Um novo São Paulo..

622_ee8d48a9-16ff-377c-866d-b0dd89156b9d

O São Paulo parece ter resolvido arrumar a casa realmente, retomar o caminho que o time criou e buscar ser forte novamente.

E por muitas vezes em uma instituição, é necessário renovar, mudar, trocar o que as vezes era bom. A saída de Milton Cruz é simbólica por isso.

É impossível que algum são paulino tenha coragem de dizer que Milton Cruz foi péssimo para o tricolor. São 22 anos dedicados ao São Paulo, ele chegou, viu o fim da era Telê, viu Ceni ser tornar M1to, viu três brasileiros consecutivos, além da terceira taça da Libertadores e Mundial. Sempre sendo importante na construção dos times.

Mas a sensação nos últimos anos é que esse olhar cansou, viciou, não conseguia mais colaborar como antes. Milton vinha errando muito mais do que acertando nos últimos anos. Sua saída era necessária. Tenho certeza que seja com Muricy ou com Osório sua ajuda será de grande valia.

O São Paulo parece que despertou do sono profundo, ainda é preciso recuperar o tempo perdido, a muita coisa para ser feita, mas os primeiros passos começam a ser dado.

Parece que um novo São Paulo começa a surgir.

Só resta apelar para a sabedoria popular do futebol…

image

Ontem assisti aos jogos do River e São Paulo, além de rever várias vezes os rolinhos sofridos pelo David Luiz (o Lúcio da nova geração).

Focarei no jogo do São Paulo.

O tricolor voltou a jogar mal, ou seja, o jogar mal é o normal do time, sendo assim o time jogou como sempre.

Eu não me levo pela questão da vontade, vejo que o time continua desorganizado, portanto existem dois cenários possíveis, ou ninguém da comissão tem capacidade de arrumar o time, ou esse grupo de jogadores não respeitam nenhuma tentativa de aplicação tática.

Ganso nessa nova posição vem bem, ontem deu duas assistências que seus companheiros desperdiçaram, ai não tem muito o que fazer mesmo.

Mas o grande problema do São Paulo é a qualidade defensiva do time, depender por um momento que seja de Paulo Miranda e Reinaldo nas laterais é mostrar o quão frágil está o time.

Milton precisa mostrar que todos esses anos de São Paulo lhe deram bagagem suficiente para organizar minimamente o time, isso em um momento de decisões.

Pega Santos no fim de semana, Corinthians no meio de semana e se bater o Santos tem outro clássico pela final do Paulista no outro fim de semana.

Se o São Paulo não se encontrou até agora, os próximos três jogos podem mudar pouco em relação ao plano tático do time, mas pode mudar completamente o ambiente.

Por enquanto, vale apenas o ditado da boleiragem “colocar o coração na ponta da chuteira”.

Soberano foi, e falta muito para voltar a ser…

Imagem

Galera do blog, após curtir o título do Galo doido!! Time que todos que acompanham o blog, sabem o quanto ele mora no meu coração, não é o número 01, mas é muito querido é hora de falar do número 01, o São Paulo.

O tricolor paulista passa por uma das piores fases da sua gloriosa história. Muito se fala que o principal culpado é Juvenal Juvêncio, o presidente, quase dono do time. E sim, ele é o principal culpado. A partir dele, foram desencadeando uma série de problemas crônicos que culminaram no futebol apresentado dentro das quatro linhas pelos jogadores.

Vamos enumerar os principais.pontos:

1 – Não continuidade de um treinador: Se logo no início de sua gestão, JJ manteve Muricy por cerca de três anos e meio, e com ele faturou o inédito tricampeonato brasileiro consecutivo. Depois de Muricy, vários treinadores já passaram pelo São Paulo e quase sempre saíram com no máximo um ano de comando. A falta de paciência e o autoritarismo do presidente não permitem que um treinador tenha tempo o suficiente para trabalhar e implantar sua filosofia.

Fora isso, como a escolha é sempre de cunho pessoal, não existe balizador que garanta o sucesso do treinador dentro do clube, foi assim com Ricardo Gomes e Ney Franco por exemplo, ótimos treinadores, mas que não tiveram respaldo.

2 – “Destruição” da comissão técnica vencedora: O São Paulo entre 2003 e 2009 se gabava de não precisar que o treinador trouxesse uma equipe inteira para trabalhar com eles, eles possuiam a melhor comissão técnica do Brasil. Porém, por destempero, demonstração de força, ou qualquer outra coisa, JJ foi demitindo um a um, até sobrar apenas Milton Cruz.

Resultado, faz tempo que é nítido a falta de pernas do elenco são paulino, principalmente em partidas mais duras e durante o segundo tempo. Em compensação, o Atlético-MG que contratou Carlinhos Neves sobrou na parte física durante a campanha vitoriosa da Libertadores.

3 – Contratações de baciada e sem critérios: O São Paulo em 2004 foi cirúrgico nas contratações de Cicinho, Fabão, Josué, Danilo e Grafite. Todas feitas em conjunto com o treinador e comissão técnica. De lá pra cá, JJ entendeu que conhece tanto de futebol, que ele poderia decidir sozinho quem viria para o Morumbi, resultado, faz 6 anos que o time não consegue emplacar um lateral direito.

