Pitacos: Brasil 0x0 Venezuela

Galera do blog, ontem foi dia de ver o jogo do Brasil, tinha criado uma boa expectativa sobre a partida, já que no papel a
seleção tinha muito qualidade.

Porém, no jogo o time deixou a desejar, principalmente pela falta de entrosamento faltou compactação, o time tinha buracos entre defesa e meio campo e entre meio campo e ataque.

No primeiro tempo, o time fez uma partida razoável, Pato buscou bastante a bola, mas faltava alguém para jogar mais próximo dele, Neymar ficou muito encostado na ponta esquerda e Ganso foi “engolido” pelos volantes venezuelanos. Robinho era quem mais aparecia para o jogo, na minha opinião fez um bom primeiro tempo, nada excepcional, mas lembrando que desde a Copa América de 2007 ele não faz nada excepcional, então, foi uma boa atuação dele no primeiro tempo. Aliás, tirando ele, Pato e Lucas Leiva, os demais não jogaram no primeira etapa.

Veio o segundo tempo e eu acho que a conversa do intervalo teve efeito contrário, ou a conversa venezuelana foi mais promissora, veio o segundo tempo e o Brasil piorou seu futebol, muito porque Pato sentiu o cansaço e não conseguia mais incomodar a defesa adversária e porque Robinho também cansou de buscar a bola. Só depois da entrada de Fred e Lucas que o time mostrou uma melhora, muito mais porque a entrada de Lucas fez Dani Alves entrar no jogo. Mesmo assim, essa melhora foi mínima e o Brasil não conseguiu inaugurar o placar da Copa América.

Nem tanto ao céu, nem tanto ao inferno, a seleção fez uma má partida, mas longe de ser um desastre, ficou nítido que falta “quilometragem” para o time, mas falta principalmente a famosa compactação, para não se criar buracos no time, característica essa que Muricy é mestre em resolver. Se Mano, não começar a mostrar de fato a que veio, a sombra de Muricy pode crescer. Eu, apesar de achar Muricy muito melhor, acredito no trabalho de Mano, e tenho certeza que o resultado ainda virá nessa Copa América.

Além disso, quero fazer umas observações sobre alguns jogadores específicos.

Ficou claro para mim é como Ramires e André Santos distoam dos demais na questão de qualidade, você percebe que os dois apesar de bons jogadores não acompanham o raciocínio dos restante do time. Marcelo, mais cedo ou mais tarde deve ser o titular da lateral esquerda, enquanto Ramires, tem no banco da seleção adversários superiores, Elias e Elano são melhores que Ramires na minha opinião, além de Hernanes.

Neymar e Ganso foram discretos demais na partida de ontem, apesar de Robinho ter sido melhor do que os dois ontem, acredito que com Lucas o time fica mais equilibrado, pois o meia são paulino consegue tabelar com Dani Alves e fazê-lo jogar, a única questão que escutei o PVC comentar ontem é que com Lucas no lugar de Robinho a média de idade do ataque brasileiro será de 19,7 anos. Eu particularmente, não ligo.

Para fechar, Lucas Leiva foi na minha opinião o melhor jogador da partida ontem. E pelo que eu vi de Paraguai e Equador, o Brasil passa em primeiro tranquilamente nesse grupo.

E vocês, o que acharam da seleção?

Anúncios

Pitacos: Santos 1×0 Cerro Porteño

Galera do blog, ontem acompanhei ao jogo do Santos contra o Cerro Porteño, vitória por 1×0, mas a sensação de que podia ser melhor ficou no jogo.

O Santos veio a campo com 5 volantes, um adaptado na lateral direira (Pará) e um fazendo função de articulador (Elano), o Cerro também mostrou porque tomou apenas 1 gol nessa fase de mata-mata, o time joga bem fechado e adota a filosofia do anti-jogo, se dependesse do time paraguaio, todos os jogos terminariam 0x0.

Diante disso, o que se viu durante o jogo foi muita briga no meio de campo, algumas jogadas mais ríspidas por parte do time paraguaio e sempre Neymar criando os lances mais perigosos no jogo.

