Futebol for Dummies (ou “O Flamengo é tipo o McDonald’s)

Flamengo 15042014

Galera do blog, mais uma vez eu abro o espaço para um colaborador, fico sempre muito feliz com essas participações. E mais uma vez, temos um parceiro niteroiense e flamenguista, não necessariamente nessa mesma ordem. Apresento-lhes Ramon Ribeiro.

Por Ramon Ribeiro
Vou explicar para os asseclas da nação arco-íris que parecem não entender de futebol.

Se a bola cabeceada por Wallace tivesse sobrado diretamente pro Marcio Araújo fazer o gol, teríamos um lance bem fácil de marcar o impedimento que era de 69cm.

No entanto a bola foi para o lado oposto, explodiu no travessão, quicou atrás do goleiro, atravessou a extensão do gol inteira bem perto da linha… e tudo isso em milésimos de segundo. Neste momento, o foco do bandeirinha era avaliar se a bola tinha entrado ou não.

Então a pelota sobra pro Marcio Araújo encoberto (na visão do bandeira) por Nixon que tinha posição regular e por pouco não fez o gol.

No momento da cabeçada, Marcio Araújo estar impedido não interferiria se a bola entrasse direto; se Nixon fizesse o gol no rebote, no máximo teríamos que discutir se Marcio Araújo atrapalhou algum adversário, sendo que não havia zagueiro do Vasco perto dele; sobraria apenas a possibilidade dele atrapalhar o goleiro Martin Silva.

Nenhum jogador do Vasco reclamou do lance; nas transmissões que ouvi, nenhum narrador disse algo sobre impedimento na hora do gol; somente citam o fato após verem o replay em câmera lenta. Além disso, o Luis Roberto da TV Globo não sabia dizer se o gol era de Marcio Araújo ou Nixon até ver o lance por trás.

O que houve foi um erro nada escandaloso. Foi um lance muito rápido, cheio de acontecimentos, bem complicado de avaliar e marcar, ainda mais para o bandeirinha que não está em casa de chinelão no sofá com uma mão dentro da cueca e outra segurando uma cerveja.

Quem fica postando fotos de tira-teima dos tais 69cm na origem da jogada parece que nunca chutou uma bola em peladas, que é torcedor de pay-per-view e comentarista de Facebook.

Para nós flamenguistas, mais hilário que o gol do Marcio Araújo nos acréscimos, é nos deliciarmos com vascaínos clamando por moralidade e Eurico Miranda, os 17 botafoguenses soltando perdigotos e lágrimas ao falar da tal “FlaPress”, e os pequenos príncipes tricolores tecendo comentários sobre ética no futebol (estes então são de rolar de rir!).

O coro e o choro uníssonos da torcida arco-íris não passam de um coitadismo medíocre.

O Flamengo é o gigante-malvado-ladrão-corrupto! O Flamengo é tipo a Globo! O Flamengo é tipo o McDonald’s! O Flamengo é tipo o Estados Unidos!

Coitados de vocês.

Pitacos: Entre apagões a apagados.

Galera do blog, ontem acompanhei o clássico paulista, o jogo do meu tricolor e Colônia e Dortmund pelo campeonato alemão. Vamos nos concentrar no clássico.

O clássico pode ser dividido em 4 atos.

1º ato: Domínio alviverde. Durante os primeiros 30 minutos de jogo, o Palmeiras dominou as ações e conseguiu evitar a famosa pressão inicial do Corinthians. O time conseguiu ganhar o meio de campo e partir para cima do Corinthians. Além disso, contou com a sorte no chute de Assunção. Sorte por ter sido ele que chutou livre de marcação, sorte por ter desviado em Castan e sorte por ter Julio Cesar na meta adversária.

Com o gol, o Palmeiras jogou da forma que gosta na retranca. Os comandados de Felipão não davam espaços para a criação corintiana que ao invés de seu tradicional jogo de troca de passes na frente do gol, optou por ficar alçando bolas aéreas que batiam e voltavam. O Palmeiras recuava, mas não era assustado pelo adversário e dominava o primeiro tempo.

