Muito além de “respeito voltado”

image

E os estaduais vão chegando ao seu fim, todos os clubes da Série A viram a definição dos campeões em seus estados. 

América-RN (RN), Atlético-MG (MG), Bahia (BA), Comercial (MS), Fortaleza (CE), Gama (DF), Goiás (GO), Imperatriz (MA), Internacional (RS), Joinville (SC), Operário (PR), Remo (PA), Santa Cruz (PE), Santos (SP) e Vasco (RJ)  são os 15 campeões estaduais já definidos.

Porém, entre a virada espetacular do Bahia que reverteu um 3×0 do primeiro jogo, a alegria de ver o Santinha e o Remo campeão ou a vitória do Galo e do Santos, me atentarei ao título do Vasco.

Sim, porque apesar de achar muito estranho a vitória do time que o dirigente mais “apoiou” a Federação, teve muitas outras coisas dentro das quatro linhas que valem destacar.

Primeiro, o treinador, Doriva é bicampeão estadual. Venceu com o Ituano no ano passado e venceu novamente. Dá sinais de que uma nova safra de treinadores está saindo.

Bernardo, que entre uma lágrima e outra vai renascendo no “seu Vaxxxcao”.

Gilberto que depois de aparecer de maneira incrível no Santa Cruz foi disputado a tapa por Inter e Corinthians, mas não vingou e de repente acha seu futebol novamente dentro da Cruz de Malta.

Além disso, os incansáveis Rodrigo, Guinazu e Dagoberto (esse incansável na capacidade de colecionar títulos, muito mais do que o que corre em campo).

Acima de tudo, não tem essa de respeito voltou, o Vasco tem seu tamanho muito maior do que qualquer pessoa em uma cadeira dentro do clube, por maior que essa pessoa possa estar.

Foi como eu disse, o Vasco foi campeão estadual, e merece ser enaltecido o que fez dentro de campo, muito melhor e merecedor de título do que o feito fora.

Mais argentinos no Brasil, brasileiros no Uruguai, uruguaios no Paraguai e paraguaios na Argentina!!

Ontem, o Internacional apresentou o argentino Dátolo que passa a integrar o elenco colorado. Dessa forma, o time passa a contar com 4 estrangeiros no elenco. Guiñazu, D’Alessandro e Bolatti são os outros.

Até agora sem nenhuma novidade.

Porém, o problema está quando olhamos a regra de utilização de estrangeiros no Brasil. É autorizado o uso de apenas de 3 estrangeiros no clube durante a partida. Ou seja, o time pode ter quantos estrangeiros quiser, mas durante uma partida entre os 18 relacionados apenas 3 podem atuar.

Na minha opinião, o Brasil deveria se reunir com os clubes pertencentes do Mercosul e flexibilizar o uso dos jogadores destes países. Ou seja, brasileiros, uruguaios, argentinos e paraguaios não teriam restrição para atuar.

Algo parecido com o que é feito na União Européia. Onde as regras permitem maior utilização de jogadores de países estrangeiros, mas pertencentes a União Européia. Por exemplo, no Real Madrid, Ronaldo (Portugal), Kaká (naturalizado italiano), Ozil (Alemanha) e Pepe (Portugal) costumam ser titulares em seu time, mas não entram como estrangeiros.

Essa medida permite uma troca maior, ajudando a tornar forte todos os campeonatos sulamericanos.

Boa parte do sucesso da seleção espanhola, está no processo de globalização que seu campeonato ganhou. Com jogadores de todos os cantos do mundo disputando “La Liga” foi possível conhecer diversos estilos de jogo, para buscar aquele que seria melhor para a Fúria. Depois disso, foi só encontrar nos seus principais clubes os melhores espanhóis e comemorar o título de 2010.

Eu sou a favor de que entre brasileiros, argentinos, paraguaios e uruguaios não exista limite de utilização da “mão de obra futebolística”, que o Inter possa escalar seus 4 argentinos em campo.

E para vocês, está certo a regra que limita o uso de três estrangeiros por partida no Brasil?

Pitacos: Internacional 0x3 São Paulo

Galera do blog, ontem não vi quase nada do jogo do Brasil, preferi tirar um cochilo para ver o jogo do meu tricolor contra o Inter.

Mas, para a minha infelicidade ainda tive o desprazer de assistir a cobrança de pênaltis entre Brasil e Paraguai, simplesmente lamentável.

