Pitacos: Santos 2×1 Corinthians

Galera do blog, ontem acompanhei a final do paulista, que terminou com a vitória de 2×1 para o Santos.

Durante a partida, aliás durante os 180 minutos da final, o Santos dominou todas as ações do jogo, foi superior ao Corintians e construiu o resultado de forma tranquila.

Do lado santista, reforço o que disse em posts passados, a chegada de Muricy mudou o time do Santos em pouco tempo, o treinador parece ter conseguido conciliar a forma compacta que ele gosta de ver o time jogar com o DNA ofensivo do Santos. Resultado disso, que o time do Santos quase não tem levado gols desde a chegada do técnico, aliás o de ontem foi muito mais por relaxamento do que mérito do adversário.

Individualmente, a dupla de zaga santista fez um partidaço ontem, Durval parecia zagueiro de seleção, Arouca foi o craque da partida, Adriano tem jogado muita bola e Neymar foi discreto para o que se espera dele, mas foi decisivo como os grandes craques devem ser nas partidas importantes. Confesso que estou impressionado com a maturidade de Neymar em 2011, o moleque mimado ainda tem suas crises, mas parece mais preparado para o jogo coletivo.

Do lado corintiano, o time até que fez uma boa partida dentro das suas limitações, mas é evidente que o time precisa de reforços para começar na linha de frente, com as saídas de Dentinho e Bruno César, e o “sumiço” de Jorge Henrique, o alvinegro precisa trazer um ataque titular inteiro. A chegada de Alex é ótima, mas o time precisa de mais. Do meio para trás também, o time é esforçado simplesmente, Fábio Santos, Castan e Paulinho são ótimos para compor elenco, não para titulares. Alessandro não tem reserva, e Júlio César é um bom goleiro, mas não o titular da meta corintiana, goleiro de verdade não faz defesas mirabolantes em algumas partidas, faz defesa fundamental em jogo decisivo.

Em resumo, o Corinthians precisa passar por uma reformulação, e toda reformulação precisa de tempo, isso que a torcida precisa entender. O objetivo do Corinthians esse ano será se classificar na Libertadores, enquanto o do Santos é disputar o título do Brasileirão, aliás na quarta-feira faço uma análise dos times na Série A.

Parabéns Santos!!

Pranchetando o Santos

Galera do blog, resolvi mais uma vez me meter a besta e analisar algum time, dessa vez vamos falar um pouco do time sensação, o Santos. Veja ao meu ver como é a disposição tática do time da Vila:

Vendo a maneira como o time joga, já notamos algumas diferenças do que atualmente acontece, ao meu ver o time do Santos espalha mais seus jogadores em campo, mais ou menos como aquela história do piloto que aproveita a pista toda.

Uma das maiores vantagens para mim desse time, está no banco, Dorival Junior é um dos grandes responsáveis por esse encanto que o time tem provocado, e tudo isso por uma frase dita desde de que me entendo por gente no futebol, “A melhor defesa é o ataque!”.

Dorival é inteligente e percebeu que o time do Santos não possui em seu elenco jogadores de grande capacidade defensivamente, portanto aproveitou o impeto ofensivo da molecada e criou uma blitz na própria defesa adversária e é isso que faz o Santos funcionar, mesmo assim quando o time é atacado a recomposição defensiva é muito rápida, graças a leveza dos seus jogadores de meio.

E é no meio que está uma das principais peças dessa engrenagem santista, trata-se do menino Wesley, o garoto que joga com a camisa 05, tem papel fundamental no time, quando ele ataca, ele vira um ponta na direita, principalmente para ocupar o espaço que normalmente as defesas adversárias deixam daquele lado. Esse espaço é deixado, porque quando o time joga com Neymar e Robinho abertos nas pontas, quase sempre aquele que estiver no lado direito carrega a marcação dupla do lateral e do zagueiro, criando uma avenida para Wesley subir.

O menino tem liberdade para atacar, pois o lateral direito foi sabiamente improvisado por Dorival, é Roberto Brum que não sobe e sabe cobrir bem o espaço deixado por Wesley já que Brum é volante de origem. Quando precisa defender, Wesley volta rapidamente para cobrir o avanço do armador adversário, enquanto Arouca já faz a proteção junto com Brum.

Além disso na frente, mesmo quando Robinho ou Neymar estão ausentes, Marquinhos ou Madson podem entrar, junta-se a isso a inteligência de Ganso que sabe quando está bem marcado e leva seu marcador para longe deixando um buraco para Marquinhos jogar.

O maior problema do Santos ainda está na defesa, devido ao impeto ofensivo, quando um adversário consegue acertar um bom contra ataque, principalmente pelo lado esquerdo, encontra a defesa santista no homem a homem, e mesmo sendo uma dupla experiente, dá sinais que só a experiência não basta.

De qualquer forma, no último jogo do Santos, Dorival mostrou o quanto ele escolta seu time no poder ofensivo que ele tem, o jogo estava 4×1 para o Santos quando ele resolveu tirar um volante para colocar um atacante, quando o Santos ampliou para 5×1, ele tirou um lateral-esquerdo e colocou um meia-atacante e para terminar quando o time vencia por 6×1 ele fez a última substituição, tirando um zagueiro para colocar um volante.

Ou seja, o Santo terminou a partida, com 01 goleiro, 01 zagueiro, 03 volantes, 03 meias e 03 atacantes. Resultado para quem não lembra, 09 x 01. Apenas para evitar os comentários de sempre, pode ser que não era um grande time, mas que eu me lembre nenhum time esse ano chegou perto de tal marca. São 19 jogos e 61 gols, mas de três por partida.

Pelo jeito a velha máxima tem funcionado, “A melhor defesa é o ataque!!”