E foi em um lance com ele, que o Santos chegou ao gol, Neymar foi para cima de seus marcadores, deixou todos eles para trás e cruzou na medida para Edu Dracena testar para o fundo da redes. Antes de acabar o primeiro tempo, ainda houve espaço para Rafael fazer uma defesa milagrosa e evitar o empate paraguaio. Assim acabava o primeiro tempo.

Veio o segundo e pouca coisa mudou no cenário da partida, o Santos continuava a dominar a partida e criar algumas chances com Neymar e o Cerro assustava apenas com os cruzamentos. O Santos podia ter aumentado a faturar e carimbar o passaporte para a final, mas Zé Eduardo segue em péssima fase e Alan Patrick entrou no final do jogo e ainda teve um lance incrível onde desperdiçou um gol praticamente feito.

No jogo gostei das atuações de Rafael (apareceu em um único lance e foi decisivo, diferente de outros…), Danilo e Léo, além é óbvio de Neymar, cada jogo que passa fica a certeza que o Santos está lançando para o futebol dois dos maiores jogadores da história, Ganso e Neymar vão ao final da carreira chegar entre os melhores.

Apesar das chances perdidas, o futebol apresentado pelo Cerro não mudará quase nada no Paraguai, O Cerro não tem um jogador decisivo, tem em Fabbro seu melhor jogador, mas que não requer nenhuma marcação especial, o Santos tem Neymar e ao meu ver o time deveria jogar com Maikon Leite e Alan Patrick no jogo de volta, com eles o time ficará leve para os contra ataques e terá tudo para vencer os paraguaios novamente fora de casa.

Pitacos: Santos 1×1 Once Caldas

Galera, ontem cheguei tarde em casa e vi boa parte do segundo tempo, e pelo que vi nos melhores momentos e escutei nas mesas redondas depois, a análise de Birner abaixo é mais próxima da minha percepção, quanto ao jogo. Confesso que cada jogo que passa em 2011, aumenta mais minha admiração ao futebol de Neymar.

De Vitor Birner

Santos 1×1 Once Caldas

Os jogos do Santos parecem a repetição um do outro. As diferenças são pequenas.

A força defensiva e o talento de Neymar têm garantido os resultados necessários.

De vez em quando aparece outro personagem, tal qual Arouca na final do paulistinha.

Contra o Once Caldas, a zaga errou uma vez, não apareceu o destaque da noite, mas o sistema defensivo e Neymar de novo deram ao Santos o resultado que precisava.

Responsabilidade toda de um lado

Favorito no jogo para chegar à decisão da Libertadores junto com o Vélez Sarsfield, toda a responsabilidade ficou nas costas do Peixe.

O que o Once Caldas poderia perder no Pacaembu?

Se conseguisse o feito de eliminar o Santos, seria tratado como o incrível e surpreendente visitante.

Em caso de classificação santista, tudo estaria dentro dos conformes.

Santos controla o jogo

Muricy escalou Danilo no lugar de Jonathan, machucado e repetiu o restante da formação titular nas últimas partidas (sem Ganso).

Adriano foi o volante que trabalhou apenas nos desarmes.

Elano, na direita, e Arouca, na esquerda, completaram o trio da posição, todavia ajudaram na articulação dos lances ofensivos.

Neymar na meia, Alan Patrick do lado esquerdo do ataque e Zé Eduardo, o centroavante, foram os três mais avançados do Peixe.

Por causa da excelente marcação, que começou na saída de bola, o Santos recuperou a redonda com bastante facilidade, trocou passes no ataque e mesmo sem criar chances de gol, e deixou o torcedor confiante.

Once Caldas era, sem exageros, inofensivo.

Moreno, Mirabaje e Carbonero, os 3 meias que também se aproximaram do centroavante Renteria, além de Cuero, que avançou para auxiliar o ala Nuñes só corriam atrás dos anfitriões.

Simples e perfeito

Aos 11 minutos, após a dividida de Danilo, a bola sobrou para Neymar na entrada da área.

Com a simplicidade tão grande quanto seu talento, ele obervou o espaço entre os zagueiros e chutou bem.

