A melhor defesa é o ataque!

Foto: Adelson Costa

Foto: Adelson Costa

Vocês sabiam que ao final da 13ª rodada do Brasileirão, os três jogadores mais faltosos do campeonato são atacantes?

Sim, depois de um terço de campeonato, Grafite (Santa Cruz – 40 faltas), Gabriel Jesus (Palmeiras – 35 faltas) e Kléber Gladiador (Coritiba – 35 faltas) lideram o quesito, são os jogadores que mais cometem falta no campeonato brasileiro.

Os dados foram retirados do ótimo site footstats.net, que se você olhar entre os 20 mais faltosos, temos 08 atacantes, 06 volantes, 05 laterais e somente um, um único zagueiro nessa lista.

Mas porque o Cadê Meu Camisa 10 traz essa informação?

Primeiro pela curiosidade imediata de não ver um zagueiro ou pelo menos um volante brucutu entre os três primeiros, segundo porque isso mostra como o futebol mudou sua forma de jogar e como estamos ainda que aos trancos e barrancos também acompanhando essa mudança.

Hoje o futebol é muito mais corrido, dinâmico e coletivo, foi-se o tempo que o cara com talento tinha tempo para criar uma jogada mágica, hoje em pouco tempo ele é atropelado por uma manada de gnus, aquela que tirou a vida de Mufasa quando ele foi proteger Simba (sim, hoje acordei inspirado).

Sendo assim, é necessário que os 11 jogadores estejam comprometidos até a tampa com a marcação, que ninguém tenha o luxo de não marcar, mesmo com intensidade menor, todo mundo precisa ajudar. Como Patón Bauza e Tite gostam de frisar, “no meu time os 11 marcam e se possível os 10 atacam”.

Só que ai aparecem nossos “problemas” de formação, se hoje em dia é obrigatório que o atcacante saiba marcar porque o futebol exige, vemos nas estatísticas que eles até estão dispostos a ajudar, mas não possuem nenhuma técnica de marcação, acabam indo afoitos e cometem muitas faltas.

Isso sem falar na máxima lei do futebol existente aqui no Brasil, o perigo de gol ou aquela famosa parada de costas que o zagueiro faz, onde ao menor contato do atacante ele já cai e grita desesperadamente como se sua dignidade tivesse sido arrancada.

De qualquer forma, é interessante ver algumas mudanças no estilo de jogo, ver os atacantes marcando de forma mais contundente, o entendimento que o futebol é coletivo, todo mundo precisa ajudar, a começar pelos centroavantes, mas que de qualquer jeito, ainda precisam aprimorar um pouco, para não ter tanta falta.

Em tempos atuais, o sábio ditado futebolístico que dizia que “a melhor defesa é o ataque” precisa ser entendido melhor, acho que estão interpretando um pouquinho errado.

Me sigam no Twiiter: @cademeucamisa10

Anúncios

Valdivia precisa falar menos no Twitter e jogar mais…

Valdivia

Valdivia, voltou a aparecer e logo virou polêmica.

Extravazou no seu Twitter, como de praxe, e sobrou até para Alexandre Mattos.

Ficou incomodado como a imprensa tratava sua renovação, reclamou dos valores divulgados (segundo ele, a cada momento ele ganha um valor), disse que não tem problema em fazer contrato de produtividade, falou que jogou infiltrado algum dias desses e mais um monte de outras coisas tentando se defender da fama de jogador bom, porém chinelo e que ganha muito.

Particularmente, não posso analisar as questões sobre o quanto é chinelo, o quanto é problemas com lesões crônicas. Mas consigo ver a questão custo/benefício.

Sinceramente, dentro do Brasil, acho que só Adriano no Corinthians teve um custo-benefício pior do que Valdivia.

E os corintianos não precisam me lembrar do gol contra o Atlético, o Imperador atuou por 350 minutos em 08 partidas com apenas 2 gols marcados. Custou um belo salário e foi embora sem deixar saudades.

A conta de Valdivia é mais complicada, são 6 anos e meio somando-se suas duas passagens. Um título paulista em 2008 e uma Copa do Brasil em 2012. Nesse tempo todo foram pouco mais de 200 partidas pelo clube. 231 até então. Só para se ter uma ideia é o mesmo número de partidas que Neymar tem pelo Santos. Ou se comparar Valdivia com Valdivia, em sua primeira passagem de apenas 2 anos foram 93 jogos, enquanto na atual de 4 anos e meio foram 138 jogos.

