Bem mais que 15 milhões!!

Galera do blog, confesso que assisti o jogo da seleção, mas não tive a menor vontade de escrever sobre um time que vence por 4×1 a “fortíssima” seleção dos Estados Unidos perdendo todas as jogadas aéreas possíveis.

O placar escondeu coisas mais sérias que acontecem na seleção, falta equilíbrio, quando o ataque vai bem, a defesa falha muito e vice-versa. Portanto, meu assunto aqui é outro. Apesar de passar pela única coisa boa dessa seleção, Oscar. O jovem garoto vai dando sinais de que o discurso do São Paulo era real sobre ele ser o novo Kaká, o menino jogou tranqüilo os dois amistosos e ainda tirou o peso da Gansodependência.

Então, o melhor jogador da seleção soube que São Paulo e Internacional chegaram a um acordo sobre o destino do jogador. O Internacional desembolsou 15 milhões de reais para ter direito ao jogador e acaba de vez com todo o litígio envolvendo os clubes.

Acima de tudo, o acordo foi bom para todos. Mesmo sabendo que ninguém era santo nessa história.

Para o Inter, gastou um dinheiro alto para ter seu melhor jogador, mas gastou um dinheiro abaixo do que ele já vale hoje.

O São Paulo recebeu uma boa grana, já que se fosse levado a últimas conseqüências provavelmente receberia menos do que o montante pago pelo clube gaúcho.

Bom para Oscar que jogará onde queria e aprendeu como deve ser respeitado um contrato, onde ele tem todo o direito de atuar por onde deseja, desde que cumpra com o escrito.

Mas melhor ainda para o futebol, que colocou uma pulga atrás da orelha dos clubes que não ivnestem na base e ficam a espera de empresários vagabundos para roubar jogadores preparados em outros times.

Que deixou essa raça de empresários canalhas (refiro aqui a apenas uma parcela, sem generalizar) de mãos atadas, a tendência é que os clubes não acreditem mais quando um tipo desse chegar oferecendo jogador de graça, apenas pagando uma “singela” comissão para ele.

Ainda a muito a se fazer para tornar mais transparente e profissional nosso esporte mais querido, mas uma primeira vitória foi conquistada.

Fora dos autos: Outra coisa importantíssima, comecei na semana passada mais uma empreitada. Estou como colunista semanal no site offline.com.br.. Continuo falando as mesmas bobagens que digo aqui, entrem lá!! Clique aqui

Que Oscar jogue onde quiser, mas que as pessoas respeitem os contratos!!

Galera trago um texto do blog do Fernando Sampaio que acredito ter sido o melhor a resumir o caso Oscar/São Paulo.

Não coloco o Inter nessa relação, pois o clube foi “mero” receptador. Espero que as pessoas, não enxerguem o caso sob um olhar miúdo, um olhar clubístico e vejam como essa decisão pode alterar as relações entre clube-jogador. Principalmente na defesa do clube formador. Confiram abaixo o ótimo texto…

Por Fernando Sampaio
Há um mês, os desembargadores da 16ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo deram provimento ao recurso do SPFC por unanimidade, corrigindo a sentença da juíza Eumara Nogueira Borges Lyra Pimenta, da 40ª Vara do Trabalho de São Paulo.

A decisão havia sido realmente ridícula.

O resultado de 3×0 comprovou a falta de embasamento.

Apesar da decisão, Oscar continuou no Internacional. Claro, faltava o TRT esclarecer que a CBF deveria resgitrar o meia como atleta do SPFC. Esta semana saiu o esclarecimento. A CBF resgitrou Oscar como atleta do São Paulo. Agora ou Oscar volta, ou paga a multa.

A tentativa de calote, sair sem pagar e não cumprir o contrato, fracassou.

Cabe recurso? Sim, Oscar pode recorrer a Brasília. Mas enquanto a decisão não sair, ele estará resgistrado no SPFC, e a chance de mudar uma decisão de 3×0, é pequena.

A sentença não é uma vitória isolada do São Paulo. É uma vitória da do futebol brasileiro. A decisão dá garantias aos clubes e investidores. Moraliza o mercado. Fecha as portas aos espertalhões que vivem procurando atalhos para lesar os clubes, principalmente os clubes formadores. Oscar foi mal orientado. Pagou o preço.

Oscar voltará ao São Paulo? Não acredito, mas isso também não importa.

O mais importante nesta decisão é que os tempos mudaram. Acabou aquela jogada de cair fora dando o calote no clube. Com certeza o jogador continuará escolhendo o clube, como nós escolhemos nossas empresas. Ninguém é obrigado a trabalhar onde não quer. Isso é óbvio, mas se existe multa recisória no contrato, tem que pagar. Calote pega mal.

Imagine se isso acontece com grandes executivos do mercado empresarial.

Ridículo, só mesmo no futebol brasileiro.

Antes de mais nada é preciso esclarecer que o Internacional não é parte envolvida. O clube sabia da situação, mas não deve nada. Caso queira ficar com o atleta aí sim terá de pagar R$ 10 milhões ao São Paulo. Acho um bom negócio para o Colorado.

Chapéu não colou.

100 anos de perdão ou muitos anos de liberdade para as raposas atacarem?

E ladrão que rouba ladrão…

O Tribunal de Justiça de São Paulo deu ganhou de causa para o São Paulo no processo contra o jogador Oscar.

Dessa forma, Oscar deverá ser reintegrado pelo São Paulo ou pagar a multa de 9,5 milhões de reais para continuar no Internacional.

Oscar ainda pode entrar com recurso para reverter o julgamento.

O que isso significa?

Muito mais do que analisar a relação entre dois clubes, um jogador e seu empresário, está em jogo um processo tenebroso no futebol brasileiro.

