Ganso é um Tom Brady do futebol da bola redonda

tombrady030217

Esse fim de semana teremos Super Bowl um dos maiores eventos do planeta, se não me engano como evento único, é o que gera a maior receita de propaganda do mundo.

Evento que mesmo para quem não gosta do esporte, vale conhecer para entender o que é? Eu mesmo fui um que por muito tempo ignorei, até que um amigo começou a fazer na casa dele um evento temático em todo Super Bowl, dali para frente comecei a participar pela graça e nas últimas duas temporadas me comportei como o telespectador quase assíduo.

E me tornei porque ele também tem contribuições importantes para o verdadeiro futebol. E que algumas literaturas dos grandes treinadores trazem conceitos similares. Lembrando o livro de Guardiola, ou uma frase dita por ele algumas vezes, o esporte coletivo tem como grande movimento, levar o rival a acreditar em uma jogada e conseguir atacar por outro lado.

E nesse caso, o futebol americano tem um tratamento ainda mais especial para dois momentos do jogo, quando você tem a posse de bola e quando você não tem. Na estrutura técnica deles, todo time tem um treinador geral, um dedicado ao ataque e outro para a defesa.

Trazendo esse conceito para o futebol, hoje cada vez mais, os clubes tem a preocupação total em olhar o comportamento do time nos dois momentos, com um complicador, na bola oval, existe um período de troca, grupos de jogadores diferentes para exercerem o papel em cada momento. Com a redonda, o dinamismo é imediato, a bola pode ser roubada a qualquer momento, portanto o jogador precisa ter esse equilíbrio das suas funções defensivas e ofensivas muito plenas em sua cabeça.

E é nesse cenário que alguns jogadores que ofensivamente são ótimos, mas não absorvem a parte defensiva se perdem e vice versa. Gabriel Jesus e Ganso fazem o equilíbrio ótimo para entender as diferenças de exigência atualmente.

Gabriel é completo, pode não se tornar um craque, mas muito além da sua estrela em estréia (seleção, Palmeiras e City) seu compromisso ofensivo e defensivo com o time é um dos mais equilibrados entre os jogadores brasileiros. Gabriel é bom tanto com a bola, quanto quando está sem.

Já Ganso é contraponto, ninguém questiona sua capacidade ofensiva, Ganso enxerga o que ninguém vê, se pudesse, Ganso seria o Quarterback do futebol, aquela que pensa todas as jogadas e que possui capacidade ímpar para isso, mas sem a bola, mesmo que se empenhe em ajudar, sua mentalidade não consegue entender a parte defensiva.

O Super Bowl se aproxima e para quem interessar possa, vale a pena entender, porque no americano Ganso teria chance, enquanto no futebol do mundo, ele precisa achar essa consciência defensiva.

Ganso é um Tom Brady do futebol da bola redonda.

Anúncios

E saiu a primeira lista da era Tite…

tite220816

“Em relação a convocação, é para os próximos dois jogos, não posso nem quero ser otimista e responsável nem o pessimista que só olha o fato negativo, só olho fato real. Estamos no momento não classificados para a Copa e buscando crescimento. A partir daí, surge nova etapa. Essa convocação é para estes dois jogos, melhor momento de cada atleta”

Confira os convocados:

Goleiros: Alisson (Roma-ITA), Marcelo Grohe (Grêmio), Weverton (Atlético-PR)

Zagueiros: Gil (Shandong Luneng-CHN), Marquinhos (Paris Saint-Germain-FRA), Miranda (Internazionale-ITA), Rodrigo Caio (São Paulo)

Laterais: Daniel Alves (Juventus-ITA), Fagner (Corinthians), Filipe Luis (Atlético de Madrid-ESP), Marcelo (Real Madrid-ESP)

Meias: Casemiro (Real Madrid-ESP), Giuliano (Zenit-RUS), Lucas Lima (Santos), Paulinho (Guangzhou Evergrande-CHN), Philippe Coutinho (Liverpool-ING), Rafael Carioca (Atlético-MG), Renato Augusto (Beijing Guoan-CHN), Willian (Chelsea-ING)

Atacantes: Gabriel Barbosa (Santos), Gabriel Jesus (Palmeiras), Neymar (Barcelona-ESP), Taison (Shakhtar Donetsk-UCR)

Com essa frase Tite explicou a convocação, e dessa forma montou essa lista.

Sinceramente, tinha gostado mais daquela que vazou supostamente do que a realidade, porém, também acredito que lista de convocado da seleção nunca agradará a maioria, todo mundo tem seus preferidos e formas de pensar, mas prefiro me ater aos critérios ditos por Tite para fazer alguns questionamentos.

Tite se apoiou muito em dizer que convocação é momento, por isso priorizou aqueles que estão em atividade e que o momento é de buscar classificação e não reformulação.

O engraçado é que de cara, temos 9 novidades entre os 23, ou melhor 09 atletas que não eram convocados com frequência, logo me parece uma reformulação no grupo. Só reforçando, não acho errado reformular, até porque o treinador tem seus homens de confiança, o que quero destacar é o que Tite disse não condiz muito com as opções feitas.

