O torcedor, o jovem e o predestinado

Galera do blog, ontem o Inter sagrou-se campeão da Libertadores, foi a segunda conquista do time gaúcho. Tornando o maior vencedor dentro do Rio Grande do Sul.

O jogo como eu imaginava foi longe de ser tranquilo, o Inter jogava contra a ansiedade, enquanto o Chivas jogava simplesmente para estragar o chope Colorado e para ter o prazer de ganhar um título da Conmebol.

O Inter começou nervoso e mostrou como depende da participação de Tinga e D’Alessandro no jogo, quando um está bem marcado cabe ao outro criar as chances. Porém, Tinga demorou para entrar no jogo e assim o primeiro tempo foi tenso, até que no final da primeira etapa em um lance despretensioso, o Chivas abriu o marcador e deixou o Beira Rio meio perplexo.

Veio o segundo tempo e com ele as famosas “predestinações”, Sóbis antes de jogador, torcedor foi o escolhido para empatar a partida. Damião o jovem jogador da base foi escolhido para o segundo, e agora adivinha quem fez o terceiro. Uma dica, ele foi o predestinado nessa Libertadores. Sim, Giuliano, era obrigação dos deuses do futebol que ele marcasse mais uma vez nessa Libertadores. O Chivas ainda diminuiu, mas a festa era vermelha. O Gigante era pequeno, e o Inter foi campeão mais uma vez.