No Brasil, não são dos Garecas que eles gostam mais…

Gareca 21052014

E o Palmeiras está atrás de Ricardo Gareca.

Gareca tem no seu currículo como treinador, um surpreendente título de Conmebol com o modesto Talleres da Argentina e boas campanhas com o Veléz como treinador.

Aliás, no Veléz, Gareca assumiu a condição nos últimos anos de dirigir o time que mais assustava os brasileiros já que River e Boca já não preocupavam tanto.

De qualquer forma Gareca é apenas uma boa aposta, chega já com algum currículo, melhor do que Mathaus e Portugal que eram apostas totais do Furacão.

Contudo, o que mais aparece em nossas queridas mesas redondas futebolísticas é o preconceito com a possibilidade de um treinador estrangeiro vingar em nosso país.

Preconceito que se unido ao medo dos seus colegas de trabalho tupiniquins torna a vida de qualquer treinador estrangeiro muito mais árdua.

Eu gostaria muito de ver um treinador com mais bagagem que o Gareca no Brasil, ou que pelo menos tivesse alguma história com o clube, como por exemplo, Arce no Palmeiras ou no Grêmio.

Já disse isso aqui pelo blog, algumas vezes, nossos treinadores são horríveis, são apenas motivadores, no máximo fazem o jogador guardar posição dentro de um desenho na prancheta.

Minha única dúvida é se eles são ruins porque a realidade brasileira de mandar um técnico por qualquer coisa é real, veja Jayme e Kleina que não me deixam mentir, portanto, eles não evoluem a questão tática, apenas aprendem a berrar mais alto, ou se eles não conseguem mesmo subir um degrau na formação de técnicos.

Criamos um nivelamento por baixo no Brasil e pronto. Nossas seleções vão longe, porque nossos treinadores tem boa mão de obra e a condição é similar a do seu dia-a-dia, juntar vários jogadores em curto período para renderem durante poucos jogos.

Hoje, só vejo Marcelo Oliveira, Cuca e Tite próximos ou até com esse degrau conquistado, e olha que não gosto do Tite, Muricy me surpreende esse ano, mas calma.

Eu não sei o que Gareca espera encontrar aqui no Brasil, se ele vem para ser o desbravador por aqui e pagar esse alto preço, venha logo, agora se for apenas mais um bom treinador querendo mostrar seu trabalho, desculpa Gareca, mas é melhor o senhor ir para o Racing ou arriscar o Celta de Vigo mesmo.

Aqui, todo erro seu será maior perante a imprensa e seus colegas de trabalho não te ajudarão (mas relaxa, porque entre eles, já rola umas boas puxadas de tapete), sem falar que se o presidente não fechar mesmo com você, os jogadores aqui no Brasil não te respeitarão tão cedo.

Gareca, no Brasil, apesar da música, não são dos Garecas que eles gostam mais.

Deixou chegar, brocou!

foto

Como anunciado por esse blogueiro, antes do confronto com o Botafogo, o Flamengo faturou o caneco. E como não podia ser diferente, Fellipe Mello continua a saga do exxxculacho pela Copa do Brasil. Segue o post do carioca marrento e campeão, ou melhor tricampeão da Copa do Brasil.

Por Fellipe Mello

Antes de qualquer coisa é preciso dizer que essa Copa do Brasil, com a participação dos melhores times do país, devolveu ao torcedor a emoção das competições mata-mata em um formato mais interessante! A competição deixou de ser “uma baba” pra virar um tiro curto rumo a Liberta pra lá de emocionante!

No trajeto rumo ao título o Mengão-Fuderosão-Pai de Todos-Brocador atropelou os melhores times do Brasil no momento, conquistando de forma icontestável a mais DIFÍCIL de todas as Copas do Brasil! Qualifico como a mais difícil de todas, pois pela primeira vez o campeão enfrentou uma competição incluindo times que jogaram a Libertadores e nas finais venceu 4 dos 5 melhores times do Campeonato Brasileiro! Prevaleceu a máxima do futebol nacional: Deixou o Flamengo chegar? Fudeu!

E hoje, pra alegria de 40 milhões e tristeza dos que esperam a novela acabar pra secar, o MUNDO amanheceu rubro-negro! Sim digo o MUNDO, pois quem pode acompanhar a caminhada rumo ao TRI da Copa do Brasil percebeu que nossa torcida tem sempre destino específico: onde o Mengão jogar, mas não tem origem: ESTAMOS ESPALHADOS PELO MUNDO, E ONDE O MENGÃO ESTIVER, NÓS ESTAREMOS!

