Rapidinhas do Camisa 10 – 08.08.2012

Levezinho cheio. Liédson, na sua apresentação no Flamengo, disse que está cheio de gás para queimar no novo clube. O levezinho pode dar certo e ajudar a criar espaços para Love, mas sua declaração a respeito do gás foi feita na hora certa, se fosse na época do Luxemburgo, o pofexô não ia gostar.

Parceria com o IBAMA… Falando no rubro-negro, Patricia Amorim descobriu como fará para o Flamengo não perder mais nesse campeonato, o elenco foi reforçado de 5 tatus e 6 topeiras, prontas para as vésperas das partidas em casa atuarem esburacando o gramado. Viva o jogo adiado.

Modo recontagem ativado. Jô disse que já marcou 7 gols no campeonato, só que 3 foram anulados equivocadamente, portanto é injusto ele estar longe do artilheiro Alecsandro na disputa. Ainda bem que não foi o Deivid que reclamou os gols que eles mesmo perdeu erroneamente, caso fosse, seria o artilheiro máximo do Brasileirão.

Troca troca interessante. São Paulo e Santos iriam promover uma troca interessante, Casemiro e Cícero por Ganso. Mais interessante para o São Paulo, mas interessante. Os jogadores seriam apenas emprestados, para ver se outros ares fariam Casemiro e Ganso recuperarem o bom futebol. Mas como disse no começo, iriam. A negociação melou.

Exemplo de punição. Breno parece estar vivendo dias terríveis na prisão, pelo menos segundo o relato da sua esposa. Nada contra o jogador, não vou julgá-lo, apenas quero deixar claro que fico “assustado” no bom sentido com o exemplo de punição aplicado na Alemanha. Sem direito a recorrer, converter em cesta básica, ou qualquer outra coisa do gênero.

Santa Heresia! Em compensação, o estatuto do Palmeiras tem tudo para cometer uma tremenda asneira e punir o ídolo São Marcos. O estatuto não permite que os sócios exerçam atividade remunerada para o Palmeiras. O problema é que Marcos foi atleta do time até o final do ano passado.

Ponto de vista… A imprensa esportiva é curiosa, se o Barcelona troca inúmeros passes de lado é genialidade, se a Coréia do Sul faz isso é falta de tato com a bola e não sabem o que fazem, agora se é o Brasil, a culpa é do calendário que não permitiu o técnico dar um padrão tático a seleção.

E o vento levou… Parece que Euller, o filho do vento está extremamente chateado com Fabiana Murer, após a atleta culpar seu pai pelo seu mau resultado, Euller disse que isso era impossível já que seu pai jogava dominó com ele no sitio da família no interior de Minas.

Capa anunciada. Mais uma da nossa querida imprensa, quem duvida que milhares de veículos de comunicação irão estampar a seguinte manchete amanhã: “Brasil avança para a final em busca de sua inédita medalha de ouro, e irá enfrentar seu maior carrasco dos últimos tempos”

Você sabia… que até o Roni da novela Avenida Brasil recusou jogar no Flamengo? O jogador disse que prefere virar estilista do que jogar no Flamengo. Que fase, hein Patricia?

Dúvida da semana. Nada contra Lucas, nem tampouco algo contra Oscar. Mas se um vale, R$ 113 milhões e outro R$ 80 milhões, quanto será pago por Neymar, a jóia santista?

Dúvida da semana 2. Se dentro de um estádio, estivermos Mick Jagger torcendo para um time e Patricia Amorim para o outro é possível terminar -1 x -1?

Anúncios

Rapidinhas do Camisa 10 – 06.06.2012

Enfim, a Galoucura. Parece que Kalil resolveu fazer valer o nome da principal torcida organizada do Atlético-MG, de uma leva só trouxe Jô e Ronaldinho Gaúcho, a dúvida é se Kalil sabe mesmo o que está fazendo com o seu querido ou clube, ou se ele resolveu investir na vida noturna de Belo Horizonte e trouxe potenciais usuários.

O problema do querer. Ainda falando sobre o Gaúcho, o jogador pode atuar centralizado no 4-2-3-1 ou aberto na esquerda como atacante em um 4-4-2 a moda inglesa com wingers. Pelo estilo de jogo do Galo e de Ronaldinho aposto que a segunda opção seria mais favorável. O problema é saber se ele vai querer jogar.

