileiro, além do craque do time, teremos um espaço para o advogado do clube.

E aí, seu advogado é craque?

Anúncios

Pitacos: Paulistas se dão bem com apito amigo ajudando e atrapalhando…

Galera do blog, ontem mais uma quarta daquelas.

Comecei vendo o primeiro tempo do jogo do Palmeiras, e depois acompanhei simultaneamente São Paulo x Goiás e Vasco x Corinthians. Como o segundo jogo foi visto pelo computador, precisei de um reforço pós jogo para analisar melhor a partida.

Como o jogo do Palmeiras eu não acompanhei na integra, vamos nos concentrar no resultado. O Palmeiras conseguiu um ótimo resultado ao empatar com gols. Tornou a tarefa fácil para o jogo em São Paulo.

No jogo do São Paulo, o time fez uma boa atuação, principalmente por ter conseguido dois ótimos laterais. Cortez é sempre bom, uma regularidade incrível. Agora o São Paulo parece ter encontrado também o seu lateral direito. Douglas foi o melhor da partida ontem, ótimas subidas, marcação firme e um golaço para coroar a atuação.

A dupla de zaga e Denilson também foram muito bem. No conjunto, o time mostrou um grande sinal de evolução o time sofreu sufoco do Goiás apenas quando resolveu recuar. Cícero está caindo de produção e Casemiro é um jogador fenomenal, muito talento, mas precisa entender que às vezes fazer o simples é tão bom quanto os passes de 40 metros que ele faz tão bem.

O São Paulo conseguiu uma boa vantagem, mas será fundamental achar um gol no Serra Dourada para ficar tranqüilo com a vaga.

O jogo da Libertadores foi feio, amarrado muito preso no meio de campo e de poucas chances. O resultado final de 0x0 foi justo. Lógico que a dupla Sandro Ricci & Corinthians parecem pré-dispostos a polêmica. Em 2010, foi ele que marcou aquele pênalti inexistente a favor do Corinthians contra o Cruzeiro.

Ontem, ele resolveu anular um gol do Vasco. Lance duvidoso, e todo mundo sabe que se houve dúvida, deve se dar o gol.

De qualquer forma, o resultado foi justo. O time do Vasco graças a seu treinador foi covarde abdicou de colocar Felipe desde o começo e continua só aumentando a revolta entre seus jogadores. O time do Vasco é insubordinado já, Cristovão não manda mais, o time ainda joga porque querem no currículo a Libertadores.

Pelo Corinthians, o time fez o resultado que queria, empatou em 0x0 e terá o Pacaembu para vencer a partida e levar a vaga. O Corinthians aumentou seu favoritismo e tem tudo para avançar a semifinal. Individualmente, vejo uma queda de rendimento de Paulinho.

No fim, uma quarta-feira ótima para os paulistas que deram um ótimo passo para as suas classificações nos campeonatos.

Depois dizem que um pênalti não muda o resultado da partida…

Bom a novela “Brasileirão 2010” ganhou cenas extras, cujo o resultado podem abalar sensivelmente o futebol daqui para frente.
O torcedor mineiro João Carlos da Fonseca resolveu processar o árbitro Sandro Meira Ricci. A tese elaborada pelo advogado é simples, baseia-se no artigo 30 do Estatuto do Torcedor, “qualquer partda deve ser arbitrada imparcialmente”. De acordo com a tese, Sandro foi pressionado pela mídia paulista e favoreceu o Corinthians. João Carlos quer os R$ 110,00 que gastou indo de Belo Horizonte até São Paulo, o preço do ingresso e resolveu pedir também 40 salários mínimos por danos morais, R$ 20.400,00. A audiência foi marcada para fevereiro de 2011.

Até lá, nossos árbitros que já sofrem pressão toda vez que entram em campo, estarão mais aflitos ainda, pois qualquer erro abrirá precedente para um processo.

Caso, o torcedor saia vencedor neste processo, fico preocupado com as consequências, ficará cada mais vez insustentável a relação imprensa-árbitro-torcida, será obrigatório a mudança na forma de arbitrar as partidas.

Sei que Ricci é o menos culpado desta nuvem escura, contudo essa parece ser a opção mais viável para mostrar que futebol se resolve dentro de campo e dentro das regras. Bastidores são só bastidores.

Resta esperar fevereiro.