Os melhores treinadores do mundo!

6-Parreira

E ontem a revista FourFourTwo publicou a sua lista dos 50 melhores técnicos do mundo.

E adivinha quantos brasileiros nela?

Isso mesmo, nenhum. nadinha. Até um congôles entrou na lista e nossos professores nem aparecem nela. O único do Brasileirão que aparece é El Profe Osório do São Paulo, colombiano. Aliás, entre os 50 temos 08 da América do Sul, 5 da Argentina, 1 uruguaio, 1 chileno e o colombiano Osório.

5 países detém 30 desses melhores treinadores, França e Espanha com 6, Argentina, Alemanha e Itália com 5. Nesse grupo de países percebe-se que todos já foram campeões mundiais, restando apenas Uruguai, Inglaterra e Brasil. O Uruguai tem entre os 50, o próprio treinador da Celeste, Oscar Tabarez. Já Brasil e Inglaterra não emplacaram ninguém na lista.

E olha que a revista é inglesa, portanto a ausência deles também é crítica, contudo vamos ficar com o que nos pertence, ou melhor o que nos falta.

Quando vemos franceses, espanhóis, argentinos, alemães e italianos dominando a relação, vemos as escolas desses países sendo disseminadas pelo mundo afora, enquanto nós brincamos de Coréia do Norte do futebol, nos fechamos para o novo e não aceitamos nosso retrocesso.

Para quem acha que é apenas uma lista feita lá na Europa, olhe que tem técnico de time australiano, de time da MLS, de dois times argentinos, de seleção do Congo e até do concorridíssimo campeonato norueguês.

O nosso 7×1 segue, sem nenhuma perspectiva de recuperação.

Veja a lista dos 50 melhores técnicos do mundo:

50º) Florent Ibenge (congolês) – Vita Club-RDC/República Democrática do Congo
49º) Juan Carlos Osorio (colombiano) – São Paulo
48º) Pavel Vrba (tcheco) – República Tcheca
47º) Hein Vanhaezebrouck (belga) – Gent-BEL
46º) Bruce Arena (norte-americano) – Los Angeles Galaxy-EUA
45º) Tony Popovic (australiano) – Western Sydney Wanderers-AUS
44º) Gian Piero Gasperini (italiano) – Genoa-ITA
43º) Slaven Bilic (croata) – West Ham-ING
42º) Herve Renard (francês) – Lille-FRA
41º) Lars Lagerbäck (sueco) – Islândia
40º) Markus Weinzierl (alemão) – Augsburg-ALE
39º) Ange Postecoglou (australiano) – Austrália
38º) Myron Markevych (ucraniano) – Dnipro-UCR
37º) Frank de Boer (holandês) – Ajax-HOL
36º) Rafa Benítez (espanhol) – Real Madrid-ESP
35º) Manuel Pellegrini (chileno) – Manchester City-ING
34º) Antonio Conte (italiano) – Itália
33º) Sergei Rebrov (ucraniano) – Dynamo de Kiev-UCR
32º) Vicente Del Bosque (espanhol) – Espanha
31º) Marcelo Gallardo (argentino) – River Plate-ARG
30º) Jocelyn Gourvennec (francês) – Guingamp-FRA
29º) Giampiero Ventura (italiano) – Torino-ITA
28º) Didier Deschamps (francês) – França
27º) Roger Schmidt (alemão) – Bayer Leverkusen-ALE
26º) Jorge Sampaoli (argentino) – Chile
25º) Dieter Hecking (alemão) – Wolfsburg-ALE
24º) Bob Bradley (norte-americano) – Stabaek-NOR
23º) Mircea Lucescu (romeno) – Shakhtar Donetsk-UCR
22º) Edgardo Bauza (argentino) – San Lorenzo-ARG
21º) José Pekerman (argentino) – Colômbia
20º) Marcelino (espanhol) – Villarreal-ESP
19º) Oscar Tabarez (uruguaio) – Uruguai
18º) Phillip Cocu (holandês) – PSV Eindhoven-HOL
17º) Lucien Favre (suíço) – Borussia Monchengladbach-ALE
16º) Louis van Gaal (holandês) – Manchester United-ING
15º) Jorge Jesus (português) – Sporting-POR
14º) Rudi García (francês) – Roma-ITA
13º) Ronald Koeman (holandês) – Southampton-ING
12º) Leonardo Jardim (português) – Monaco-FRA
11º) Arsene Wenger (francês) – Arsenal-ING
10º) Laurent Blanc (francês) – Paris Saint-Germain-FR
09º) Carlo Ancelotti (italiano) – sem clube
08º) Joachim Löw (alemão) – Alemanha
07º) Unai Emery (espanhol) – Sevilla-ESP
06º) Jurgen Klopp (alemão) – sem clube
05º) Massimiliano Allegri (italiano) – Juventus-ITA
04º) Diego Simeone (argentino) – Atlético de Madri-ESP
03º) Luis Enrique (espanhol) – Barcelona-ESP
02º) Josep Guardiola (espanhol) – Bayern de Munique-ALE
01º) José Mourinho (português) – Chelsea-ING

