A crueldade da justiça…

Casemiro 28052014

Em qualquer grande tribunal, principalmente quando o caso se torna complicado demais, existe algo chamado senso de justiça que serve para orientar a decisão a ser tomada.

Quando digo senso de justiça me refiro a aplicar a justiça, mas usando o bom senso, porque às vezes simplesmente aplicar a justiça, pode ser uma grande injustiça com alguma das partes.

E mesmo atrasado no comentário, para mim, esse foi o resumo da partida entre Real Madrid x Atlético de Madrid. Se pensar na justiça simples, o Real era merecedor, time melhor, grandes investimentos, o melhor do mundo e novo maior artilheiro da competição atuava pelos merengues.

Além disso, tinham vencido o temível Bayern de forma convincente, superado o trauma de enfrentar Guardiola. Mesmo com todos os grandes feitos do Atlético, o Real era o favorito, portanto a justiça era dar o título a eles.

Porém, como todo bom caso, era importante escutar o outro lado. E o Atlético tinha boas considerações a fazer. Havia ganhado o campeonato local, superando Barcelona e o próprio Real. Na Champions fazia campanha histórica ao passar por Milan, Barcelona e Chelsea. Se vencesse a final, seria a única equipe na história da competição que chegaria a 10 vitórias e 3 empates, sim, nenhuma derrota.

O Atlético tinha mostrado que o impossível pode existir, mas que é difícil de explicar, pois ele conseguiu feitos grandiosos.

E eis que na decisão dos fatos, na partida final, o enredo escolhido é o mais desesperador possível. Gol do Atlético, em falha de Casillas e gol do Real já nos acréscimos do segundo tempo, de Sérgio Ramos, o mesmo que havia achado um gol em Munique. A prorrogação foi apenas para mostrar a real diferença de qualidade de um elenco para o outro.

Contudo, o jeito escolhido para se dar o veredicto foi o pior possível. Optou-se apenas pela justiça, esqueceram do bom senso. Coitado do Atlético, julgado culpado, sem a taça, saindo invicto e mostrando que às vezes, a justiça pode ser bem cruel.

Bem mais que 15 milhões!!

Galera do blog, confesso que assisti o jogo da seleção, mas não tive a menor vontade de escrever sobre um time que vence por 4×1 a “fortíssima” seleção dos Estados Unidos perdendo todas as jogadas aéreas possíveis.

O placar escondeu coisas mais sérias que acontecem na seleção, falta equilíbrio, quando o ataque vai bem, a defesa falha muito e vice-versa. Portanto, meu assunto aqui é outro. Apesar de passar pela única coisa boa dessa seleção, Oscar. O jovem garoto vai dando sinais de que o discurso do São Paulo era real sobre ele ser o novo Kaká, o menino jogou tranqüilo os dois amistosos e ainda tirou o peso da Gansodependência.

Então, o melhor jogador da seleção soube que São Paulo e Internacional chegaram a um acordo sobre o destino do jogador. O Internacional desembolsou 15 milhões de reais para ter direito ao jogador e acaba de vez com todo o litígio envolvendo os clubes.

Acima de tudo, o acordo foi bom para todos. Mesmo sabendo que ninguém era santo nessa história.

Para o Inter, gastou um dinheiro alto para ter seu melhor jogador, mas gastou um dinheiro abaixo do que ele já vale hoje.

O São Paulo recebeu uma boa grana, já que se fosse levado a últimas conseqüências provavelmente receberia menos do que o montante pago pelo clube gaúcho.

Bom para Oscar que jogará onde queria e aprendeu como deve ser respeitado um contrato, onde ele tem todo o direito de atuar por onde deseja, desde que cumpra com o escrito.

Mas melhor ainda para o futebol, que colocou uma pulga atrás da orelha dos clubes que não ivnestem na base e ficam a espera de empresários vagabundos para roubar jogadores preparados em outros times.

Que deixou essa raça de empresários canalhas (refiro aqui a apenas uma parcela, sem generalizar) de mãos atadas, a tendência é que os clubes não acreditem mais quando um tipo desse chegar oferecendo jogador de graça, apenas pagando uma “singela” comissão para ele.

Ainda a muito a se fazer para tornar mais transparente e profissional nosso esporte mais querido, mas uma primeira vitória foi conquistada.

Fora dos autos: Outra coisa importantíssima, comecei na semana passada mais uma empreitada. Estou como colunista semanal no site offline.com.br.. Continuo falando as mesmas bobagens que digo aqui, entrem lá!! Clique aqui