O Flamengo de Jayme me parece resgatar algo adormecido: a Arrogância Rubro-Negra! Àquela que faz com os que vestem o manto sintam-se os picas das galáxias e os que lhe enfrentam sentir-se a virgem diante do maior comedor do planeta! Brincadeiras à parte, Jayme soube mostrar a esse grupo que o Flamengo tem tradição, usar o peso da camisa e a capacidade única de nossa torcida jogar junto como se fosse o maior craque de um time!

Ontem não poderia ser diferente, nos braços de sua torcida e com time calçando as chuteiras da humildade, controlamos a partida sem dar espaços ao Atlético, esperando pela chance de um contra-ataque! Raras foram as chances de gol delas, se é que me lembro de alguma!

Fazia muito tempo que não tínhamos um time tão ligado e vibrante em uma decisão! O Mengão parecia o pegador-master da micareta paranaense! Não passava uma curitibana em branco do nosso lado sem tomar pelo menos uma chegada firme! O Furacão era um só: aquela equipe de som do tornado muito nervoso do funk carioca!

A tônica do jogo foi essa: o Mengão-ligadão se defendendo das investidas delas e aproveitando os contra-ataques pra tentar matar o jogo! Luiz Antônio, o melhor em campo, quase abriu o placar num chute da entrada da área e numa cobrança de falta magistral que parou na trave quase fechou o caixão atleticano ainda no primeiro tempo. O segundo tempo parecia cópia do primeiro e o titulo parecia caminhar para a Gávea num zero a zero sem graça pro Mengão brocador nato quando… Paulinho tira mais um drible da cartola e deixa Elias livre pra fazer 1×0 aos 40 do segundo tempo! Festa na favela!

A confiança da torcida era tanta que a possibilidade de empate e pênaltis sequer era sentida nas arquibancadas que já gritava: É campeão!

Não demorou muito e Luiz Antônio, fez o que as curitibanas adoram: Desceu pela direita, “enfiou até as bolas” entre as pernas e cruzou na medida pra Hernane, sempre ele, aparar e BROCAR um voleio no cantinho! 2X0! Na comemoração ele gritava: “Aqui não! Aqui no Maraca não! Aqui quem manda sou eu! Aqui quem manda aqui é o Flamengo porra!!!”

Fim de jogo, caixão fechado e tri consolidado! De Brocada em Brocada nos passamos o cerol Brasil afora, criando um novo verbo para o futebolês: BROCAR! Agora parceiro é: DEIXOU CHEGAR, BROCOU!

A moda da brocada virou mania! O carioca não faz gol, ele broca a rede! O carioca não come ninguém, ele broca a mulher! O carioca não pega onda, ele broca o mar! Se algo é muito bom, deixou de ser: foda, passou a ser: BROCA! Brocar não é só gol do Hernane, é verbo, é advérbio de intensidade, é sinônimo de festa pra Nação rubro-negra!

Copa do Brasil, te falei que se eu te pegasse ia brocar sem dó e piedade, né? Ta aí, é TRI!

Libertadores? Agora o jeito é… dá uma BROCADINHA com você!

DEIXOU CHEGAR, BROCOU!

O camisa 10 nem sempre está dentro de campo…

Créditos: retirado do site Diario do Flamengo / imagem de Flavio Veloso

Créditos: retirado do site Diario do Flamengo / imagem de Flavio Veloso

Galera do blog, invariavelmente um ou outro grande amigo resolve arriscar algumas linhas aqui no blog. E dessa vez, o texto vem do flamenguista de Niterói Fellipe Mello. Todo marrento como manda a cartilha de um flamenguista, segue um texto que é um exculacho só!!

Por Fellipe Mello

A campanha pífia do Flamengo no brasileirão e a escalação no papel digna de um timeco daqueles que possuem sede nas Laranjeiras, São Januário, General Severiano e afins, anunciava que 2013 tinha tudo para ser uma tragédia para os rubro-negros.

O nosso affair com o Z4 durou alguns meses e a série B parecia a periguete da novela louca pra dar o golpe da barriga no Mais querido do Brasil. Mas o Flamengo como bom garanhão-comedor da noitada carioca, botou a capa no “menino”e mostrou mais uma vez que segunda é apenas o dia seguinte ao domingo.

Como bom cafajeste que é o Mengão deixou a mulherada acreditar que ele era bom moço e que não oferecia perigo a ninguém! E foi assim no sapatinho e na humildade que o Mengão começou a rapelar na balada, deixou a periguete da série B pro Vice da Gama comer de novo e resolveu se preocupar com a gostosa da Copa do Brasil que tava ali no cantinho e não parava de dar mole mais uma vez!

Pela frente o Cruzeiro, líder absoluto do brazuca, e a gatomestragem já cravava nossa eliminação. Porém, esqueceram o detalhe de que as mineiras adoram os cariocas, e lá fomos nós levar as 3 Marias pro motel pra mostrar como é que faz!