E o pior de tudo custando caro ao Palmeiras desde sempre, com retorno ao clube muito pequeno.

Não questiono o talento de Valdivia, pelo contrário, acho excelente quando joga, basta ver a diferença do Palmeiras do ano passado quando ele estava em campo e quando estava fora. A questão é se vale a pena ter tudo isso?

Sinceramente, acho que o momento do Palmeiras ajudou toda essa manutenção de Valdivia, um clube que tem carência de ídolos na história recente, desde que o time conquistou a Libertadores de 1999, ninguém assumiu essa posição. Alex até tentou, mas foi mais feliz no Cruzeiro e depois no seu Coritiba. Kleber Gladiador foi Kleber Gladiador e ponto final. Diego Souza nunca quis essa alcunha, sobrou para Valdivia que nessa relação conturbada, pelo menos está sempre por lá.

Acredito que esse novo grupo palmeirense ainda não tenha esse jogador diferenciado, Valdivia ainda pode ocupar, mas tanto para a torcida quanto para o próprio Valdivia a melhor coisa foi esse bom time, pois com ele acaba a pior coisa em um relacionamento, a dependência.

Valdivia depende da torcida do Palmeiras e vice versa.

Quem sabe agora com um time que pode trazer resultados com as próprias pernas, a torcida só “ame” Valdivia pelo craque que é, assim como Valdivia tire o peso das costas de só ele resolver pelo time, ele pode apenas atuar pelo clube com todo o talento que tem.

Mas, uma coisa é certa, Valdivia precisa falar menos no Twitter e jogar mais…

A estrela e as estrelas…

146500-futebol_brasileiro1

Ao que tudo indica esse Brasileirão será decidido pela estrela. E não estou dizendo daquele jogador que tem status de diferente, de acima da média, de Seedorf e Alex por exemplo. Estou falando de estrela daquele conceito futebolístico que se mistura muito com sorte ou com aquele algo a mais que um time campeão acaba tendo.

Eu sei que você dirá então, que olhando dessa forma, é lógico que a estrela decidirá o campeão, já que ele “é pré-requisito” para que o clube conquiste o título a diferença é como elas estão se apresentando nos candidatos ao título.

Começamos pelo Cruzeiro, o qual digno que “as estrelas” decidirão pelo clube mineiro. O time celeste que optou por montar um elenco forte sem um destaque principal, vem colhendo frutos por isso. Quando não é a estrela de Everton Ribeiro que brilha, é a de Lucas Silva, é de Borges, é de Julio Baptista, ontem foi a do William, amanhã pode ser Dagoberto, Luan, Nilton, Dedé, Fábio, Ricardo Goulart, ou qualquer outra peça do elenco.

Cruzeiro optou por uma das máximas do futebol, só com o elenco forte é capaz de disputar o título e Marcelo Oliveira tem conseguido dentro de um padrão tático muito bem definido, misturar e revezar essas peças buscando o melhor aproveitamento sempre. O certo é que ultimamente o Cruzeiro ganha e os outros que corram atrás.

O mais perto nessa corrida é o Botafogo. E o Botafogo que recebe a alcunha de estrela solitária conseguiu reverter nesse campeonato uma outra alcunha que o segue. “Tem coisas que só acontecem com o Botafogo”, essa alcunha parece revertida, se antes situações prejudiciais aconteciam ao Botafogo em momentos cruciais, por enquanto o contrário tem sido mais constante. Basta lembrar que as duas últimas partidas, o time venceu com um gol no final do jogo.

E essa estrela que ilumina o time como um todo e não sobre um jogador específico em determinadas partidas que pode levar o Botafogo ao título. Estrela que também tem iluminado a juventude do time, seja com Vitinho, com Hyuri ou até mesmo com o menino Elias. O que seria motivo de preocupação para muito times, no Botafogo a fórmula tem funcionado muito bem.

E por último o Grêmio que apesar de não agradar a todos e praticar um futebol mais pragmático, o time também está por perto. E como carrega a alcunha de imortal, todo gremista acredita que a força da sua estrela está no seu brilho durar mais do que as duas anteriores. Algo como, a sua é mais bonita e mais forte, mas vai acabar mais rápido do que a minha.

