Nosso ultrapassado e ilegal acordo de cavalheiros…

sheiks160915

E o STJD resolveu julgar algo que realmente é importante, ou pelo menos que valha a função desse órgão. Eles irão olhar jogadores que não puderam atuar por “acordo de cavalheiros”, o veto à atuação de atletas contra o ex-clube é proibida pela FIFA e pela própria CBF, no artigo 33 do Regulamento de Registro e Transferência:

Art.33: ‘A transferência por cessão temporária de atleta profissional pode ser convencionada pelo clube a que contratualmente o atleta está vinculado (cedente) a outro clube (cessionário), sendo nulas e de nenhum efeito quaisquer cláusulas ajustadas entre as partes que visem a limitar, condicionar ou onerar a livre utilização do atleta cedido por parte do cessionário, enquanto vigorar a cessão, respeitados os contratos celebrados antes da publicação deste regulamento’.

Sendo assim, 0 STJD identificou nove jogos no campeonato nos quais a irregularidade foi cometida pelas equipes participantes. São eles:

Palmeiras X Goiás (24/05/2015 – 3ª Rodada) – Atleta: Felipe Menezes (Goiás)
Atlético-MG X Vasco da Gama (31/05/2015 – 4ª Rodada) – Atleta: Serginho (Vasco)
Internacional X Coritiba (07/06/2015 – 6ª Rodada) – Atleta: Wellington Paulista (Internacional)
Vasco da Gama X Cruzeiro (13/06/2015 – 7ª Rodada) – Atleta: Riascos (Vasco)
Sport X Atlético-MG (08/07/2015 – 12ª Rodada) – Atleta: André (Sport)
Flamengo X Corinthians (12/07/2015 – 13ª Rodada) – Atletas: Emerson Sheik e Paolo Guerrero (Flamengo)
Grêmio X Flamengo (18/07/2015 – 14ª Rodada) – Atletas: Pará (Flamengo) e Erazo (Grêmio)
São Paulo X Corinthians (09/08/2015 – 17ª Rodada) – Atleta: Alexandre Pato (São Paulo)
Cruzeiro X Internacional (Dia 16/08/2015 – 19ª Rodada) – Atleta: Fabrício (Cruzeiro)

Sinceramente, eu nunca entendi muito essa regra, ou melhor acordo de cavalheiros que os clubes praticavam, eu empresto um cara para um time, porque de alguma forma ele não me serve nesse momento, porém ele é perigoso o suficiente para eu não deixar ele jogar contra mim, oras, deixasse ele no elenco então.

Até porque, eu emprestei o meu atleta porque eu considero que o restante do elenco é mais forte do que ele, mesmo quando falo de garotos da base. Emprestar para ganhar rodagem é porque você aposta que o restante do grupo é melhor naquele momento do que o garoto, não tem nada de errado, é um direito e um planejamento que o clube tem todo direito.

Agora, atrapalhar o planejamento do outro é um pouco sacana. Se o time quis um jogador seu para compor o elenco é porque no planejamento daquele clube existe espaço para o jogador, logo o esquema do jogo tem espaço para ele, quando eu privo o jogador de atuar, eu obrigo ao clube a improvisar contra mim.

Confesso que desconhecia que essa prática era ilegal, que era uma irmandade entre clubes, uma irmandade que só existe nessa hora.

Espero que o STJD enfim atue em algo que é necessário acabar, além dos motivos que listei, pelo principal, que é a ilegalidade, mas espero que o STJD faça isso sem precisar armar um circo imenso e perder a importância por isso.

Anúncios

Pitacos: Isso é Libertadores!!

Ontem foi dia de entender porque a Libertadores é tão diferente dos outros campeonatos.

Consegui acompanhar na íntegra os jogos de Santos e Corinthians.

No jogo do Santos, o time da Vila parecia estar na praia. Quase não sentiu os efeitos da altitude e atropelou o The Strongest em campo. Tanto que abriu o marcador na bola parada. Ganso cruzou e Neymar desviou, o goleiro que estava no meio do caminho deu rebote e Henrique só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes.

Depois do gol, o Santos resolveu tirar um pouco o pé e aí o time boliviano cresceu. Na Libertadores não se pode dar chance ao adversário, porque normalmente ele vai fazer gol nessa chance.

E ainda no primeiro tempo, o The Strongest chegou ao empate. Em cruzamento na área, a defesa ficou olhando e Cristaldo só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes.

O primeiro tempo continuou aberto com algumas chances para os dois lados, mas acabou empatado.