Suruba com as 3 Marias finalizada era hora de enfrentar as viúvas do Garrincha.

O canil de General Severiano estava em polvorosa com o Botachoro figurando no G4 durante boa parte do brazuca. A terceira idade carioca já sonhava com o título, comparava o time de 1963 como de 2013, usava a camisa da sorte do bisavô ganhou do Nilton Santos e todas as supertições que só os botafoguenses acham que funcionam, mas que nós todos sabemos que não adiantam porra nenhuma há mais de 50 anos.

Pra variar o primeiro jogo terminou empatado em 1×1. Pros chorões era mais um sinal de que algo bom estava por vir, pro Flamengo apenas aquela chatisse de ganhar mais uma vez nos pênaltis e eles terminarem o jogo em prantos botando a culpa no gandula, no massagista, na periguete atrás do gol do Jefferson e etc.

Pela milhonésima vez em uma decisão o Mengão tinha o pior time, acabara de sair da crise, jogadores jovens formados na base e um técnico desconhecido. Pra cornetagem de plantão um sinal de fragilidade, pra nós a certeza de mais um triunfo, afinal só quem conhece a favela circula tranquilo por seus becos sem tomar esculacho! E foi assim que Claudio Coutinho, Carpegiani, Carlinhos, Andrade e agora Jayme de Almeida fizeram, porque técnico o Flamengo também faz em casa.

A semana que antecedeu ao jogo de ontem alimentava as esperanças no canil e nos asilos pelo Brasil afora! O Foguinho havia vencido o Mengão no brazuca, o que era um sinal de que eles poderiam avançar na Copa do Brasil na última quarta-feira.

Eis que o maior craque da história do futebol mundial resolve anunciar sua participação! Seu nome não é Pelé, nem Zico! Ele não veste a 10 e jamais jogou pela seleção brasileira! Ele veste a 12, ou melhor eles vestem a 12! Aliás milhares vestiriam a 12! SIM, a NAÇÃO RUBRO NEGRA resolveu jogar mais uma vez! E quando ela entra em campo até Zico se rende a sua força e reconhece que maior que ela não há!

Enquanto a os flamenguistas já haviam comprado 50 mil ingressos na TV anunciava que em General Severiano o calor carioca castigava 6 idosos na fila.

Chegava então o dia do jogo! A Magnética em peso invadia o Maraca mais uma vez para que o timeco da Gávea pudesse ter um jogador a mais em campo!

Antes do jogo começar o craque Seedorf olhava pras arquibancadas destinadas ao Flamengo e parecia ter comido os famosos bolinhos alucinógenos de Amsterdam. Não queridão tu não tá doidão, é que hoje o bicho vai pegar!

Bola rolando e a Nação chamando a responsa mais uma vez! Ela atacava, defendia, avisava o ladrão e tudo mais! O nosso camisa 12 tava afim de jogo mais uma vez!

O jogo começou tenso! Muitos erros de ambos os lados! Mas dava pra ver o sangue nozóio da nossa molecada empolgada pelos berros ensurdecedores de nosso craque-maior vindos das arquibancadas.Embora a Nação seja maior que Pelé, colocar a bola no barbante nunca foi seu forte! Ficou então por conta de Hernane a responsabilidade de dar TRÊS brocadas sem tirar nas meninas choronas! Uma canela de primeira após o bololô na área, uma chapada pro chão depois do rebote de Jefferson e uma testada no cantinho decretaram a vitória! Aos 15 minutos do segundo tempo metade da torcida do botachoro já tinha ido embora: Só restavam 3 pessoas!

Mas como surra em idoso é crime, Hernane Brocador, que só não fez o quarto porque teve humildade em gol, presenteou Leo Moura que fechou os 4×0 no dia que nosso vovô-moicano completara 35 anos!

Pra finalizar eu gostaria apenas de deixar minhas sinceras desculpas à Luísa Mel e os defensores dos animais pelo nosso feito de ontem, afinal logo na semana que eles salvaram 300 beagles do instituto Royal o Mengão foi lá e matou a cachorrada!

Agora que venha nossa baranga de fé de São Januário ou o pessoal das terras das duplas sertajenas na semifinal!

Copa do Brasil, já te falei, tu é bonita, gostosa e tá me dando mole! To avisando hein, se eu te pego, eu te esculacho e ainda te troco pela Libertadores no ano que vem!

Deixou chegar, fudeu! Pra cima delas Mengão! SRN!

P.S.: O Flamengo não é um time é uma NAÇÃO! E nação meus amigos, não precisa de um camisa 10, precisa apenas da união do seu povo para vencer e é exatamente essa união que desde de 1989, quando Zico abandonou o futebol, que ensina país afora que o jogo nem sempre se ganha dentro das quatro linhas, quebrando mais um ditado popular.