Voltando ao jogo do São Paulo, o tricolor veio a campo disposto a impressionar seu novo treinador, o time se propôs a jogar de igual para igual com o Inter. O tricolor aproveitou os desfalques do time colorado no meio de campo e conseguiu ganhar o jogo nessa área. D’Alessandro foi muito bem viajado e teve uma atuação apagada. Bolatti e Guinazu pouco colaboraram com a criação do time gaúcho. Em Compensação, o São Paulo contou com boa movimentação de Wellington e Casemiro, além de Rivaldo, a cada jogo que passa ficou tentando entender como o Carpegiani se recusou a enxergar o óbvio e como esse “garoto” de 39 anos sabe os atalhos dentro das quatro linhas.

O jogo estava aberto com chances de gol para as duas equipes, mas o São Paulo foi mais eficiente aos 19 minutos, em falta cobrada por Rivaldo, a bola encontrou Casemiro que só teve o trabalho de desviar para o fundo das redes.

Mesmo com o gol, o São Paulo não mudou o panorama da partida, continuou jogando de igual para igual com o Inter, que assustava com o ótimo Leandro Damião, o camisa 09 colorado brigava com os zagueiros tricolores e criava as melhores chances para o Inter.

Mas, novamente a história se repetiu nessa troca de oportunidades, o São Paulo decretou a vitória em ótima enfiada de bola para Fernandinho, o atacante entrou em velocidade e deu um “totozinho” na bola para tirar Muriel da jogada e ampliar o marcador. Brincadeiras a parte, se Pato tivesse feito isso em uma das inúmeras oportunidades que teve na frente de Villar, o Brasil estaria na semifinal.

Veio o segundo tempo e o São Paulo foi mais absoluto ainda, nem tanto pela ofensividade, mas porque não deixou o Inter criar nada na segunda etapa. Somente a partir dos 30 minutos, que o São Paulo afrouxou a marcação e sofreu um sufoco desnecessário, contudo ainda houve tempo ao apagar das luzes de Carlinhos Paraíba aumentar o placar e dar números finais a partida.

O São Paulo mostrou que tem potencial para disputar o título, o time tem plantel, algo fundamental para o título, já o Inter mostrou que possui um ótimo time, mas que falta jogadores para a longa maratona do Brasileirão, isso pode condenar o Inter na disputa do título.

Aborrescente do futebol!

Às vezes me pergunto, se alguns dirigentes são totalmente alienados ou cretinos por profissão. Vai ano e passa ano e é sempre a mesma coisa, os dirigentes sempre tentam dar um jeitinho.

Trago esse assunto a tona por alguns motivos, como por exemplo o caso Miranda – São Paulo – Atlético de Madri, Ronaldinho Gaúcho e o seu leilão, Guiñazu – Inter – São Paulo, Palmeiras – Fluminense – Edinho. Em todos esses casos, a hipocrisia foi o tom mais alto da conversa.

Não me conformo com o leilão propagado pelo empresário-assessor-irmão de Ronaldinho, uma coisa é discutir as propostas, outra é publicá-la para ganhar poder de barganha, na contra partida, não me conformo com Flamengo e Palmeiras, dois clubes falidos querendo trazer um jogador desse quilate, achando que a conta marketing se paga e pronto, eu acho que a torcida iria preferir ver um time competitivo do que um “marketeam”. Clube permanece vivo com títulos, não com propaganda.

Seguindo, sou são paulino, mas quem o Leco pensa que é para reclamar do assédio do time espanhol ao seu zagueiro sem procurar o clube. O São Paulo é um time declaradamente conhecido por persuadir jogadores em término de contrato para não ter custo nenhum, veja o caso Guiñazu, portanto o ditado já dizia “pimenta nos olhos dos outros, é refresco!”. Mas isso não torna o Sâo Paulo o vilão da história não, ou o Inter levou o menino Oscar na “boa-fé”? Ou mesmo a forçada de barra do Edinho para ir jogar no Fluminense é a forma mais honesta do mundo.

É por essas e outras, que escutamos o jargão imbecilmente dito: “futebol agora é negócio!”. Negócio? Eu aprendi que para todo negócio que preste, existe um contrato, e mais, por incrível que pareça ele deve ser cumprido. Curioso, não? Hoje, 98% das pessoas envolvidas no futebol brasileiro, não tem a menor idéia do que é um negócio. Tanto é verdade que a represália dos mercados consumidores já começou, o time hoje que percebe qualquer movimento do seu jogador brasileiro, já aciona a Fifa para evitar barulho. Foi assim com Adriano, Ricardo Oliveira, será assim com Cristian (Fenerbahce) e seria assim com Gaúcho, ou alguém acha que foi boa índole dos três clubes envolvidos resolver pagar uma quantia ao Milan.

É triste, mas o Brasil como em todas as suas áreas ainda é um adolescente metido a besta, precisa ainda aprender muita coisa com os mais velhos.

Vamos especular!!