Além de sucumbir com contratações sem sentido, eu não conseguir mais acertar elenco com a proposta tática do treinador. Tornando difícil, o trabalho do comandante quando ele assume o elenco.

4 – Profissionais protegidos e não competentes: Como Juvenal passou a decidir tudo sozinho, ele optou por colocar profissionais que “estão com ele” do que pessoas que poderiam contribuir para a melhoria do futebol no clube.

Contudo, essas escolhas começam a gerar problemas. Todo mundo sabe, o quanto a gestão do vestiário (termo utilizado perfeitamente por Tite) é fundamental para o sucesso do time, desde controlar o ego de cada jogador, fazer os mais fracos entenderem a força dos principais atletas do time, a escolha da divisão dos quartos, o bicho e até a forma como a diretoria interage com esses jogadores.

E aí ocorre o problema, nem Leco, nem Adalberto (o queridinho de JJ) tem bom ambiente com os jogadores, os dois já mostraram por diversas vezes que não possuem muito tato e às vezes até faltam com respeito com os atletas. Gerando insatisfação imensa e tornando ainda mais difícil a atuação do treinador.

Em suma, acredito que esses sejam os principais problemas do São Paulo hoje, todos ocasionados por uma gestão que se tornou cega e obssessiva pelo poder. Não dá para culpar Luis Fabiano, Ganso, Jadson ou até mesmo os fracos Rodrigo Caio, Lucio e Juan pela atuação da equipe.

A cada seis meses é tática nova, função diferente e expectativa do treinador diferente. Da mesma forma, não dá para culpar todo treinador pelos resultados, a pressão começa na partida seguinte e você não consegue fechar o grupo ou tomar decisões sem a ingerência da presidência, Ou alguém agora, achava absurdo que Ney quisesse Ganso e Lucio no banco?

O elenco parece estar fechado pois não querem esse vexame no currículo deles, mas isso é muito pouco para recolocar o São Paulo nos eixos.

Pitacos: São Paulo 1×0 Libertad

fonte: EFE/ Keiny Andrade

E ele desencantou! Em um jogo truncado e feio, Luis Fabiano aproveitou a única real oportunidade para marcar seu primeiro gol em seu retorno, manter o 100% de aproveitamento de Milton Cruz e afastar um pouco da crise que rondava o Morumbi.

O Libertad que possui alguns jogadores da seleção paraguaia resolveu encarar o São Paulo com proposta parecida com a da sua seleção nacional, ou seja, a proposta era não sofrer gols. Restava ao São Paulo trabalhar a bola e furar a retranca paraguaia.

O São Paulo pouco criou, algumas infiltrações de Lucas, alguns avanços de Dagoberto e uma tabela entre Luis Fabiano e Cícero foram as únicas oportunidades, mesmo assim, nada de perigoso. Na verdade, Rhodolfo proporcionou o lance mais perigoso ao errar um passe na entrada da área e permitir uma jogada mais aguda do Libertad. Assim terminanva o primeiro tempo, em um sonolento 0x0.

Veio a segunda etapa e nenhuma melhora, o Libertad continuava completamente fechado e parecia que o 0x0 era questão de tempo. O São Paulo continuava a ter posse, mas não conseguia criar nada. Até que Juan resolveu lançar Dagoberto que ajeitou de cabeça para Luis Fabiano que dominou, tirou do seu marcador e fuzilou o gol adversário. Era o gol da vitória tricolor.

Ficou nítido que o São Paulo carece de alguém criativo no meio de campo, contudo, acredito que muito disso será resolvido se o time ganhar padrão tático, hoje o time parece um “catado” que entra em campo e acaba jogando de forma desorganizada. Basta ver como o time tem falhado defensivamente e como o time não consegue superar alguns ferrolhos.

O São Paulo tem qualidade para faturar a Sulamericana e para se recuperar no Brasileirão, mas será muito mais na vontade do que no futebol apresentado, pois não acredito que haverá tempo hábil para dar padrão tático ao time.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 1 X 0 LIBERTAD (PAR)

Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Data/hora: 19/10/2011 – 21h50
Árbitro: Jorge Larrionda (URU)
Auxiliares: Maurício Espinosa (URU) e Carlos Pastorino (URU)
Renda/público: R$ 166.516,00 e 7.910 pagantes
Cartões amarelos: Juan e Wellington (SPA);
Cartões vermelhos:-
GOLS: Luis Fabiano, 31’/2ºT (1-0);

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Piris, João Filipe, Rhodolfo e Juan; Wellington, Denilson (Casemiro, 16’/2ºT), Cícero (Marlos, 16’/2ºT) e Lucas (Rivaldo, 35’/2ºT); Dagoberto e Luis Fabiano. Técnico: Milton Cruz

LIBERTAD (PAR): Medina, Bonet, Benegas, Canuto, e Samudio; Ayala, Pouso (Cáceres, 36’/2ºT), Aquino e Civelli; Ramirez (Menendez, 36’/2ºT) e Nuñez (Maciel, 30’/2ºT). Técnico: Jorge Burruchaga