O time que resgatou o ídolo Renato Portaluppi para o comando do time, sabia que ele também resgataria o estilo de jogo que tornou o time vencedor na década de 80. Um time aguerrido, com muita força e que vende caro qualquer derrota. Individualmente tem mais peças acima da média do que os rivais. Dida, Elano, Zé Roberto, Kleber, Vargas e Barcos compõe esse esquadrão que espera no final ter mais pilha na estrela do que seus rivais.

Apesar de achar justo e gostar dos três times, minha torcida está para toda aúrea que gira sobre o Botafogo nesse ano.

Pitacos: Eu não sei o que foi pior, largar a praia para ir votar, ou o que aconteceu no Beira Rio.

Galera do blog, a 33ª rodada praticamente terminou (falta apenas o jogo do Galo) e foi marcada pelo polêmico gol do pirata Barcos, pela certeza de que o São Paulo é o time que vive o melhor momento no campeonato e que Seedorf é um exemplo de atleta para qualquer garoto que pensa em jogar bola como um profissional. A rodada teve 20 gols em 09 jogos, com cinco vitórias dos mandantes, três empates e uma vitória do visitante.

Novamente, devido às eleições tivemos a rodada acontecendo na quinta e no sábado. Na quinta, a Ponte conseguiu uma vitória magra contra o Cruzeiro e praticamente afastou o fantasma do rebaixamento, o time campineiro que passou por uma fase turbulenta após a saída de Kleina parece ter se reencontrado. Quanto a Raposa, o time poderia pelo menos diminuir o número de faltas cometidas por jogo.

Também na quinta, o Peixe empatou sem gols com o Timbu. Nada mudou para os dois times, que possuem pouca pretensão no campeonato. O destaque ficou pelo desabafo de Neymar, que reclamou de seus companheiros ficarem esperando ele resolver a partida sozinho. A reclamação de Neymar é válida, mas só precisam avisar para ele que falta talento ao resto do time mesmo. Por enquanto, só ele resolve mesmo.

Para completar a quinta, o Fluminense mostrou porque está com uma mão na taça. Novamente o time foi inferior ao adversário e conseguiu vencer o Coritiba por 2×1. Dessa vez, Wellington Nem foi o destaque da partida, com oportunismo para marcar um gol e inteligência para dar uma assistência. O Fluminense além de toda a competência, está com aquela sorte de campeão.

O sábado começou com o Corinthians vencendo o Vasco por 1×0. Foi um bom jogo, o Corinthians teve o domínio da partida, mas sempre que o Vasco conseguiu um contra golpe foi perigoso. O jogo merecia mais gols, mas faltou um pouco de capricho dos dois times. O Corinthians volta a acelerar o time visando o mundial, o Vasco tenta reencontrar o acelerador perdido no segundo turno.

O Inter venceu o Palmeiras por 2×1. O Inter foi merecedor do placar, o time gaúcho tem muito mais técnica do que o alviverde e soube explorar essa vantagem. Contudo, o jogo ficou marcado pelo gol feito por Barcos com a mão. Inicialmente, o gol foi validado pelo juiz e depois de muito barulho, repórter auxiliando quarto árbitro e o delegado da partida avisando o árbitro principal, o gol foi anulado. Sinceramente, o gol foi irregular, mas o que aconteceu no Beira Rio é vergonhoso.

Vergonha quem passou também foi o Atlético-GO. O dragão foi até o Engenhão para apanhar de 4×0 para o Botafogo. Na próxima rodada, o Dragão tem tudo para ser o primeiro time rebaixado. Pelo Fogão, os destaques ficam, para o primeiro gol do Botafogo, um golaço pela coletividade, para a fase do menino Bruno Mendes, 5 gols em 4 jogos e pelo caráter de Seedorf, uma aula para os jogadores mimimi’s de plantão.

O Figueirense também deu um passo largo para fazer companhia ao Atlético-GO.
O time ficou no empate sem gols com a Portuguesa em pleno Orlando Scarpelli. Para o Figueira, resta começar a operar milagres para tentar a permanência na Séria A, enquanto para a Lusinha uma vitória deve garantir o time na Série A do Brasileirão.

O Bahia não conseguiu vencer o Grêmio e deixou os palmeirenses ainda esperançosos. Os baianos ficaram no empate em 1×1 com o tricolor gaúcho. Os baianos até pressionaram os comandados de Luxemburgo, mas pararam na boa marcação e na tarde feliz de Marcelo Grohe. O time baiano precisa segurar as pontas nas duas próximas rodadas, pois nas três últimas a tabela é favorável. Para o Grêmio, a má notícia é a aproximação do São Paulo, a boa é que Kléber enfim desencantou.