O famoso noves fora. O Corinthians está com um problema crônico com a camisa 09, além de ter que aceitar pagar uma multa para Adriano para se livrar de vez desse problema, agora é a vez do clube ficar indeciso sobre qual decisão tomar sobre Liédson. A dúvida é, age racionalmente e não renova o contrato com o atacante, ou age com emoção e faz uma proposta de renovação pelo atacante “sem cartilagem”.

Copa do Mundo sem o trio sulamericano. Vai começar a Eurocopa, entre Alemanha, Espanha e Holanda como favoritos, fiquem de olho na França. A seleção chega tinindo para a competição, enquanto alguns parecem ainda se encontrar, e em uma competição de tiro curto, chegar tinindo é fundamental.

Craques das crianças. Em mais uma dessas pesquisas, foi feito um levantamento dos craques dos grandes clubes dos últimos dez anos. Vejam os eleitos: Conca (Flu), Romário (Vasco), Petkovic (Fla), Loco Abreu (Bota), Marcos (Pal), Ceni (SP), Ronaldo (Cor), Neymar (San), Alex (Cru) e Fernandão (Inter). A pesquisa foi restrita a esses dez times.

O jeito é fingir que joga. O Flamengo parece que conseguirá economizar um “dinheirinho” daqui pra frente, a idéia é conseguir pagar a classificação para a Libertadores que está em atraso. Será que pode descontar o vexame da eliminação precoce?

Falando em pindaíba No co-irmão Vasco a situação é tão assustadora quanto no Flamengo. O time pode perder de uma vez só Renato Silva, Felipe Bastos e Edér Luís, todos em fim de contrato e o clube sem um centavo no bolso para ao menos negociar a renovação dos empréstimos.

Pouco futebol mesmo Mano falou, falou e não disse nada sobre a derrota para o México. Além da batata dele, Danilo, Juan, Sandro e Damião precisam também acordar, estão jogando fora suas chances de conquistarem um espaço na amarelinha sem sal.

Promessa é dívida Após eliminar o Barcelona, o volante Ramires havia prometido que caso o time fosse campeão, iria gravar uma versão de Para a nossa alegria com ele cantando. Ramires, só para eu lembrar, quem foi campeão da Champions mesmo? Cadê o vídeo?

Estão acabando as opções. Com Ronaldinho no Galo, Seedorf no Botafogo e Ganso assinando um novo contrato pelo Santos, resta para o Corinthians apenas Robinho, Pato, Kaká e Forlan. Pensando bem, resta só o Pato, ou melhor chegou o Romarinho, vai.

Só para não dizer que disse Enquanto o Galo decidiu comprar alguns medalhões para montar o time, o rival está contratando de atacado, sinceramente perdi as contas de quantos jogadores o Cruzeiro trouxe para este campeonato brasileiro, a minha dúvida qual estratégia dará mais errado, trazer um monte em cima da hora, ou trazer errado em cima da hora?

Dúvida da semana. Qual cidade está melhor preparada? Barueri, para sobreviver a Jóbson e Paraíba ou Belo Horizonte para superar Ronaldinho e Jô?

Rapidinhas do Camisa 10 – 02.05.2012

Vírus Mortal. Uma epidemia vem derrubando todos os clubes na América do Sul, chama-se Neymar e sua letalidade aumenta de acordo com o nível de pontapé que tentam o afastar de qualquer maneira. Europa que se cuide.

Algo no ar. Pela segunda divisão do Paulistão, o Atlético Sorocaba se classificou em um jogo “emocionante”, após estar perdendo por 3×0 empatou em 3×3, com jogadores expulsos do outro lado e pênalti aos 50 minutos do segundo tempo. Muito mais suspeito do que emocionante.

Surpresa no banco. Botafogo é um novo time depois da chegada de Oswaldo de Oliveira, o time segue sem perder desde a sua chegada e o time para ter se acertado, Fellype Gabriel tem sido fundamental nesse esquema, além da experiência nipônica do “professor” parece ter melhorado muito o seu repertório.

Maternidade paulista. Segundo o balanço dos clubes paulistas, as despesas com a categoria de base estão na ordem de (em milhões): São Paulo – 19,3; Santos – 12,8; Corinthians – 9,7; Palmeiras 6,6. Agora, dá para entender porque 143 “bebês” foram dispensados do São Paulo.

Nau desorientada. Barcos é o retrato em campo do Palmeiras. Enquanto, tudo estava bem, foram 10 jogos e 9 gols, quando a maré virou, a situação mudou “só” um pouco, agora já são 08 jogos com apenas um gol marcado.

Lista palestrina. Continuando a debandada, no Parque Antartica, Chico, Gerley e Tinga já partiram. Ricardo Bueno e Marcio Araujo são os próximos candidatos. O time busca reforços para todas as posições.