Para uma média de 2 gols, um técnico precisa sair…

E ainda faltou Coritiba, Santos e Inter, em apenas 7 anos. E ainda pode pintar mais um clube nas próximas horas.. Ele está errado?

E ainda faltou Coritiba, Santos e Inter, em apenas 7 anos. E ainda pode pintar mais um clube nas próximas horas.. Ele está errado?

Se alguém lhe dissesse que a média por rodada de técnicos que saem do Brasileirão é apenas metade da média de gols por jogo, você acreditaria?

É essa a conta do nosso campeonato.

São 18 rodadas com 379 gols em 180 jogos, o que dá uma média de 2,11 gols por jogo. Já no banco de reservas, a cada uma rodada, um treinador sai. Ou seja, se o campeonato não traz emoção nos jogos, os clubes dão um jeito de conseguir alguma.

Ontem, Oswaldo e Gareca cairam. O primeiro sem um motivo mais grave, já que tinha conquistado boa vitória na Copa do Brasil e vinha em boa colocação no Brasileirão, o segundo foi o típico caso onde sobrou paciência com os resultados, mas a escolha foi completamente errada.

Gareca não podia assumir um time no meio do campeonato mais importante, sem o menor conhecimento do futebol brasileiro.

Contudo, tirando a questão de conhecimento do nosso futebol, a outra questão (assumir no meio do campeonato) deveria ser critério de sucesso para todo presidente de clube. Basta olhar quem são os únicos clubes que não trocaram o comando.

Adivinha?

Cruzeiro, Inter, São Paulo, Corinthians e Fluminense, curiosamente os cinco primeiros. Apenas uma grata surpresa.

E ainda tem mais curiosidade, para mostrar que trata-se de uma questão cultural, veja, vamos comparar com nossa querida Alemanha.

Vocês sabiam que em 100 anos de história da nossa seleção canarinha, tivemos 54 professores? O número alto, pensando na quantidade de partidas que a escrete faz por ano. Contudo, vamos ver como são as coisas na turma do 7×1.

A Alemanha em seus 106 anos de existência teve o absurdo número de 10 treinadores. Sim, a quantidade exorbitante de 10 Trainer. Basta ver Joachin Low que era assistente de Klinsmann e assumiu a seleção desde 2006. 08 anos e que prometem ultrapassar a média deles de 10 anos.

É chato bater na tecla do 7×1, mas algo precisa ser feito para parar com essa constante dança de cadeiras de treinadores. É necessário cobrar seriedade de quem comanda, inclusive para ver quem é realmente treinador.

No nosso formato atual, não criamos treinadores, criamos apagadores de incêndio.

Depois é difícil entender porque nenhum dá certo lá fora e porque nunca Guardiola teria sucesso aqui.

Tá acabando gente, só sobraram 08 seleções!!

size_590_taça_da_Fifa_e_bola_da_Copa_de_2014

E aí a Copa da Zueira e Copa das Copas está acabando, restam apenas 08 times. Mas os favoritos ainda seguem.

Brasil, Holanda, França, Alemanha e Argentina suaram muito para conseguir classificações surpreendentes. Mas no fim, a Copa ficou restrita a europeus e sulamericanos e uma zebra. Além dos já mencionados acima, Colômbia, Bélgica e Costa Rica disputarão as quartas de final.

A curiosidade é que pela primeira vez nas histórias das copas, todos os campeões dos grupos avançaram para as quartas.