O goleiro Martínez não chegou.

Tranquilo até o empate e mudança forçada

O santista precisa se acostumar com o estilo novo da equipe.

A criação depende de Neymar, Ganso ou do dia insipirado de um dos volantes.

Sem o meia e a luz de Elano, Arouca ou Danilo, a superioridade não se tranformou em oportunidades de ampliar a vantagem.

Aos 23, Alan Patrick saiu por conta de uma lesão muscular.

Pará entrou na lateral, Danilo voltou à função de volante, Elano passou a ser o meia e Neymar o atacante.

Aos 26, Elano chutou com perigo.

O domínio do anfitrião servia apenas para evitar o adversário de levar perigo.

Um cruzamento e tudo mudou

Aos 29, o Once Caldas, que não havia feito absolutamente nada, empatou.

Bola parada, cruzamento na área, desvio de Mirabaje, rara bobeira da zaga santista e gol de Renteria.

O campeão da Libertadores em 2004 cresceu.

Passou a tocar a bola na frente e dar espaço aos contragolpes.

O Santos pecou na jogada que poderia definir o confronto.

No intervalo deu para observar a preocupação dos torcedores que lotaram o Pacaembu.

Mau momento de Zé Eduardo

O centroavante, na primeira jogada da etapa complementar, recebeu a bola cara a cara com o goleiro. Estava impedido, a arbitragem não viu e ele chutou por cima.

Aos 4, de novo ele perdeu boa chance.

Aos 23, mal em campo, se machucou e Keirrison entrou.

Perigo

A pressão psicológica dos brasileiros aumentou ao longo do segundo tempo.

Qualquer ataque do Once Caldas, seja perigoso ou não, silenciava os mais de 33 mil.

Aliás, chance clara de virar o jogo os colombianos tiveram apenas em cobranças de faltas e cruzamentos.

Falharam no último passe quando contra-atacavam.

Joga muito!

Em campo, o Santos mantinha a superioridade e a extrema dependência de Neymar.

Só os lances individuais do craque produziam algo na frente.

Ele infernizou o lateral Palacio e os zagueiros Amaya e Henriquez com dribles para todos os lados.

Aos 38 ele sofreu pênalti. Deixou Amaya sentado.

Neymar ou Elano?

Aos 40 Neymar cobrou o pênalti e o goleiro defendeu.

Não vou criticar de forma oportunista o erro do melhor da partida.

Muricy deve definir quem tem a prioridade nas penalidade.

Elano ou o jovem?

Vida mansa

Apesar da situação gerar nervosismo, basta observar que Rafael não foi obrigado a fazer uma defesa difícil sequer.

O Santos mereceu a vaga na semifinal.

Favoritíssimo

Cerro Porteño e Jaguares disputam o direito de encarar o Peixe na semifinal.

O Santos é muuuuuuuuuuuuuito melhor que eles.

Sofreu com os paraguaios na fase de grupos antes de Muricy chegar.

O Cerro está apenas na sétima posição do Apertura, não marca bem e tampouco possui talentos na frente comparáveis aos do Peixe.

Acabou na lanterna do grupo 3 no Apertura depois de ganhar 4 partidas, empatar 2 e perder 11.

O Santos é bem superior aos 2 e favorito para decidir a Libertadores.

Pitacos: Once Caldas 0x1 Santos

Galera do blog ontem acompanhei a dois jogos da Libertadores, primeiro Peñarol 2×0 Universidad Católica e depois Once Caldas 0x1 Santos.

Não vou me alongar muito no jogo do Peñarol, o time uruguaio conseguiu um “injusto” ótimo resultado. O time chileno jogou de igual para igual, mas contou com uma noite infeliz de Garcés (goleiro) e Pratto (atacante). Garcés foi totalmente infeliz nos gols do Peñarol, principalmente no último, uma falha bizonha nos acréscimos que ao meu ver determinará a eliminação do seu time. E Pratto, ótimo atacante (se algum clube brasileiro precisa de um camisa 9, olho nele!!), mas que ontem a bola parecia fadada a não entrar, batia na trave, zagueiro tirava em cima da linha, goleiro que defendia bola difícil. No fim, o Peñarol está com as cartas na mão e souber usá-las sai com a classificação surpreendente para mim.