Veio o segundo tempo e o Santos massacrou o time boliviano, criou inúmeras chances, mas não esperava encontrar Neymar em uma tarde “normal”. O atacante perdeu três boas oportunidades e Elano jogou uma bola caprichosamente na trave. Eu desconfio que foi na Libertadores que surgiu o ditado “quem não faz, toma”.

Pois já nos acréscimos, o The Strongest chegou a virada em cobrança de escanteio. Uma derrota considerada normal, porém, diante das circunstâncias do jogo, três pontos jogados fora.

Individualmente, destaque positivo para Ganso, Ibson e Henrique. Negativo, para Pará e Durval.

Depois foi a vez de ver o Corinthians jogar.

E o Corinthians começou igual ao Santos, se sentindo no Pacaembu. O time dominou as ações e mostrou sua maior característica, a marcação por pressão. Contudo, o time não criava chances reais, apenas Alessandro chegava bem.

E de repente, em um lance casual, na cobrança de um lateral, Chicão e Julio Cesar não se entenderam e Herrera que não tinha nada a ver com isso ganhou um gol de presente. O Táchira fazia 1×0 com 20 minutos de jogo no seu primeiro ataque.

O gol parece ter despertado o fantasma da Libertadores no time corintiano que passou a errar muito os passes próximo da área adversária. O Táchira aproveitou e arrastou o primeiro tempo até o seu final.

Veio o segundo tempo e nada mudou. Tite trocou 6 por meia dúzia, mas era o que ele podia fazer. O time sofria muito com a catimba venezuelana, mas não pode reclamar da sorte. Em lance dificílimo, o bandeira anulou um gol do Táchira. Que com certeza, 9 entre 10 bandeiras marcariam. Sorte do Corinthians em ter o bandeira certo ao seu lado.

Mesmo assim, o jogo foi se arrastando até o final. E a Libertadores deu mais um sinal que como ela é. No último lance, quando o Corinthians já não merecia mais o resultado, a bola foi alçada na área e encontrou Ralf para testar para o fundo das redes. Era o empate com sabor de vitória para o Corinthians.

Destaque positivo do Corinthians, Chicão, Alessandro e Ralf. Negativo, Liédson, Danilo e Jorge Henrique, ambos foram engolidos pela marcação venezuelana.

Pitacos: Santos 1×0 Cerro Porteño

Galera do blog, ontem acompanhei ao jogo do Santos contra o Cerro Porteño, vitória por 1×0, mas a sensação de que podia ser melhor ficou no jogo.

O Santos veio a campo com 5 volantes, um adaptado na lateral direira (Pará) e um fazendo função de articulador (Elano), o Cerro também mostrou porque tomou apenas 1 gol nessa fase de mata-mata, o time joga bem fechado e adota a filosofia do anti-jogo, se dependesse do time paraguaio, todos os jogos terminariam 0x0.

Diante disso, o que se viu durante o jogo foi muita briga no meio de campo, algumas jogadas mais ríspidas por parte do time paraguaio e sempre Neymar criando os lances mais perigosos no jogo.

E foi em um lance com ele, que o Santos chegou ao gol, Neymar foi para cima de seus marcadores, deixou todos eles para trás e cruzou na medida para Edu Dracena testar para o fundo da redes. Antes de acabar o primeiro tempo, ainda houve espaço para Rafael fazer uma defesa milagrosa e evitar o empate paraguaio. Assim acabava o primeiro tempo.

Veio o segundo e pouca coisa mudou no cenário da partida, o Santos continuava a dominar a partida e criar algumas chances com Neymar e o Cerro assustava apenas com os cruzamentos. O Santos podia ter aumentado a faturar e carimbar o passaporte para a final, mas Zé Eduardo segue em péssima fase e Alan Patrick entrou no final do jogo e ainda teve um lance incrível onde desperdiçou um gol praticamente feito.

No jogo gostei das atuações de Rafael (apareceu em um único lance e foi decisivo, diferente de outros…), Danilo e Léo, além é óbvio de Neymar, cada jogo que passa fica a certeza que o Santos está lançando para o futebol dois dos maiores jogadores da história, Ganso e Neymar vão ao final da carreira chegar entre os melhores.

Apesar das chances perdidas, o futebol apresentado pelo Cerro não mudará quase nada no Paraguai, O Cerro não tem um jogador decisivo, tem em Fabbro seu melhor jogador, mas que não requer nenhuma marcação especial, o Santos tem Neymar e ao meu ver o time deveria jogar com Maikon Leite e Alan Patrick no jogo de volta, com eles o time ficará leve para os contra ataques e terá tudo para vencer os paraguaios novamente fora de casa.