O próximo que é momento, vou ao Grêmio para olhar dois jogadores específicos para fazer o contraponto, Giuliano e Luan. o meio campista foi bem, mas saiu a um tempo para a Rússia e está na mesma pré-temporada que o Ganso, que anda jogando muito mais e consequentemente em um “momento melhor”.

Por outro lado temos Luan, Tite foi bem ao trazer 7 atletas olímpicos, achei um exagero, mas foi bem, aproximar a geração mais nova é fundamental para que a seleção não sofra com troca de gerações, como atualmente. Contudo, quem jogou mais que Luan nessa Olimpiadas, o polivalente jogador de frente foi peça chave para fazer a seleção sair de 0x0’s inóspitos contra Iraque e África do Sul para uma campanha consistente rumo ao ouro olímpico.

Portanto, entre os queridos Gabriéis, Luan está em um momento melhor.

Por fim, Tite fez o que todos fazem, escolheu homens de confiança, mas optou por seus tradicionais discursos bem montados que desviam um pouco a imprensa, não acho errado a opção de Tite, mas é para ficar atento quanto ao discurso.

E acima de tudo, estamos juntos com esses 23, que junto com Tite e embalados pelo ouro olímpico recuperem o bom futebol.

A passagem de Bauza foi boa?

Paton 020816

Analisar a passagem de Bauza pelo São Paulo vai além dos números, que aliás, são péssimos.

Sim, quando você olha os números de Bauza pelo São Paulo, seu aproveitamento foi pífio, não teve conquistas e o time não mostrou um futebol vistoso.

Contudo, é inegável que ele fez o papel que lhe foi pedido, recuperou o brio do grupo, criou enfim um sentimento de grupo no elenco, para que os jogadores se dediquem uns pelos outros e consequentemente pelo time.

Bauza tem outros números interessantes, enfim fez o time ganhar um clássico, depois de um longo jejum o São Paulo venceu o Palmeiras pelo Brasileirão, enfim o time não perdeu na nova casa do Corinthians, o time voltou a ser mais respeitado nos clássicos, briga mais e não se torna presa fácil.

Paton, deslanchou de vez Ganso e fez o nosso 10 enfim ir tentar o sonho da Europa, fez torcida ter paz com Michel e Wesley mesmo que a qualquer momento, isso pode acabar. Mas também insistiu em Centurion e agora deixou Chavez ai para a gente.

Ele sai com o time tendo a terceira melhor defesa do Brasileirão, algo inimaginável no começo do ano. Em contrapartida, o time precisa melhorar muito no ataque, é o 5º pior do campeonato.

Por fim, acho que a passagem de Bauza foi positiva, muito mais pela alma reconquistada do que pelos resultados e no fim a saída neste momento, diferente da de Osório, foi conveniente para todos.

Bauza poderá ter uma oportunidade única na vida, caiu no colo a chance de dirigir uma seleção argentina, uma série de fatores contribuíram. Em compensação para o São Paulo a oportunidade vem em boa hora, com o time sendo reconstruído e com a sensação de que estava difícil Bauza tirar algo a mais do time, era uma boa hora para um sangue novo.

Cabe agora ao São Paulo escolher bem a continuidade do trabalho de Bauza, além da filosofia de jogo parecido, tem que ser alguém que não tenha restrição com estrangeiros e que rapidamente siga o que o São Paulo pode oferecer, remontar o time durante o Brasileirão e fazer frente pela Copa do Brasil.

Para Bauza, fica um muito obrigado e que não tenha tanta sorte na Argentina, ou que mantenha o desempenho de aproveitamento igual foi no meu tricolor..rs..

Além disso, a dúvida que fica agora é se o São Paulo traz outro gringo para virar técnico de seleção daqui 6 meses ou se investe em algum brasileiro.

De longe, eu apostaria em Diego Aguirre, Ricardo Ferretti, mas acho que São Paulo pode estar olhando Abelão também.

E você são paulino, quem você queria ver no tricolor?

Precisamos voltar a gostar de futebol!!

brasil2002

A nossa querida seleção passou por mais um vexame!

Quebrou mais um tabu, saiu ainda na fase de grupo da Copa América em um grupo com os “fortíssimos” Equador, Peru e Haiti. O time brasileiro conseguiu não marcar nenhum gol nas duas seleções mais razoáveis e simbolicamente fez um 7×1 sobre o Haiti para nos lembrar do que aconteceu na Copa do Mundo.

Eu sei que muitas vezes, o que acontece fora de campo reflete dentro de campo, mas nesse caso nem dá tempo, o problema ainda está dentro de campo. e como sempre digo na seleção é diferente. Basta olhar o perfil de treinadores e tem algo que começo a perceber recentemente.

Não existe mais essa condição de testar trocentos jogadores, o grupo tem que estar fechado, 30-35 jogadores no máximo, apenas olhar possíveis promessas para serem incluídos aos poucos. A sensação é que talvez ai esteja um grande nó nosso, o balcão de negócio do qual se utiliza algumas pessoas via concentração da seleção.