Para fechar, o São Paulo venceu o Sport por 4×2 em plena Ilha do Retiro. Lucas foi o nome do jogo, ao marcar três gols para o tricolor. O time está em grande fase, sendo o melhor time do Brasileirão neste momento. O time tem tudo para conseguir a tão sonhada vaga na Libertadores, o cenário para 2013 é esperançoso para o torcedor tricolor. Mesmo sem a estrela da partida.

Pitacos: Galo esquenta a reta final, enquanto alguns já estão brincando na marola…

Galera do blog, a 32ª rodada ainda não acabou, porque sem uma explicação convincente Figueirense x Botafogo e Vasco x Inter foram adiados para quarta-feira. Mesmo assim, vamos fazer uma análise dos oito jogos que aconteceram, foram apenas 12 gols, com 04 vitórias dos mandantes, 03 empates e apenas uma vitória de visitante. A rodada colocou o Galo um pouco mais perto do predestinado Fluminense e trouxe novamente a esperança verde.

O sábado começou com o Grêmio tropeçando dentro do Olímpico, o time não conseguiu sair do 0x0 contra o Coritiba. O Grêmio não soube superar o ferrolho paranaense e viu Kléber aumentar seu jejum em 590 minutos sem anotar um golzinho. No fim, a vitória do Galo e o tropeço do tricolor paulista fez o time gaúcho não sair tão prejudicado na rodada. Para o Coxa, a certeza de que o time voltou a jogar um bom futebol e que irá se afastar de vez da zona do rebaixamento que nunca combinou com o time.

Sem Zizao, o Corinthians apenas empatou com o Bahia em pleno Pacaembu por 1×1. Pacaembu que parecia casa do Bahia, já que os torcedores alvinegros preferiam uma derrota do próprio time para dificultar a situação do rival Palmeiras. Mas o que se viu no jogo, foi a incompetência do time baiano, jogando contra um Corinthians despretensioso e sem apetite pela vitória, os comandados de Jorginho deixaram claro porque estão tão próximos do Z4, falta talento ao time, apesar da disposição de sobra o time é muito limitado e tem grandes chances de trocar de lugar com o Palmeiras.

O Palmeiras que fez a sua parte e venceu o modesto Cruzeiro por 2×0, dois gols do Pirata Barcos. O time do Palmeiras é melhor do que uns melhor que uns 8 times desse campeonato, mas não teve cabeça após a conquista e muito menos quando bateu o desespero, agora os resultados vem na força, na raça e nos lampejos de talento de Assunção e Barcos. A caminhada ainda é complicada para o alviverde, mas a fraqueza de alguns rivais podem colaborar para um final feliz para os palestrinos.

No domingo o São Paulo dominou o Flamengo no primeiro tempo e poderia ter saído com o famoso 2×0 que o time vem construindo nas partidas anteriores, mas faltou capricho e competência na cobrança de pênalti. Confesso que achei o pênalti um pouco duvidoso, mas Fabiano não pode ser artilheiro se não treina cobranças, é a segunda cobrança mal executada seguidamente e percebe-se que ou o atacante não tem tino para a cobrança ou falta treino. Resultado, quem não faz toma, o Flamengo achou um golzinho no segundo tempo e venceu a partida pelo placar mínimo

A Portuguesa conseguiu segurar o Naútico dentro dos Aflitos e ficou no 0x0 com o Timbu. O Naútico é para mim um dos quatro piores times do campeonato, mas soube usar o Aflitos como poucos e por isso sobreviverá nesse campeonato. Já a Lusinha faltou acreditar mais no próprio potencial, o time montado possui grandes jogadores e poderia ousar voos maiores no campeonato. Nessa reta final, sua única pretensão é sobreviver no campeonato, poderia bem mais.

Atlético e Fluminense fizeram um jogo digno de primeiro contra segundo. o Galo venceu por 3×2, mas mais do que isso ganhou muita moral para a reta final, pois o time foi muito superior que o Flu, mesmo o time carioca fazendo um bom jogo. Sem a menor hipocrisia, o Galo poderia ter ganho a partida por 6×2 tranquilamente. A atuação do time mineiro foi impecável, Ronaldinho tem tudo para ser eleito o craque deste Brasileirão. O time carioca é letal, mas torço que o Galo consiga esse milagre e fature o caneco.