Lista do “loucos”. Pelo bando de loucos, depois de dar fim ao imperador, os próximos na lista são Liédson e Vitor Junior. No Corinthians, a busca é por um segundo volante e um atacante de referência e “pedigree”.

Tufão na seleção. Nosso ex-atacante fofinho, Ronaldo, disse se identificar muito com o personagem da novela Avenida Brasil. Tanto pela figura do pai, como pela paixão pelo rubro-negro, como pela forma física. A dúvida foi se a Carminha representa Suzana Werner, Cicarelli ou Bia Antony..

Zoropeada rápida. Na Europa, entre os principais torneios, temos apenas o Dortmund decretado campeão na Alemanha, na Espanha só uma tragédia tira o título das mãos de Mourinho. Assim como em Portugal, Porto já pode reservar a cerveja da festa do título. Em compensação, na França, Itália e Inglaterra o campeonato promete fortes emoções.

Libertadores em andamento. Ontem, tivemos mais dois jogos pela Liberta. O Velez confirmou seu favoritismo e conseguir vencer o Atlético Nacional na Colômbia pelo placar mínimo. Placar bom, também foi conquistado pelo Libertad que foi até o México e segurou um empate por 1×1.

Dúvida da semana. O Botafogo deveria dar uma medalha pela Taça Guanabara para a gandula/musa/professora de educação física Fernanda Maia?

Pitacos: Um fim de semana de muitos gols, até Liédson e El Tanque deixaram o deles.

Depois da comoção na quinta, por ter seu nome gritado pelos torcedores xeneizes, mesmo sem ter marcado gols com a camisa do Boca, El Tanque chegou ao seu primeiro gol no domingo.

Galera do blog, esse fim de semana tivemos alguns bons jogos. Para não perder a oportunidade de falar deles, vou fazer alguns resumos dos jogos que eu vi e conto com a colaboração de vocês para complementarem.

O sábado começou com a reprise de Dortmund 4×4 Stuttgart, um ótimo clássico alemão, extremamente dinâmico. Destaque para o japonês do Dortmund, Kagawa. O japonês tem feito uma ótima temporada e é ao lado de Gotze, o responsável por trazer o título do alemão para Dortmund.

Segui vendo os dois grandes espanhóis em campo. Primeiro o Real Madrid.

Chega a dar dó, ver os adversários considerados “pequenos” enfrentarem o Real. O time de Mourinho não tem piedade, parte para cima e não se contenta em fazer gols, precisa fazer muitos, se puder todos em um jogo só. O Real venceu por 5×1 o Osasuna, chegou aos 100 gols no campeonato espanhol (em apenas 30 jogos) e faltam apenas 7 para superar a marca do próprio Real do melhor ataque em uma temporada do campeonato.

Depois foi a vez de assistir ao Barcelona contra o time sensação da Europa, o Athletic Bilbao. O primeiro tempo deixou muito a desejar, aliás estou ficando preocupado com a profecia de Guardiola “de que o Barça não conseguiria se manter em alto nível para sempre”. O time acumula duas partidas seguidas com atuações medianas. O segundo tempo foi um pouco melhor, Bielsa resolveu colocar seus melhores jogadores em campo e partir para o jogo. Aí, tanto o jogo do Bilbao apareceu quanto o do Barça.

Destaque para o menino Muniain. É titular do Bilbao e entrou apenas no segundo tempo. Tem tudo para ser um dos destaques das Olímpiadas.

No domingo, teve um Inter e Genoa de tirar o fôlego pelo italiano. A equipe de Milão, chegou a abrir uma ampla vantagem ainda no primeiro tempo, mas viu o Genoa chegar com perigo e quase empatar o marcador. No final 5×4 para a Inter. Mas a crise segue pesada pelos lados azuis de Milão, até Julio Cesar foi expulso.

Juventus 3×0 Napoli foi um jogo que não acompanhei nada, mas confesso ter ficado surpreso com o placar tão firme imposto pela Vecchia Signora sobre o Napoli. Digo isso, porque considero individualmente, o Napoli o melhor time do italiano.

Para terminar o fim de semana, acompanhei aos jogos do Corinthians e São Paulo. No jogo do Corinthians uma vitória tranqüila e que serviu principalmente para tirar a “zica” que rondava Liedson, o camisa 09 marcou dois gols e parece que os placares apertados ficaram no passado a partir de agora.