Eu acho que entre os 23 convocados para qualquer jogo, algo entre 10-15% deve ser a taxa de renovação e olhe lá. É preciso dar conjunto para um time que se encontra e treina tão pouco, basta ver a seleções de sucesso. Parece que Espanha e Alemanha jogam juntos a quase 10 anos, poucos jogadores mudam, a renovação é gradual.

A seleção de 2006 foi completamente trocada em 2010, que foi completamente trocada em 2014 e agora segue para ser completamente trocada em 2018.

Vamos fechar uma base aqui, vocês podem completamente discordar, mas a questão não é essa, veja: Diego Alves, Alisson e Grohe, Daniel Alves, Danilo, Marcelo e Filipe Luis, Thiago Silva, Miranda, Marquinhos e Gil, Casemiro, Renato (Santos), Renato Augusto, William, Coutinho,  Lucas Lima e Ganso, Lucas, Douglas Costa, Neymar, Gabigol e Jonas.

Vocês podem mudar, fiquem a vontade, mas o principal é, quantas seleções individualmente possuem elenco melhor do que o nosso?

Eu particularmente, aceito que apenas 3 ou 4. Alemanha, Argentina e França com certeza, Espanha tenho minhas dúvidas. Porém, nosso futebol é como se fossemos a atual 20ª potência, e aí para mim o principal é falta de tempo. Falta de tempo para que se escolha um projeto real, um treinador com projeto para que se deixe um time trabalhar e ganhar conjunto.

A Espanha começou seu projeto em 2004, Alemanha em 2006 e nós paramos em 2002.

Como já disse Tim Vickery em 2012, o brasileiro não gosta de futebol, ele gosta de vencer. Nosso imediatismo tem consumido gerações e gerações de futebol.

Copa América e suas coisas boas e ruins…

leomar030616

E hoje vai começar a Copa América!

Confesso que não estou naquela euforia toda, minha implicância com Dunga continua, mas algumas coisas vão merecer minha atenção.

Quero muito acompanhar o maior número possível de jogos do México, ver o que Osório fez, apesar dos duelos menores, já são 08 jogos no comando da seleção, com 100% de aproveitamento, 15 gols marcados e nenhum sofrido.

Ver como Messi irá se comportar mais uma vez diante da seleção, a cobrança recai sobre ele, já que chega um momento que só culpar os treinadores não adianta mais pela sua performance na seleção.

Pelo Brasil, acompanhar a atuação de alguns jogadores especificamente, Casemiro, Coutinho, Lucas, Ganso e Jonas. Espero de verdade que todos se saiam bem.

Falando em Brasil e mudando só um pouquinho a conversa, tem muita gente reclamando e torcendo para a seleção ser eliminada logo para que os atletas voltem aos seus clubes. Lógico que o melhor mundo era que o campeonato parasse, mas aí, entraremos naquela nossa querida discussão do calendário, para quem quiser, veja o que eu penso de forma resumida no texto, “Porque quem cuida, não tem uma solução para o calendário?“.

Mas, minha ideia é fazer uma pergunta mais imediatista, o que você prefere em um ano como esse, ter um atleta com chance de seleção e podendo te desfalcar por 10 jogos, ou prefiro um jogador bom, mas que nunca terá o potencial de ser jogador de seleção?

Mais ou menos assim, mas só como exemplo tá, você prefere ter Lucas Lima e Ganso ou Cleiton Xavier e Giovani Augusto?

Dunga e suas segundas chances….

brasil310516

Assisti ao jogo do Brasil 2×0 Panamá no domingo, e queria compartilhar algumas percepções.

Repito o que já disse, temos uma ótima safra, não é a melhor do mundo e está longe de bater safra recentes nossa, mas ainda sim é uma ótima safra. E o que mais dificulta ela, é que a safra anterior seja por lesões ou pela boêmia não existe mais.

Acho que falta alguém como o Ganso na seleção, sempre achei, mas defendi menos nos últimos tempos porque o time do São Paulo não colaborava, mas inegável que não existe jogador com essa qualidade, não defendo ele como titular, mas acho importante ter essa opção no grupo.

Gostei da participação do Jonas, aliás, sempre gostei dele, não lembro ao certo se foi no Grêmio que ele foi perseguido, mas sempre foi um jogador com muitos gols. Acho que poderá ser útil a seleção na função de 09. É um 9 de seleção? Não, mas também não temos nenhum outro, apesar de Oliveira ser melhor.

E por fim e não menos importante, Dunga atrapalha mais do que ajuda, mas ganhou uma oportunidade única nessa Copa América para a formação da seleção, no amistoso de domingo, como era impossível a tática “toca no Neymar”, percebi uma movimentação maior do time, independente da fraqueza do rival. A sensação é que a seleção pode ganhar mais forma coletiva durante esse campeonato.

Mas é o que eu repito, é uma chance de evolução muito mais forçada do que por méritos de Dunga, que assim como a carreira dele como jogador, ele saiba aproveitar a segunda chance dele.