Punição sim, mas não essa…

gremio-racismo

Você achou que o STJD acertou na punição dada ao Grêmio?

O Grêmio foi excluído da Copa do Brasil em virtude dos atos racistas cometidos pela sua torcida na partida de ida contra o Santos.

A primeira pergunta que fica é se o time sofreria a mesma sanção se tivesse vencido o jogo em Porto Alegre, não sei, talvez sim, ou talvez fosse escolhido outra pena.

O problema é que foi essa punição escolhida. Não sei se cabe recurso, mas acima de tudo, acho que escolheram a punição errada para um crime tão grave. E aí, faço outro adendo antes de entrar na questão da escolha da punição, acho o racismo abominável e com toda a razão merece punição e muito maior do que uma mordida ou qualquer outra ocorrência dentro do futebol.

Racismo é uma mazela que herdemos que nos torna pequenos demais, imbecis demais para seguir em frente.

O problema do racismo foi resolvido pelo STJD como a mesma sensibilidade de um fazendeiro acabando com uma praga em seu gado. O boi está com carrapato? Matem o boi! Pronto, tudo resolvido, acabou o carrapato!

Outra questão levantada, pense em uma escola e durante uma aula, um grupo de meia dúzia de imbecis proferem ofensas racistas, homofóbicas ou de qualquer outra natureza preconceituosa a alguém. Fecha-se a escola? Exclui a escola do seu exercício ou pune-se os alunos individualmente?

E apenas mais uma questão. O STJD com sua decisão cria um cenário perigoso, imagina agora que seu time precisará ficar atento a todos que entram no estádio, pois pode aparecer meia dúzia de torcedores rivais infiltrados afim de eliminar seu time de alguma competição.

Torcida infiltrada será a grande contratação nessa janela de verão que se aproxima.

Enfim, as punições que Fabio Koff (presidente do Grêmio) aplicou sobre a torcida do se time foram mais punitivas do que a do STJD. A busca pelos imbecis, inclusive com julgamento e possibilidade de cadeia foram realmente o que precisa ser feito. Faltava punição real para quem comete tal crime, espero que sejam presos e sirvam de exemplo para quem ainda tem um pensamento tão atrasado.

Espero também que o STJD entenda que sua função é apenas colaborar com questões legais para o bom funcionamento do espetáculo futebol e não participar do espetáculo.

Em tempo, não se pode tirar o mérito de enfim, uma vitória contra o racismo. Uma punição mesmo que não concorde, já é uma punição. Que seja o começo do fim do racismo.

Post scriptum: Após alguns debates com meus amigos, entendo que a punição do STJD cria uma condição na torcida onde ela é co-responsável por banir essa idiotice. Seja infiltrado ou não, os imbecis serão devidamente pressionados pela torcida a se calar, sair ou até apanhar dentro do estádio por qualquer comentário racista.

Devo ter me exaltado, por não acreditar nas ideias e decisôes de tal órgao, e duvido até agora que tenham feito com tal intenção. Mas, olhando após comentários de alguns amigos, passo achar que mais importante de tudo foi a punição. O Racismo tem que acabar.

Felipão e o seu mico!

AFP-futebol-macaquinhos-f1-TL

Existe um velho ditado que sempre escutei nos lugares onde trabalhei que dizia: “tire o mico das suas costas”.

O ditado simplesmente dizia que em alguns momentos, não vale a pena o sacrifício ou a boa intenção de ajudar os outros, que você deve simplesmente cumprir com o que lhe foi pedido e tirar essa “pendências” do seus “to do” do dia a dia do trabalho.
E foi exatamente isso que Fabio Koff fez.

Não critico que ainda queira tentar Felipão, acho que as pessoas merecem chances. Eu não escolheria o treinador. Seu último bom trabalho foi com a seleção de Portugal na Eurocopa de 2004. De lá para cá, uma coleção de fracassos.

Mas, o que mais me incomodou na decisão de Koff foi a vontade de simplesmente se livrar do “to do” escolher um treinador.

Penso que como diretor de um clube, preciso entender o que pretendo com o clube, qual a filosofia, proposta que quero dar ao meu time e a partir daí decidir a metodologia que aplicarei. Nesse conjunto de decisões, a escolha do perfil do treinador deve existir. Não precisa ter um único exemplo, mas as características fundamentais que o treinador precisa ter, para que seja condizente com a proposta e filosofia que decide implementar.