O São Paulo segue sua sina de jogar um tempo de cada jeito. E normalmente, o primeiro é o pior. Contra o Ituano, não foi diferente, o time foi para o intervalo perdendo de 2×0 e venceu a partida por 4×2. Acima de tudo, o time precisa encontrar o equilíbrio, para não perder uma partida importante, por causa de um mal tempo.

E vocês, o que me contam?

Pitacos: Entre apagões a apagados.

Galera do blog, ontem acompanhei o clássico paulista, o jogo do meu tricolor e Colônia e Dortmund pelo campeonato alemão. Vamos nos concentrar no clássico.

O clássico pode ser dividido em 4 atos.

1º ato: Domínio alviverde. Durante os primeiros 30 minutos de jogo, o Palmeiras dominou as ações e conseguiu evitar a famosa pressão inicial do Corinthians. O time conseguiu ganhar o meio de campo e partir para cima do Corinthians. Além disso, contou com a sorte no chute de Assunção. Sorte por ter sido ele que chutou livre de marcação, sorte por ter desviado em Castan e sorte por ter Julio Cesar na meta adversária.

Com o gol, o Palmeiras jogou da forma que gosta na retranca. Os comandados de Felipão não davam espaços para a criação corintiana que ao invés de seu tradicional jogo de troca de passes na frente do gol, optou por ficar alçando bolas aéreas que batiam e voltavam. O Palmeiras recuava, mas não era assustado pelo adversário e dominava o primeiro tempo.

2º ato: O “Se” que não entra em campo. Eis que aos 35 minutos, em um jogo quente, onde Liédson já tinha exagerado no pé alto e merecidamente havia recebido cartão amarelo, Chicão dá uma entrada criminosa em Barcos, acertando o tornozelo adversário sem o menor intuito de acertar a bola. Para mim, vermelho sem conversa, mas o juiz preferiu deixar para lá e dar apenas um amarelo para o zagueiro, o que depois fez o juiz ser condescendente com Marcio Araujo que também seria ao decorrer da partida merecedor do vermelho.

Mas como o se não entra em campo. Chicão e Marcio Araujo continuaram em campo até o final do primeiro tempo. E eles teriam seus papéis de destaque na segunda etapa.

3º ato: Cochilo palmeirense e Liedson fundamental. Veio o segundo tempo, mas o Palmeiras pareceu ter ficado no vestiário. Aquela pressão que o time tinha abafado no primeiro tempo, o time deixou tomar no segundo. O Corinthians partiu contudo para cima e conseguiu dois gols em 6 minutos, em lances de pane do sistema defensivo palmeirense.

Tem atacante que passa por fases tão desagradáveis que nada ajuda, mas esse não é o caso de Liédson. O Levezinho mesmo na seca de 13 partidas vem sendo fundamental para o time e mostrando porque todos ainda confiam nele. Além de assistências prestadas no ano, no clássico, ele estava na jogada dos dois gols.

Foi a partir de um toque dele, que a bola tocou em Marcio Araujo e sobrou para Paulinho encher o pé e empatar a partida. E foi a presença dele no segundo gol, que fez Marcio Araujo tentar tirar a bola e colocar contra o próprio patrimônio. O próprio Marcio Araujo que era para ter sido expulso no primeiro tempo, caso Chicão também fosse.

4º ato: O resto do jogo. Apesar da palavra resto parecer depreciativa, depois de tudo que aconteceu nos 60 minutos iniciais, os 30 finais foram apenas complemento. E aí, devido a vantagem no placar, o Corinthians soube se impor e só não ampliou a partida devido a Síndrome de Tite. Onde o time até cria várias oportunidades, mas parece condenado a vencer por apenas um gol de vantagem.

Pelo lado corintiano, fica a certeza de que Chicão é importante para o time, enquanto Castan e Julio Cesar assustam, Edenilson um achado na direita, e Fabio Santos tem atuado bem na esquerda. Ralf e Paulinho dispensam comentários. Do meio para frente, apenas a ressalva de que Sheik merece titular e que JH é titular muito mais pelo psicológico do que pelo futebol.

No lado alviverde, a pane atrapalha maiores análises, mas excluindo os 15 minutos iniciais do primeiro tempo. O Palmeiras tem uma defesa sólida e um bom lateral esquerda, porém arrumou um problema na direita, Cicinho era o titular absoluto, mas as boas e pontuais exibições de Artur, criaram uma dúvida na posição e hoje nem um, nem o outro estão bem. No meio, Marcio Araujo é um esforçado primeiro volante, Pierre deveria estar aqui e como faz falta. Na frente, Barcos foi peça nula, mas o centroavante argentino precisa de seu companheiro para jogar e aí foi a maior decepção do clássico, Maikon Leite não apareceu em campo, sobrecarregou Valdivia na armação e fez com que Barcos pouco aparecesse para o jogo.