Que fique muito claro que nessa história ninguém é santo ou dono da razão. Todos são culpados, clube, jogador, família e empresário.

Caso Oscar vença a causa, e tenha direito a continuar no Inter será uma sentença de prato cheio para os maiores carniceiros do futebol brasileiro. Nossos empresários.

Eles se sentiram a vontade em rondar todos os grandes clubes e antes deles completarem 18 anos, aliciarão jogadores a rodo pelos clubes, tornando nosso futebol ainda mais refém desse personagem ingrato.

Caso a decisão seja favorável ao São Paulo, os clubes poderão fazer mais escancaradamente o processo de emancipação de seus jovens talentos. Permitindo aos clubes que aproveitem uma brecha na Lei Pelé.

Sinceramente, no atual cenário do futebol, espero que a decisão seja favorável ao São Paulo. E aqui não estou defendendo um clube não, muito menos todos. Estou acreditando que está é uma forma mais equilibrada de diminuir poderes de quem anda dominando o futebol.

Essa seria uma boa forma de garantir 100 anos de perdão aos clubes brasileiros.

Rapidinhas do Camisa 10 – 16.11.2011

Empresários F.C. Muito mais do que manter Neymar, o Santos causou rebuliço nos bastidores do futebol. Com a enorme possibilidade em deixar os empresários da jóia sem nenhum centavo, o Santos comprou briga com aqueles que achavam que dominavam o futebol. Muitas coisas vão mudar daqui pra frente.

Barraco nos pampas. Com a chegada de Dagoberto no Inter e Kléber Gladiador no Grêmio foi aberta a temporada de “mimimi” no Sul. Dois jogadores com bom futebol, mas péssimo caráter estão achando que ganharam na Mega Sena gaúcha. Minha sensação é que em menos de 6 meses Dagoberto será amado pelos gremistas, enquanto Kléber será idolatrado pelos colorados. É pagar pra ver!!

Seleção que nos alegra. Já que nossa escrete prefere enfrentar múmias e buracos de terra, a alegria fica por conta de nossos hermanos que empatam com Bolívia e passam por aperto para virar contra a Colômbia. Isso tudo tendo o melhor do mundo no elenco. É muita alegria!!

Restam 09 vagas. Em breve, o Brasileirão chegará ao fim e teremos a famosa eleição dos melhores do Brasileirão. Dedé e Neymar já estão garantidos a pelo menos umas 10 rodadas de antecedência. Alguém discorda?

Entre um amistoso e outro. A Espanha continua dominando a posse de bola, mas sempre que perde é questionada. O Uruguai mostra que mesmo quando não joga bem, vence. E a Alemanha é ao meu ver, a melhor seleção do mundo atualmente disparadamente.

Velho continente, novas surpresas. Você sabia que a Udinese é a líder do campeonato italiano, que o Levante é o “inconveniente” no espanhol, que o Manchester City parece ter virado grande de vez na Inglaterra e que um time do Chipre lidera um grupo da Champions.

Religião não se discute Após Kaká se “desfiliar” a igreja que frequentava ele aproveitou para reaver seu troféu de melhor do mundo. O artefato já está na sua casa.

Capital Buenos Aires. Nossa querida Fifa, já começou a preparar seu site (na versão em português) para a Copa no Brasil. Para se ter uma idéia, eles indicam uma pousada em Angra do Reis com ótima localização, entre a Avenida Paulista e Avenida Ibirapuera e a duas horas do Maracanã. Ótimo, não?!

Pimenta nos olhos Após realizar uma pesquisa de intenção de voto e perceber que Mario Gobbi sofre alta rejeição, Andrés Sanchez cogita realizar manobra parecida com a de Juvenal Juvencio para se manter no poder. Passaremos a ter duas ditaduras em São Paulo então.

Desconfiança mineira. Os cruzeirense já não se preocupam mais com seu rival na última rodada. Eles já dão como certo que o Galo estará tranquilo na última rodada o que facilitaria as coisas. O medo agora é a filial. O América-MG começa a se aproximar perigosamente.

Latifúndio Futebol Clube

Apesar de todos os holofotes neste momento estarem no destino de Ronaldinho Gaúcho, uma declaração não pode passar despercebida neste início do ano. Ela foi dada por Roberto Brum, dispensado do Santos, na declaração ela evidencia ainda mais, o caos administrativo que nosso futebol vive.

Brum afirma que a demissão de Dorival Júnior, não foi promovida pelo presidente e sim por um grupo de empresários que detém boa parte do passe dos jogadores santistas. A demissão foi forçada após o afastamento de Neymar, sob a ameaça do não pagamento dos salários de todos os jogadores. E é exatamente, por essa ameaça que a informação não pode passar despercebida.

Mesmo que nos detalhes algumas informações sejam estapafúrdias, o que fica evidente é a influência cada vez maior dos empresários no comando do clube. Tornando o clube, apenas objeto de valorização de seus bens (jogadores), parece uma analogia das nossas aulas de história no colégio. Os empresários são os grandes países europeus exploradores, enquanto os clubes, são suas colônias de exploração, invadidas e dominadas apenas para roubar suas riquezas e convertê-las em lucro, e quando não rendem mais, largam as terras devastadas.

Temos sérios problemas desde de que a Lei Pelé foi criada, de maneira inocente ou cretina demais, a lei foi aprovada olhando apenas a ótica do jogador, de forma superficial, e hoje clubes, empresários e os próprios jogadores confudem profissionalismo e globalização, com as famosas corridas do ouro, tão egoístas e agressivas.

Brum sofrerá duros golpes, por falar uma verdade que ninguém assumirá e que ele nunca terá fatos ou documentos para comprovar.

Que as palavras ditas por este jogador sejam tratadas pelo peso delas e não pelo futebol dele.