Domingão de futebol…

Galera do blog, ontem acompanhei dois jogos pela TV, e dois ótimos jogos, primeiro Santos x Palmeiras na Vila Belmiro e depois Flamengo x Vasco no Maracanã. Segue o que eu vi em cada jogo:

Santos 3 x 4 Palmeiras: Admito que fui surpreendido, não pela derrota em si, mas pela recuperação do time palmeirense e pelo grande segundo tempo que foi a partida. O Santos teve tudo para liquidar a partida ainda no primeiro tempo, mas cometeu duas bobeiras no final dele e deixou o Palmeiras empatar, isso foi fundamental para o resultado final.

O jogo começou como era esperado, com a molecada do Santos indo para cima do Palmeiras com tudo, Neymar e Robinho pelos flancos do campo e André no centro do ataque. Apesar de toda a pressão, não estava fácil para o time do Santos criar uma chance real, porém logo aos dez minutos Pará fez sem querer o primeiro gol da partida. O jogador foi lançado na esquerda e ao tentar cruzar para André errou o cruzamento e mandou no ângulo de Marcos. 1×0 Santos.

O Santos continuou jogando em cima do Palmeiras e foi premiado aos 30, Ganso fez ótimo lançamento para Neymar que bateu errado na bola, mas mesmo assim a bola foi para o fundo da rede caprichosamente. Parecia que o Santos iria ganhar com tranquilidade, porém no final do primeiro tempo, o Santos relaxou e o Palmeiras aproveitou dois lances isolados para empatar a partida, dois gols de Robert. Desse jeito, terminava o primeiro tempo.

O segundo tempo veio em grande estilo, o Palmeiras melhorou muito na segunda etapa, e o jogo virou um partidaço. Até que Diego Souza que voltou a fazer boa partida pelo Palmeiras foi premiado com um gol, a partir daí o jogo ficou aberto, era o Santos indo para o ataque com tudo e o Palmeiras contra atacando perigosamente. E o alvinegro praiano achou o empate com o baixinho Madson que apareceu livre dentro da área e bateu no canto de Marcos.

Com o empate, o Santos se empolgou e foi com tudo para cima do Palmeiras, mas Neymar exagerou na empolgação e entrou muito forte em Pierre, expulsão correta. Com um a mais o Palmeiras soube aproveitar os espaços e Robert acertou uma bomba para dar números finais a partida. Grande jogo, grande vitória palmeirense!

Flamengo 1 x 0 Vasco: No clássico carioca, a partida merecia mais gols, aliás oportunidades não faltaram para também acontecer um 4×3 no Maracanã, porém Fernando Prass e Bruno tiveram atuação de gala ontem, o goleiro flamenguista inclusive pegou dois pênaltis, ambos desperdiçados por Dodô.

Logo no começo do jogo, uma chance para cada lado. Na primeira, Vinicius Pacheco dominou a bola sozinho na grande área e bateu para o gol, mas Fernando Prass fez grande defesa. No troco, Dodô deu lindo drible em Alvaro e chutou, a bola tinha endereço, porém desviou em um defensor rubro negro e saiu.

E esse seria o desenho da partida inteira. Chances claras para os dois lados, porém parava nos goleiros, nos zagueiros, nas traves e tudo que pudesse dificultar aquilo que Parreira chama de detalhe, o gol, parecia que precisava ser de bola parada, para os atacantes terem mais tranquilidade na hora da conclusão.

E aos 35, o Vasco teve um pênalti a seu favou. Coutinho foi derrubado na área, na cobrança Dodô foi tranquilo demais para a bola, beirando o sonolento, bateu fraco no canto direito de Bruno que caiu e agarrou a bola. O primeiro tempo acabava sem gols.

Começou o segundo tempo e logo veio a presapada do juíz,ele marcou um pênalti inexistente a favor do Flamengo. Na cobrança, Imperador não perdoou e abriu o marcador. Fora isso, o segundo tempo continuou da mesma forma que o primeiro, chances claras para os dois lados, mas o gol tava difícil. Para manter a semelhança com o primeiro tempo, o Vasco teve outro pênalti a seu favor. Seguindo todo o ritual, para ficar igualzinho os dois tempo, Dodô se preparou para bater do mesmo jeito, bateu no mesmo canto e o resultado foi o mesmo, defesa de Bruno.

Em resumo, foi um grande jogo, onde qualquer time poderia ter saído vencedor, só fico triste porque o único gol da partida, saiu em jogada irregular.