Agora, vamos falar do Santos. O Santos veio a campo desfalcado de Ganso, mas mesmo assim soube impor seu jogo, dominou as ações no meio de campo e fez um jogo tranquilo contra o time colombiano. Aliás, desde que o Muricy chegou ao time do litoral paulista, essa característica vem sendo evidente, o time santista toma poucos sustos, o time está muito mais equilibrado, tem uma composição defensiva eficiente, mesmo no jogo contra o Corinthians, a sensação que passa é que o time do Santos “sabe que não vai perder”, mériro de Muricy, mesmo em tão pouco tempo.

Voltando ao jogo, o time do Santos travou bem o meio de campo e usou muito as laterais para sair jogando, Jonathan e Léo foram muito acionados durante a partida toda, tanto que Léo no segundo tempo cansou e deu lugar para o jovem Alex Sandro. Além disso Neymar era Neymar, toda bola que chegava para ele, era um “Deus nos acuda” para a defesa colombiana e foi com ele que o time chegou ao primeiro e único gol da partida, em boa trama individual de Neymar, o camisa 11 encontrou Alan Patrick sozinho, o substituto de Ganso só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes. Assim terminava o primeiro tempo.

No segundo tempo, o Santos continuou pressionanto o time colombiano e Neymar como sempre fez mais “uma vítima”, o zagueirão Calle cansado de tanto tomar drible, apelou e foi expulso corretamente. O santos ainda esteve mais próximo do segundo gol do que o Once Caldas de empatar. No final, vantagem mínima para o Peixe no jogo e vantagem imensa para a partida de volta.

Durante o jogo, outra característica interessante foi o posicionamento de Elano, se no início do ano, o volante aparecia mais para o jogo, às vezes até como um meia, desde a chegada de Muricy, o camisa 8 santista tem jogado de maneira similar a forma como ele atuou na seleção de Dunga, o que particularmente eu prefiro. Dessa forma, Elano, é tão bom na parte ofensiva como na defensiva.

Em resumo, gostei muito do que vi ontem no jogo em Manizales, um Santos jogando mais bonito para a conquista do título e não como um time de circo. Neymar e Muricy tem tudo para levantar o caneco mais desejado da América.

Pitacos de 11.04.2011

Galera do blog, ontem acompanhei os jogos de São Paulo e Santos. Abaixo uma breve análise.

No jogo do meu tricolor, o São Paulo dominou facilmente a partida, principalmente por duas evidências, a primeira de que o time do Noroeste é muito fraco, a segunda porque Marlos (acreditem!!) resolveu tocar e trabalhar mais a bola com seus companheiros. Ainda sobre a primeira evidência, já acompanhei os jogos de todos os times neste Paulistão e para mim os quatros que hoje estão na zona de rebaixamento merecem continuar na próxima rodada. Principalmente, Noroeste e Ituano, na minha opinião os dois piores times desse campeonato.

Voltando ao fator Marlos, espero que se torne rotina na vida do menino a atuação de ontem, longe de ter sido uma atuação magistral, mas o aspecto coletivo melhorou muito o que contribui para o time. Outro que teve ótima atuação foi Rivaldo, o camisa 10 do tricolor vai mostrando que vai ficar difícil para Carpegiani montar o tricolor daqui para frente. Assim, como William Jose que entrou no lugar de Rivaldo e mostrou que o time precisa de um centroavante. Bom, Carpegiani que é pago para pensar no time que deve ser titular.

Provavelmente, o São Paulo deve pegar na próxima fase a Ponte Preta o que em tese ao meu ver é um dos confrontos mais tranquilos, na verdade apenas Mirassol e São Caetano (meu favorito para ficar com a oitava vaga) podem dificultar a vida dos quatro grandes.