E foi por causa desse resultado que temos um novo líder, o São Paulo que venceu por 1×0 o Mirassol. O tricolor foi superior e criou boas jogadas, mas parou na violência do adversário ou na falta de capricho para a finalização. O time do interior abusou do direito de fazer falta e o juiz só queria saber de conversa. O time vai ganhando mais conjunto, mas ainda não está “azeitado”, promete dar trabalho no mata-mata, porque Lucas está em ótima fase.

Apenas para fechar, abri meu domingo assistindo a Colônia e Dortmund. Achei engraçado, como um jogo do campeonato alemão, a bola rola mais do que nos jogos aqui no Brasil. Os times deixam o outro jogar, a falta é recurso apenas quando não tem outro jeito. O Dortmund tem tudo para se sagrar campeão na Alemanha, mesmo tendo o Bayern no campeonato. E o Colônia se não tivesse Podolski podia ter certeza que estaria na segundona. Ah, o placar final 4×1 para o Dortmund.

Pitacos: Isso é Libertadores!!

Ontem foi dia de entender porque a Libertadores é tão diferente dos outros campeonatos.

Consegui acompanhar na íntegra os jogos de Santos e Corinthians.

No jogo do Santos, o time da Vila parecia estar na praia. Quase não sentiu os efeitos da altitude e atropelou o The Strongest em campo. Tanto que abriu o marcador na bola parada. Ganso cruzou e Neymar desviou, o goleiro que estava no meio do caminho deu rebote e Henrique só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes.

Depois do gol, o Santos resolveu tirar um pouco o pé e aí o time boliviano cresceu. Na Libertadores não se pode dar chance ao adversário, porque normalmente ele vai fazer gol nessa chance.

E ainda no primeiro tempo, o The Strongest chegou ao empate. Em cruzamento na área, a defesa ficou olhando e Cristaldo só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes.

O primeiro tempo continuou aberto com algumas chances para os dois lados, mas acabou empatado.

Veio o segundo tempo e o Santos massacrou o time boliviano, criou inúmeras chances, mas não esperava encontrar Neymar em uma tarde “normal”. O atacante perdeu três boas oportunidades e Elano jogou uma bola caprichosamente na trave. Eu desconfio que foi na Libertadores que surgiu o ditado “quem não faz, toma”.

Pois já nos acréscimos, o The Strongest chegou a virada em cobrança de escanteio. Uma derrota considerada normal, porém, diante das circunstâncias do jogo, três pontos jogados fora.

Individualmente, destaque positivo para Ganso, Ibson e Henrique. Negativo, para Pará e Durval.

Depois foi a vez de ver o Corinthians jogar.

E o Corinthians começou igual ao Santos, se sentindo no Pacaembu. O time dominou as ações e mostrou sua maior característica, a marcação por pressão. Contudo, o time não criava chances reais, apenas Alessandro chegava bem.

E de repente, em um lance casual, na cobrança de um lateral, Chicão e Julio Cesar não se entenderam e Herrera que não tinha nada a ver com isso ganhou um gol de presente. O Táchira fazia 1×0 com 20 minutos de jogo no seu primeiro ataque.

O gol parece ter despertado o fantasma da Libertadores no time corintiano que passou a errar muito os passes próximo da área adversária. O Táchira aproveitou e arrastou o primeiro tempo até o seu final.

Veio o segundo tempo e nada mudou. Tite trocou 6 por meia dúzia, mas era o que ele podia fazer. O time sofria muito com a catimba venezuelana, mas não pode reclamar da sorte. Em lance dificílimo, o bandeira anulou um gol do Táchira. Que com certeza, 9 entre 10 bandeiras marcariam. Sorte do Corinthians em ter o bandeira certo ao seu lado.

Mesmo assim, o jogo foi se arrastando até o final. E a Libertadores deu mais um sinal que como ela é. No último lance, quando o Corinthians já não merecia mais o resultado, a bola foi alçada na área e encontrou Ralf para testar para o fundo das redes. Era o empate com sabor de vitória para o Corinthians.

Destaque positivo do Corinthians, Chicão, Alessandro e Ralf. Negativo, Liédson, Danilo e Jorge Henrique, ambos foram engolidos pela marcação venezuelana.