Galera do blog mais querido, adotei o domingo para tratar de especulações do mercado da bola. Vamos apenas atualizar as novidades em relação aos post de domingo passado:

Kalil, segue reforçando o Galo, nesta semana Jairo Campos da LDU chegou para reforçar a zaga, além do atacante Muriqui que era dado como certo no Palmeiras, mas Kalil foi mais eficaz e fechou com o mediano atacante. Renê era dado como certo para ser o reserva de Carini, mas o ex-goleiro do Barueri se atrapalhou assinando um contrato com a Portuguesa e agora sua situação ficou incerta.

O Alvinegro apostou em Renato Cajá que estava encostado no Grêmio, para quem não lembra, Renato foi aquele meia que destacou na Ponte Preta, boa aposta pelo lado alvinegro. Além disso o volante Somália chegou vindo do America-RN, não posso afirmar nada sobre o jogador.

O Corinthians essa semana não apresentou nenhuma novidade.

Jóbson já está descartado, Kléber Pereira começa a surgir como opção para o ataque celeste, além disso o meia Macnelly Torres que fazia partes dos planos do Santos também entra no radar da Raposa.

No Flamengo, a novela da semana foi a renovação de Andrade, além disso independente se Adriano fica, o rubro-negro já busca parceiros para bancarem uma parte do salário de Love, assim a chance do atacante aparecer aumenta um pouco. Airton que era dado como certo no Benfica ainda é incerto.

O time parece tranquilo para a manutenção do time, fora isso mas nenhuma novidade no clube das Laranjeiras.

O Grêmio que queria trazer diversos jogadores do São Paulo campeão mundial, está agora mais propenso a trazer, Ferdinando, William e Marquinhos do Avaí, além disso o time gaúcho trocou o bom zagueiro Léo pela promessa encrequeira palmeirense Maurício, acordo feito principalmente para quitar uma dívida do clube com o Palmeiras.

Pelo lado do Inter, após as festas do centenário, uma notícia bombástica surgiu, o volante Guinazu foi oferecido ao meu tricolor, confesso que duvido muito dessa informação, acho difícil o argentino mudar de ares.

O Palestra graças a uma dívida conseguiu dar um jeito em Maurício e ainda ganhar um zagueiro melhor do que todos juntos do elenco, Léo é uma ótima para o time. Outra notícia ótima, Cleiton e Diego continuam no clube, quem afirmou foi Jota Hawilla, então dá pra acreditar… um pouco.

Dorival quer alguns jogadores, mas até agora nada.

Nesta semana, Marcelinho Paraíba foi confirmado no tricolor. Guinazu surgiu como opção do tricolor, como disse, eu duvido. O Bayern praticamente descartou qualquer chance de Breno voltar ao Brasil, mas algo me diz que o jovem zagueiro estará com a camisa tricolor no dia 07 de janeiro.

O Vasco trouxe mais duas boas opções para o time, o excelente zagueiro Thiago Martinelli que estava no Japão e resgatou Dodô, o atacante terá no Carioca para mostrar a que veio, de qualquer forma acho que caso, Elton esteja fora mesmo, precisa chegar outro atacante.

Craques do Brasileirão 2009!!

Depois de toda a festa, nem deu tempo dos jogadores flamenguistas curarem da ressaca e já estava todo mundo pronto para receber os prêmios “Craque do Brasileirão”. Vejam os vencedores:

Goleiro: Victor (Grêmio)
Lat. Direito: Jonathan (Cruzeiro)
Zag. Direito: André Dias (São Paulo)
Zag. Esquerdo: Miranda (São Paulo)
Lat. Esquerdo: Julio Cesar (Goiás)
Volante Direito: Guinazu (Internacional)
Volante Esquerdo: Hernanes (São Paulo)
Meia Direita: Diego Souza (Palmeiras)
Meia Esquerda: Petkovic (Flamengo)
Primeiro Atacante: Diego Tardelli (Atlético-MG)
Segundo Atacante: Adriano Imperador (Flamengo)

Técnico: Andrade (Flamengo)
Revelação: Fernandinho (Barueri)
Craque da Galera: Conca (Fluminense)

Em resumo, me surpreendeu positivamente a lista, acreditava que haveria mais politicagem e mais jogadores do time campeão, até porque era o time com o maior número de indicados. Mas no final, no time eleito, o São Paulo teve 100% de aproveitamento, seu três jogadores que disputaram ganharam a vaga e tornaram o time tricolor o com maior número de representantes. De qualquer forma, entendo o prêmio para Andrade, mas também não seria nenhum um pouco ruim se ele estivesse na mão do Silas, o meu preferido. Quanto a opção do árbitro, prefiro não comentar…