2º ato: O “Se” que não entra em campo. Eis que aos 35 minutos, em um jogo quente, onde Liédson já tinha exagerado no pé alto e merecidamente havia recebido cartão amarelo, Chicão dá uma entrada criminosa em Barcos, acertando o tornozelo adversário sem o menor intuito de acertar a bola. Para mim, vermelho sem conversa, mas o juiz preferiu deixar para lá e dar apenas um amarelo para o zagueiro, o que depois fez o juiz ser condescendente com Marcio Araujo que também seria ao decorrer da partida merecedor do vermelho.

Mas como o se não entra em campo. Chicão e Marcio Araujo continuaram em campo até o final do primeiro tempo. E eles teriam seus papéis de destaque na segunda etapa.

3º ato: Cochilo palmeirense e Liedson fundamental. Veio o segundo tempo, mas o Palmeiras pareceu ter ficado no vestiário. Aquela pressão que o time tinha abafado no primeiro tempo, o time deixou tomar no segundo. O Corinthians partiu contudo para cima e conseguiu dois gols em 6 minutos, em lances de pane do sistema defensivo palmeirense.

Tem atacante que passa por fases tão desagradáveis que nada ajuda, mas esse não é o caso de Liédson. O Levezinho mesmo na seca de 13 partidas vem sendo fundamental para o time e mostrando porque todos ainda confiam nele. Além de assistências prestadas no ano, no clássico, ele estava na jogada dos dois gols.

Foi a partir de um toque dele, que a bola tocou em Marcio Araujo e sobrou para Paulinho encher o pé e empatar a partida. E foi a presença dele no segundo gol, que fez Marcio Araujo tentar tirar a bola e colocar contra o próprio patrimônio. O próprio Marcio Araujo que era para ter sido expulso no primeiro tempo, caso Chicão também fosse.

4º ato: O resto do jogo. Apesar da palavra resto parecer depreciativa, depois de tudo que aconteceu nos 60 minutos iniciais, os 30 finais foram apenas complemento. E aí, devido a vantagem no placar, o Corinthians soube se impor e só não ampliou a partida devido a Síndrome de Tite. Onde o time até cria várias oportunidades, mas parece condenado a vencer por apenas um gol de vantagem.

Pelo lado corintiano, fica a certeza de que Chicão é importante para o time, enquanto Castan e Julio Cesar assustam, Edenilson um achado na direita, e Fabio Santos tem atuado bem na esquerda. Ralf e Paulinho dispensam comentários. Do meio para frente, apenas a ressalva de que Sheik merece titular e que JH é titular muito mais pelo psicológico do que pelo futebol.

No lado alviverde, a pane atrapalha maiores análises, mas excluindo os 15 minutos iniciais do primeiro tempo. O Palmeiras tem uma defesa sólida e um bom lateral esquerda, porém arrumou um problema na direita, Cicinho era o titular absoluto, mas as boas e pontuais exibições de Artur, criaram uma dúvida na posição e hoje nem um, nem o outro estão bem. No meio, Marcio Araujo é um esforçado primeiro volante, Pierre deveria estar aqui e como faz falta. Na frente, Barcos foi peça nula, mas o centroavante argentino precisa de seu companheiro para jogar e aí foi a maior decepção do clássico, Maikon Leite não apareceu em campo, sobrecarregou Valdivia na armação e fez com que Barcos pouco aparecesse para o jogo.

E foi por causa desse resultado que temos um novo líder, o São Paulo que venceu por 1×0 o Mirassol. O tricolor foi superior e criou boas jogadas, mas parou na violência do adversário ou na falta de capricho para a finalização. O time do interior abusou do direito de fazer falta e o juiz só queria saber de conversa. O time vai ganhando mais conjunto, mas ainda não está “azeitado”, promete dar trabalho no mata-mata, porque Lucas está em ótima fase.

Apenas para fechar, abri meu domingo assistindo a Colônia e Dortmund. Achei engraçado, como um jogo do campeonato alemão, a bola rola mais do que nos jogos aqui no Brasil. Os times deixam o outro jogar, a falta é recurso apenas quando não tem outro jeito. O Dortmund tem tudo para se sagrar campeão na Alemanha, mesmo tendo o Bayern no campeonato. E o Colônia se não tivesse Podolski podia ter certeza que estaria na segundona. Ah, o placar final 4×1 para o Dortmund.