No jogo do final da tarde o Santos foi a Americana enfrentar o time da casa, na verdade o Santos foi, mas não entrou em campo. O time estava apático, sem muita criatividade, a chuva que caiu na cidade deixou o campo pesado e dificultou o jogo santista. Maikon Leite, Zé Eduardo e Elano tiveram atuações discretíssimas. Neymar tentou buscar o jogo, mas só teve uma atuação razoável no segundo tempo após a entrada do seu companheiro Ganso.

O time do Americana até podia ter vencido a partida, mas faltou um pouco mais de ímpeto para o time do interior, aliás, Muricy deve estar se coçando inteiro, o time do Santos é notável que é excelente do meio para frente e abominável na defesa. Durval e Edu Dracena são zagueiros razoáveis, mas que não possuem um bom volante de contenção para ajudar. Contudo, ontem a situação foi agravada, a zaga reserva santista é de se preocupar, Bruno Aguiar é fraco e Vinicius está abaixo de Bruno Aguiar, prefiro nem qualificá-lo.

De qualquer forma, o Santos disputa com o Corinthians o terceiro lugar no campeonato. Além de como disse no meio do post, acreditar que o São Caetano fica com a oitava vaga.

Como esse paulista conta o momento dos times, por ter um mata-mata, aposto em uma final entre Palmeiras e São Paulo, não necessariamente eles são os melhores times do campeonato, mas vejo os dois com maiores chances de avançarem nos próximos confrontos.

Pitacos da Rodada – 21 02 2011

Galera do blog, hoje vou fazer meus pitacos sobre dois jogos, São Paulo 4×0 Bragantino e Corinthians 3×1 Santos.

Sobre o meu tricolor, admito que ainda estou com aquela dúvida, acredito que o time pode voar longe em 2011 ou será apenas um futebol vistoso contra os considerados “pequenos”. Confesso que o que vi nos jogos contra Treze-PB e Bragantino me deixaram esperançoso a respeito do time. As contratações que pareciam não vingar nos últimos anos, parecem que foram cirúrgicas neste ano. Sem contar Lucas, o camisa 07 do tricolor voltou voando do sub20.

Carpegiani parece ter se rendido ao esquema 3-5-2 e o time respondeu rapidamente. O time está demasiadamente leve, o que eu particularmente acho excelente. Contudo, o time ainda precisa encontrar equilíbrio quando está sem bola. Os jogadores ainda não entenderam muito bem a parte defensiva do esquema, e às passam a sensação de correrem mais do que deveriam e de forma desordenada.

De qualquer jeito, estamos apenas no início da temporada. Vejo que Carpegiani tem um imenso diamante nas mãos que basta ser bem lapidado.

Bom, se Lucas voltou voando depois do sub20, o mesmo não dá para dizer de Neymar, o postulante a craque parece estar cansado da rotina de jogos e não está rendendo tudo que pode, os últimos dois jogos dele foram, talvez, os piores com a camisa santista. Inclusive o de ontem contra o rival Corinthians.

O clássico não foi emocionante, muito pela vocação defensiva de Tite que esfria qualquer jogo. O que no caso de ontem foi ótimo, já que o time santista é muito superior tecnicamente. Dessa forma, Tite soube anular o time santista e ainda contou com a sorte dos jogadores de frente santista estarem em uma péssima tarde, só sobraram os perigosos chutes de longa distância de Elano.

Do lado corintiano, uma grata surpresa, o time até criava boas jogadas pelas laterais, mas foi em uma falta central que o lateral Fabio Santos resolveu acertar um belo chute e abrir o marcador. O Santos conseguiu empatar com um belo chute de Elano, mas no início do segundo tempo, um lance infantil de Adriano, o Corinthians teve um pênalti que Fabio Santos bateu e colocou o Corinthians novamente na frente.

A partir daí, o Santos se lançou todo para o ataque e não teve sucesso, a tarde era mesmo infeliz. Tanto que Diogo não conseguiu dominar uma bola que Ralf tomou e lançou Liedson cara a cara com Rafael, “Levezinho” só teve o trabalho de decretar a vitória corintiana.

No fim das contas, o Corinthians começa bem sua nova fase, mas ainda precisa de muitos ajustes, da mesma forma o Santos deve entender que teve apenas uma tarde infeliz