Outro placar mentiroso foi em Campinas. A Ponte Preta venceu o Santos por apenas 1×0, contudo o time do interior de São Paulo dominou a partida e poderia ter saído com um placar mais folgado. O lateral/atacante Luan tem sido uma grata surpresa nessa reta final do Brasileirão. o lateral que foi avançado para o ataque tem feito grandes partidas pela macaca. Já o Santos usa o campeonato para entender como irá reforçar seu elenco para o próximo ano.

Para fechar o Sport conseguiu um grande resultado ao vencer o Atlético-GO em Goiânia. O resultado mantém a esperança pernambucana de escapar do rebaixamento, enquanto o time goiano parece ter entregado os pontos mesmo no campeonato. O Dragão parece ser o melhor adversário daqui para frente, pois o time mais rebaixado e sem forças para reagir no campeonato. É obrigação ganhar três pontos nos próximos duelos contra o Dragão.

Pitacos: Redenção de Forlan e um bom jogo no Pacaembu…

Galera do blog, uma rodada insossa que serviu apenas para a redenção de Forlan e para acompanhar o ótimo clássico entre Corinthians e Atlético-MG. Foram 25 gols, e um domínio dos mandantes, 08 vitórias dos donos da casa e mais 02 empates.

Esses dois empates aconteceram já no sábado, primeiro o Fluminense chegou a abrir 2×0 no placar, mas viu o Figueirense mostrar brio e buscar o empate. Como tradição, no nosso campeonato, a arbitragem foi protagonista ao anular um gol legítimo do Figueirense.

O outro empate da rodada foi protagonizado pelo Palmeiras, o time de Felipão contou com a ajuda do palmeirense Kléber que resolveu ser expulso com 15 minutos da primeira etapa, deixando o Grêmio com um a menos. Mesmo assim, o Palmeiras não conseguiu abrir o marcador e ficou no 0x0 que o deixa na incômoda zona de rebaixamento.

Para fechar o sábado, o clássico português entre Vasco e a Lusinha. O Vasco venceu por 2×0, o mais importante foram os autores dos tentos. Alecsandro se reencontrou com as redes e Tenorio parece recuperado de vez, o atacante equatoriano é o maior reforço do time vascaíno nesse segundo semestre. Ótimo jogador, vale a pena observar.

O Santos mostrou como é dependente de Neymar e foi derrotado pelo Sport por 2×1. O time dá claros sinais de sem ele, é um time comum, possui boas peças, mas com pouca organização tática. Ou Muricy se acomodou, ou ficou refém de montar um esquema “toca para o Neymar que ele resolve”.

No Beira Rio Forlan desencantou, espantou a possível crise que rondava o lado vermelho de Porto Alegre e afundou ainda mais o time do Flamengo. O resultado de 4×1 foi pouco perto do que o Inter produziu, a goleada poderia ser bem pior. Dorival tem um abacaxi imenso para descascar, apenas Vagner Love se salva.

O São Paulo foi para Salvador e depois de três vitórias sobre o Bahia, entre Sulamerica e Brasileirão, parou na falta de qualidade do seu ataque e perdeu por 1×0 após uma falha grotesca de Rhodolfo. O jogo foi aberto, merecia ter saído mais gols, mas com Cícero e Souza no ataque dos times fica difícil a tarefa de acertar o gol.

O Botafogo jogou sem Seedorf, mas viu outro gringo comandar o time, Lodeiro fez um gol e deu uma assistência para o Glorioso vencer por 2×0 o Coritiba. O Coritiba parece ainda desorientado após o vice da Copa do Brasil, oscila boas partidas com atuações pífias, o resultado é que o time tem um dos melhores ataques do campeonato e a pior defesa.

O Cruzeiro venceu o Naútico por 3×0. Pela atuação do time mineiro o placar foi justo, contudo o primeiro gol saiu apenas aos 30 do segundo tempo. O time do Cruzeiro está arrumadinho, é um time bem limitado, mas que tem se superado, o mesmo serve para o Naútico. Bons trabalhos de Roth e Gallo.

Para fechar a Ponte venceu em seus domínios o Atlético-GO por 3×1. O time goiano começou surpreendendo e abrindo o marcador, teve até a oportunidade de ampliar, mas Patrick perdeu um gol feito, já a Ponte foi se acertando durante a partida e na bola aérea foi construindo o seu placar.