Pitacos: 04ª rodada do BR-2011

Galera do blog, esse fim de semana acompanhei os jogos do São Paulo e do Palmeiras contra os times gaúchos. Bom resultado para os paulistas, mesmo sabendo que os dois podiam mais nas partidas.

No jogo de sábado, o São Paulo foi muito superior ao tricolor gaúcho, um time criou inúmeras chances e terminou a partida com uma vitória de 3×1.

O São Paulo veio a campo com Marlos de titular, aposta de Carpegiani que deu muito certo, Marlos participou do primeiro gol dando assistência para Casemiro encher o pé e abrir o marcador. O São Paulo criou inúmeras chances e mais uma vez jogou várias para fora. O tricolor paulista podia ter encerrado o primeiro tempo com vantagem maior.

Veio o segundo tempo e um castigo por tanto gols perdidos, em bola alçada na área são paulina, Casemiro desviou contra o próprio patrimônio e empatou a partida para o Grêmio. Contudo, o São Paulo soube organizar e pressionar o adversário, foi quando Douglas resolveu mostrar para todo mundo qual o motivo de Mano ter esquecido dele na convocação, em um lance idêntico ao da partida entre Brasil e Argentina, Douglas cochilou e entregou a bola de presente para Lucas que só teve o trabalho de preparar para Marlos fuzilar a meta de Victor.

A partir desse gol, o jogo ficou mais equilibrado com os dois times criando boas oportunidades, mas no final Dagoberto deu ótimo lançamento par Jean decretar números finais na partida. O São Paulo segue 100% e sem tomar gol dos adversários.

Marlos teve atuação diferenciada, dentro daquilo que digo ser potencial dele, reforço que acho Marlos muito bom de bola, faz tempo que não vejo alguém driblar com a facilidade dele, mas acho que ele ainda tem um abismo imenso no aspecto psicológico. Dagoberto vem sendo o principal jogador do time. Casemiro mostra que é um volante diferenciado, muita qualidade e bom poder de marcação. Wellington é para mim o novo Mineiro. Mas, o São Paulo ainda precisa definir melhor suas jogadas, não dá para o time criar tantas chances de gol e jogá-las fora em uma partida ou outra poderá fazer falta.

No domingo, o Palmeiras enfrentou o Inter em pleno Beira Rio, o que é ótimo para Felipão, já disse isso no Paulistão, o Palmeiras terá ótimos resultados quando for visitante e sem obrigação de atacar. Como Falcão precisa ainda de uma boa atuação dentro de casa, o cenário estava pronto para Felipão jogar da forma que mais gosta. O Palmeiras foi superior ao Inter, apesar do empate fora de casa ser ótimo resultado, o alviverde merecia sorte maior na partida. No final, 2×2.

O Palmeiras veio a campo com um 4-3-3 ofensivo no papel, mas bem compactado e fechado na prática. O Inter jogou no famoso 4-4-2 com dois meias e dois volantes. Contudo, o primeiro tempo foi burocrático, muitos passes de lado e marcação no meio de campo, como sempre pelo Palmeiras, as melhores chances ficavam a cargo de Marcos Assunção e a bola parada, do lado Colorado Damião era o jogador que dava mais trabalho para Marcos. O primeiro tempo terminava 0x0.

O segundo parecia da mesma forma, até Márcio Araújo ter um momento infeliz, o bom volante palmeirense foi antecipar um chute perigoso de Damião e acabou jogando contra o próprio patrimônio. descontando a parada para atendimento a Kléber do Inter, o Palmeiras conseguiu empatar no lance seguinte, tradicionalmente em um lance de bola parada, Marcos Assunção jogou para a pequena área colorada eno bate-rebate a bola morreu no fundo da rede, o juíz deu o gol para Kléber Gladiador, na minha opinião gol contra de Rodrigo.

