01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, .., .. e 11

O futebol brasileiro vem dando sinais engraçados da influência européia na sua formação. O futebol dinâmico de muita posse de bola e marcação forte, tem privilegiado a formação de volantes e esquecido dos nossos meias e agora atacantes.

Nos últimos anos, estamos sentindo cada vez mais falta do nosso querido Camisa 10, e nesta temporada reparei que estão sumindo os camisas 09, longe de abrir um novo blog, mas passível de mais uma boa discussão.

Vamos olhar para os clubes brasileiros, começando por Sâo Paulo, o meu tricolor não tem um camisa 09, Fernandão talvez, no Palmeiras, um dos poucos sobreviventes, Gladiador é na minha opinião um autêntico camisa 09. No Santos, Keirrison precisa comer muita farinha, enquanto o 09 do Corinthians já comeu muita farinha. É um craque, mas hoje é importante para o grupo não na função de finalizador.

No Rio de Janeiro, o Flamengo tem Deivid, se recuperar a boa forma é um bom camisa 09, pela temporada feita em 2010, os rubro negros tem saudades de Obina. O Fluminense pode se orgulhar de possuir dois camisas 09 de verdade, Fred e Washington, são dois goleadores, o segundo um tanto quanto caneludo, mas faz muito mais gol que outros que se consideram o artilheiro. No Botafogo, Loco Abreu é um camisa 09 de verdade, enquanto no Vasco, Nunes é um camisa 09 no discurso apenas, mas o futebol está muito mais para a camisa 03.

Em Minas, o ditado que dá o tom é: “Em terra de cego, que tem um olho é rei!”. Já que o Galo tem Obina e Tardelli, e na Raposa, Wellington Paulista e Thiago Ribeiro. Quatro bons atacantes, mas longe da autoridade da camisa 09. No Sul, Jonas vive o ápice da sua carreira, o que o credencia neste momento entre os grandes atacantes, já no rival vermelho, Alecsandro é totalmente questionado pela própria torcida.

Desta forma, chego a conclusão que não temos 05 atacantes de qualidade no futebol brasileiro. Na minha opinião, apenas, Fred, Kléber Gladiador e Loco Abreu se enquadram neste quesito. É lógico que a nação corintiana irá pleitear a presença de Ronaldo, que na minha opinião é de longe o melhor atacante que vi jogar e talvez o melhor da história, mas tudo isso no passado.

E vocês, como enxergam os atacantes que atuam no Brasil?

O veterano do ano!!

Está lendo alguns blogs por aí, e me cativei por este post do excepcional Lédio Carmona. Concordo com tudo que ele diz neste post, sou fã do Loco Abreu, jogadorzaço..!! Confiram:

Lédio Carmona

A idéia inicial desse post era escrever sobre Jobson. Baita revelação, cheio de potencial, mas que consegue desperdiçar chances atrás de chances que recebe por causa do seu talento. Aos 22 anos, o atacante foi afastado mais uma vez do Botafogo por indisciplina. Tomara que volte. Ele precisa do futebol. O futebol precisa dele. Mas, sinceramente, numa época em que só se fala de dossiê, de cartola, de árbitro, de conspiração e de irresponsabilidades, vou me privar de escrever mais um texto dando conselhos e ensinando auto-ajuda a Jobson. Tomara que ele dê a volta por cima. Torço para que ponha a cabeça no lugar. E que seja reintegrado. Agora vou mudar de personagem. Com licença.

Sebastián Abreu, 34 anos, 1,94m, 24 gols na temporada pelo Botafogo, e uma cobrança de pênalti tão irresponsável quanto histórica num jogo decisivo da Copa da África do Sul. Quando chegou ao Rio, comentei por todos os cantos. “Não acho que dará certo. Não cria raízes. Já jogou em quase 20 times. Fica seis meses e se manda”. Errei feio. Loco Abreu virou personagem. Dos bons. Cheio de história, de personalidade e com ótimo futebol.

Loco Abreu arrebentou em 2010. Virou ídolo do Botafogo. A torcida não quer que ele saia. E ele quer ficar. Foi herói da conquista do Cariocão. Foi importante na Copa. E, no segundo semestre, virou comandante dos alvinegros.

O uruguaio gente-boa, meio excêntrico no visual, mas querido no trato com todos (até dentro de campo com os adversários) se reinventou no Rio, no Brasil, digamos assim. Ganhou mais motivação. Virou um carioca legítimo. Sinceramente, Loco Abreu, por tudo que fez em 2010, deveria obrigar a todos veículos que fazem seleção do ano (ou do Brasileirão) a cada fim de temporada que criassem uma nova categoria de premiação: o veterano do ano.

E, sinceramente, o melhor veterano de 2010 foi ele: Loco Abreu.

Jogos do Domingão!!

Galera do blog, vamos falar sobre alguns jogos que aconteceram no fim de semana.

Palmeiras 2 x 0 São Paulo: Ficou claro que os jogadores do Palmeiras não queriam mais Muricy no comando, o que os jogadores correram hoje foi impressionante, em compensação parece que os tricolores estão querendo derrubar Ricardo Gomes.

O placar foi construído após a expulsão discutível de Xandão, de qualquer forma isso não serve como justificativa para a derrota, mostra apenas que o time palmeirense é realmente limitado, porém quando se esforça muito pode dar trabalho para os adversários. Do lado são paulino, a sensação que fica é que parece que o Ricardo precisa de uma pré-temporada de pelo menos uns dois anos para ele conseguir colocar em campo o que ele pensa. O time mostra-se totalmente desorganizado, Cicinho foi resgatado da Roma porque precisavamos de um lateral direito, porque ele foi parar no meio de campo. Jorge Wagner é um excelente meia, porque está de lateral-esquerdo e Paraíba já disse que é um meia, porque ele estava no ataque.

No jogo, destaque positivo pelo lado palmeirense para Pierre e Lenny, do lado tricolor para apesar da posição errada Jorge Wagner e Ceni mesmo tendo tomado um susto no segundo gol fez boas defesas. Destaque negativo, para Diego Souza que quando bem marcado fala mais do que joga, Marcelinho Paraíba que não pode jogar no ataque, Cicinho que não foi para o estádio ontem, Cléber Santana que fiquei na dúvida se ele acertou algum passe e o Sr. Ricardo Gomes que na minha opinião não passa a confiança necessária para ser técnico do São Paulo.

Botafogo 2 x 0 Vasco: Falando em zebra, olha ela ai de novo. Vi apenas alguns lances, mas parece que apesar do Vasco ter comandado o jogo, o Botafogo foi mortal assim como contra o Flamengo.

Na verdade esse controle vascaíno, se trata de um falso controle, onde um time tem a maior posse de bola, porém sem efetividade nenhuma, já que o outro está só aguardando o momento certo para dar o bote e marcar o gol.

Pelo lado alvinegro, a estrela de Joel Santana e Loco Abreu foram fundamentais para essa conquista. Pelo lado vascaíno, faltou mais maturidade e vontade de suas peças fundamentais, enquanto Carlos Alberto tentou o que pode voltando de lesão, Philippe Coutinho sentiu a pressão de sua primeira decisão e Dodô estava na sua costumeira sonolência.