Quanto vejo Enderson Moreira saindo e entrando Luiz Felipe Scolari, pergunto, qual a semelhança entre um e outro? Nenhuma. São filosofias completamente distintas. Um prega a marcação, bola longa e o time motivado. O outro prega dinâmica, vigor físico e bola curta.

Koff simplesmente escolher Felipão não consegue perceber que o elenco foi montado para o que Enderson pensava, o time foi treinado para isso e agora Felipão chega tendo que com as peças pensada pelo outro montar o time com a sua cara. Ou seja, a chance de sucesso, é pequena.

Koff, não buscou um substituto para Enderson, ele simplesmente tirou o mico das costas dele. Agora, está com Felipão e daqui a pouco com a torcida.

Quando a Política vem antes do Futebol…

fonte: uolesporte.com.br

Galera do blog é impressionante como alguns meios de comunicação são facilmente manipulados por questões políticas, como eles esquecem o motivo de existirem e jogam no lixo tudo que foi conseguido de liberdade de expressão nos últimos anos. O jornal Estado de São Paulo, publicou que o Morumbi está fora da Copa 2014 e que um “Plano B” já teria sido enviado a entidade máxima do futebol. Reportagem essa que foi totalmente desmentida, tanto pela Fifa quanto pela prefeitura de São Paulo, o Morumbi será o estádio do estado de São Paulo.

Agora, o mais incrível é que essa matéria vem justamente após a eleição do Clube dos 13. Coincidência ou não, mas Juvenal Juvêncio é persona non grata nos corredores da CBF, já faz tempo que o dirigente são paulino questiona a gestão do mandatário da CBF. E o foi o dirigente são paulino que apoiou Fábio Koff na eleição do Clube dos 13, chegando a ser o vice da chapa do candidato da situação, enquanto pelo outro lado disputava Kléber Leite (ex-presidente do Flamengo) que teve declaradamente o apoio de Ricardo Teixeira.

A vitória de Fabio Koff que teve a ajuda de Juvenal para angariar os votos necessários para que o ex-presidente do Grêmio continuasse a frente do Clube dos 13, incomodou muito a CBF, pois Koff já declarou após sua reeleição que irá mexer em feridas que a CBF odiaria que fossem mexidas, a começar pela Série B, Koff quer rever o valor negociado pela Série B.

É notório que nos últimos anos, o jornal mencionado vem se acostumando em atacar o São Paulo, assim como os times do Sul, em um ato simples e puro de represália pelo não apoio a Ricardo Teixeira, já que ele possui “alguma influência” no mesmo.

É nessas horas que vemos como o futebol explica o Brasil, um país pobre de espírito que ainda possui traços de paternalismo e preconceituoso.

Apenas para mostrar, a Fifa após a veiculação da represália de RT pelo jornal Estado de São Paulo disse o seguinte: “O problema do estádio do Morumbi está relacionado com a análise técnica do estádio. Por enquanto, o projeto apresentado estaria apto a receber jogos da fase de grupos e das oitavas de final da Copa do Mundo”, informou a Fifa em uma resposta enviada à Rádio França Internacional e retransmitida ao São Paulo Futebol Clube. Para aqueles que possuem dificuldades de interpretaçaõ de texto, explico, o Morumbi está na Copa sim, e o projeto antigo ja dava condições do time receber jogos até as oitavas.

De qualquer forma, quinta-feira a guerra continua e a resposta da Fifa sairá. Será bom para ver o quanto a entidade é idônea ou cede a pressão do dirigente da principal seleção.

Abaixo, segue quais clubes votaram em Kléber Leite e quais votaram em Fabio Koff.
Os 8 clubes que votaram a favor de Leite foram Botafogo, Corinthians, Coritiba, Cruzeiro, Goiás, Santos, Vasco e Vitória. Três indecisos, Portuguesa, Bahia e Fluminense, permaneceram ao lado do atual presidente. Também votaram em Koff Atlético-MG, Atlético-PR, Flamengo, Grêmio, Guarani, Internacional, Palmeiras, São Paulo e Sport.