O gol fez o Palmeiras crescer no jogo e dominar o meio de campo, e aos 21, Luan fez ótima jogada pela esquerda e fuzilou para Renan colecionar mais uma falha na sua carreira. Nada contra o menino do Inter, mas tanto ele como Júlio Cesar do Corinthians são instavéis demais para um goleiro titular, possuem ótima técnica, mas colecionam falhas absurdas. Voltando ao jogo, o Inter resolveu tentar pressionar o Palmeiras mas esbarra em um ótima marcação. Apenas após as mudanças promovidas por Falcão que o Inter começou a assustar de verdade. Mas o gol de empate só saiu aos 46 com Damião, após novo bate-rebate.

Pelo Palmeiras, a certeza de que esse será a perspectiva de todos os jogos do Palmeiras, será sempre um time difícil de ser batido, mas sempre limitado. Se empatar demais, corre risco de ficar na parte debaixo da tabela, se a sua luta lhe der algumas vitórias poderá beliscar uma vaga na Libertadores. Pelo Inter, parece que falta um pouco dessa disciplina tática imposta por Felipão, o time é muito bom, mas parece sem rumo nas partidas, D’Alessandro e Oscar pegam na bola e parecem precisar de alguns segundos para decidir o que vão fazer.

E vocês o que acharam da 04ª rodada?

Especulando as especulações do mercado da bola!

Meus caros, seguindo com as tão queridas especulações, vamos a elas:

Time sonhado – Marcos, Danilo, Edmilson e Xandão, Figueroa, Pierre, Cleiton Xavier, Conca e Armero, Diego Souza e Vagner Love – O alviverde conta com a parceria da Traffic para tornar o time mais forte, o principal sonho é trazer Conca para o time. Com a permanência do time do Fluminense na Série A, ficará bem mais difícil tirá-lo. De qualquer jeito, o mais importante é o time reforçar seu setor mais frágil, a defesa, o nome de Xandão do Barueri surge como opção, o mesmo vem sendo cogitado pelo São Paulo também, mas acho que o Palmeiras devia ousar mais e trazer zagueiros de verdada para o time, já que os jogadores que existem hoje são uma verdadeira lástima.

Time sonhado – Rafael, Mariano, Digão, Gum e Dieguinho, Diguinho, Diogo, Marquinhos e Conca, Fred e Maicon – O Fluminense me surpreendeu comecei a olhar o elenco do time e me deparei com algo que não aceitei muito bem ainda, o time possui um bom plantel. Hoje, vejo que o tricolor precisa na verdade de jogadores mais experientes na lateral e no meio, na minha opinião, três peças experientes seriam suficientes para o elenco do próximo ano. Por enquanto, a maior especulação no time é a saída do seu trio ofensivo, Conca, Fred e Maicon, mas ao que tudo indica, apenas Maicon tem grandes chances de sair, os outros dois dificilmente sairão do clube.

Time sonhado – Carini, Nei, Benitez, Caceres, Marcio Careca, Marcio Araujo, Correa, Ricardinho e Danilo, Tardelli e Eder Luis – O meu querido Galo, montou um bom elenco ao longo do campeonato, porém o time ainda não deu liga, na minha opinião, deve se dar esse tempo antes dos estaduais para o time se entender de vez, além disso, é nítido a necessidade de trazer boas peças de defesa para o time, Caceres é o preferido da massa atleticana, e se bem conheço Kalil, o presidente não medirá esforço para trazer o preferido da torcida. Além disso, o que parecia pouco provável, agora é quase certeza, Tardelli não sairá do Atlético.

Time sonhado – Lauro, Danilo Silva, Bolivar, Indio e Kleber; Guinazu, Sandro, D’Alessandro e Giuliano, Marquinhos e Taison. O time gaúcho por si só já é uma força, pretende trazer algumas peças apenas para compor elenco e uma delas é excelente, o time já tem tudo acertado com Thiago Humberto do Barueri, na minha opinião o Colorado irá trazer o melhor jogador do time do Barueri, mas o grande mistério está em que vai assumir a cadeira de treinador do time, apesar de todos desconfiarem do fã de manicures, aposto que quem virá é um ex-treinador de muito sucesso.

Bom, é isso galera, quem quiser contribuir com mais informações, pode mandar a vontade. Na próxima quinta, trarei mais quatro times e as tão “especulativas especulações”…