Brasil x Colômbia: Como diria Galvão: “É teste para cardíacos, meu amigo”. Se foi difícil contra o Chile, vai ser pior contra a Colômbia. O sucesso e o fracasso dependem exclusivamente do Brasil. Se jogar igual aos últimos jogos, o resultado pode ser desastroso dessa vez, se houver evolução, dá para vencer. A vantagem é que sabemos o máximo que a Colômbia está jogando, a desvantagem é que é muito o que eles estão jogando. É a seleção que mostra o melhor futebol da Copa. Não consigo apostar na Colômbia, então vai Brasil!

França x Alemanha: Grande clássico europeu. a proporção é menor do que o duelo acima. Mas a França está jogando mais nessa Copa, enquanto a camisa da Alemanha é a segunda que mais pesa no varal em Copa do Mundo. Como a diferença entre o futebol jogado entre elas é menor do que no duelo sulamericano, aposto mais tranquilo na camisa alemã. Fico com a turma de Joachin Low avançando.

Holanda x Costa Rica: Olha, não tem como pensar que não será um melzinho na chupeta para o time holandês. Além da minha convicção de que uma hora o encanto costa riquenho irá acabar, o time está completamente desgastado do confronto contra a Grécia, principalmente as principais peças, Brian e Campbell. Confesso que seria uma surpresa absurda ver a Costa Rica com mais uma rodada de sobrevida. Já são a maior surpresa, e por isso, aposto na Holanda chegando em mais uma semifinal.

Argentina x Bélgica: Se olhar pela Copa toda, um jogo complicado para Messi, mas que ele poderá decidir novamente. Se olhar pelo último jogo da Bélgica, o time que prometia ser a sensação, foi no último jogo e foi muita sensação. Se antes, a sensação de que a Argentina já estava na semi assim como a Holanda, agora ainda aposto nos hermanos, mas a tarefa ficou mais difícil. Isso, sem falar no duelo entre Courtois e Messi mais uma vez. Messi pelo Barça não conseguiu vencer Courtois no Atlético em nenhuma oportunidade na temporada 2013/2014.

Faltou e falta!

Ochoa18062014

E ontem o Brasil sofreu seu primeiro revés. Não chegou a ser uma derrota, foi apenas um 0x0.

E alguns ainda dirão que o goleiro mexicano foi o melhor da partida. Sim, ele foi. O desempregado Ochoa foi bem e evitou a vitória brasileira, mesmo assim, o Brasil não pode colocar o empate na grande atuação do goleiro mexicano.

O Brasil não foi bem. Jogou mal, ainda está desarrumado, pior, desorganizado, depende muito do talento individual e aí a culpa é de Felipão sim. Grande motivador, vencedor e com a chamada “estrela”, porém não conseguiu dar uma cara tática para o time. A marcação pressão é basicamente “escolhe e acompanha até o final”, típica da nossa pelada do dia a dia.

Basta ver a diferença da Alemanha para o Brasil. O time germânico passeou em campo na segunda. Joachim Low e seus comandados mostraram o que significa “passear em campo”. A Alemanha não foi avassaladora, mas aproveitou Pepe e dominou o jogo em ritmo de treino.

Já o Brasil ontem, pressionou porque é melhor individualmente, a qualidade do time é muito superior, e não venceu porque não teve organização para isso. Basta pensar que Luis Gustavo foi o melhor pelo lado brasileiro, porque ele faz com o que o Brasil não sofra tanto.

A opção por Ramires não deu efeito, se Oscar ajuda na parte tática, não tem contribuído tanto na criação, ontem sozinho então, foi mais difícil. Além disso, o Barcelona tem judiado de Neymar. Lá, ele é coadjuvante de Messi, portanto, não pode criar tanto, precisa sempre jogar para o argentino, então quando chega aqui, quer gastar todas as jogadas que treinou no videogame. Neymar está fominha demais no Brasil, precisa entender que a seleção precisa dele, assim como ele pode usufruir dos companheiros ao redor.

Faltou Hulk, faltou “mais sorte” nos ataques, faltou um gol, faltou Neymar soltar mais a bola, mas, principalmente, falta Felipão ser mais técnico e menos pai da família Scolari.