Burro com sorte, inteligente e com asa…

levirculpi-atleticomg-fernandomartins-6

Lógico que é só o início.

Lógico que é apenas pré-temporada.

Mas o ínicio do Atlético-MG ontem foi arrasador.

O Galo enfrentou o Shakthar e venceu por 4×2, sendo que o time mineiro chegou a abrir 4×0 nos ucranianos. O time que começou foi Victor, Marcos Rocha, Leonardo Silva, Jemerson, Douglas Santos, Leandro Donizete, Rafael Carioca, Luan, Carlos, Datólo e Pratto.

Um time leve, extremamente leve. Com um proposta de jogo ofensiva, com dois volantes que sabem jogar e um trio a frente muito rápido e de muita movimentação. E Pratto confirmou as expectativas. Tem faro de gol e ótima movimentação, características do novo centroavante.

Levir parece ter achado uma fórmula para deixar os garotos que subiram a vontade. Dodô é uma grata surpresa, desde a reta final do brasileiro do ano passado e mesmo no jogo de ontem, o menino mostra um futebol diferenciado.

Entre os times brasileiros da Libertadores, a única real incógnita é o Inter, pois os demais pouca coisa mudaram, portanto a expectativa era de melhora nos demais devido ao entrosamento. Contudo, depois de ver Corinthians e Cruzeiro não esperava um início tão bom do Galo.

O Galo começa o ano muito bem, o time já está leve, e Levir mostra que a proposta de jogo mesmo sem Tardelli será a mesma, jogar para cima.

Levir já pode dizer que além de Burro com sorte, é bom inteligente e com asa, pois o Galo começou voando.

Pitacos: Quarta chuvosa e com futebol ruim…

Galera do blog, ontem tive a infelicidade de acompanhar Sport 2×1 Palmeiras e Internacional 1×0 São Paulo. Infelicidade porque foram dois jogos horríveis, com poucas jogadas bonitas e com atuação fraquíssima das quatro equipes.

Começando pelo Sport e Palmeiras, a chuva que caia na Ilha do Retiro atrapalhou a prática de futebol que aliado ao “talento” (ou falta dele) daqueles que estavam em campo, tornou o primeiro tempo sofrível. De bom, apenas dois lances, no primeiro, boa troca de passes de Sport que terminou encontrando Marquinhos Paraná livre para abrir o marcador.

O segundo lance veio do Palmeiras, Henrique saiu da defesa e fez bom lançamento para Barcos que com muita habilidade tirou os defensores da jogada e marcou um belo gol. Aqui aproveito para fazer uma defesa de Barcos, o atacante mostra que não é um cracaço, mas que é um excelente jogador que fazia tempo que o Palmeiras não tinha isso é fato.

Veio o segundo tempo e o jogou melhorou na qualidade do jogo, mas continuou muito marcado no meio de campo e com poucas chances de gol, até que Bruno, chuva e Felipe Azevedo resolveram aparecer. Em chute de longe de Felipe Azevedo, a bola quicou na frente de Bruno e ganhou velocidade tirando Bruno da jogada, falha de Bruno e vitória do Sport.

No fim, ainda houve um lance polêmico, que resultou no gol anulado do Palmeiras. Sinceramente, o lance foi bem complicado, confesso que não fui atrás do lance para ver se foi impedimento ou não, portanto na dúvida, fico com a recomendação Fifa de favorecer o ataque.

Agora, vamos falar do jogo entre Inter e São Paulo, o jogo começou ligado e surpreendentemente com o São Paulo tomando a iniciativa do jogo, o time paulista chegou a dominar as ações e levar perigo com Fernandinho. Porém o lance mais perigoso do São Paulo foi uma falta batida de longe por Denílson que passou com certo perigo no gol de Muriel.

E foi justamente uma falta que trouxe a vitória do Inter e novamente o domínio do jogo. D’ Alessandro cobrou falta com carinho e marcou um belo gol para o time colorado. O gol feito ainda aos 20 do primeiro tempo, trouxe tranquilidade ao time gaúcho que passou a controlar melhorar as ações, graças ao talento de Dátolo e D’Alessandro.

Veio o segundo tempo e o jogo do Inter apareceu mais, o time dominou as ações principalmente com D’Alessandro, Dátolo e Dagoberto, os 3D conseguiam trocar passes com grande facilidade e chegavam ao gol do tricolor com certo perigo, Dagoberto perdeu duas boas chances de ampliar a partida. Pelo São Paulo, o time insistia em bolas pelo meio, centralizando com Luis Fabiano que tinha que trombar muito com seus rivais. Aliás, falando nele, novamente, o “Fabuloso” tomou amarelo e ficou de fora de mais um clássico, desde seu retorno foram apenas 3 participações em 12 clássicos.

O jogo seguiu dessa forma até o fim. O Inter fez um bom segundo tempo, mas não converteu em gols, e o São Paulo mostra que possui um time com boas peças individuais, mas sem nenhuma organização tatica.

Pitacos: No melhor jogo da rodada, Flamengo e Inter empatam em 3×3, mesmo com Joel tentando atrapalhar.

Galerinha do blog, o post está um pouco atrasado mas ainda em tempo. Nesse fim de semana, acompanhei dois jogos na íntegra. Flamengo 3×3 Internacional e Atlético-MG 1×0 Corinthians.

No sábado, aconteceu o melhor jogo da rodada, Flamengo e Inter fizeram um jogo dinâmico e de muitos gols. Empate com sabor de derrota para o Flamengo (estava ganhando por 3×1) e com sabor de vitória para o Inter (além de reverter a vantagem, jogou com vários desfalques e trouxe um ponto do Rio).

Pelo Flamengo, muita movimentação de Love e de Ronaldinho que infernizava a defesa adversária e criava as melhores chances. Aliás, Ronaldinho foi bem na primeira etapa e depois assim como o time todo sucumbiu.

E logo aos oito minutos, o Flamengo abriu o marcardor. Ronaldinho cobrou o escanteio, Gonzáles desviou e encontrou Airton embaixo da trave. O Inter ficou um pouco atordoado e o Flamengo continuou em cima e logo chegou ao segundo gol. Em uma presepada de Indio, o defensor cometeu pênalti infantil em Gaúcho. O próprio cobrou e fez 2×0 a favor do rubro-negro.

O Flamengo recheado de volantes resolveu recuar e dar espaços para o Inter. E aí cabe uma bronca para Joel, do que adianta rechear o time de volantes, se nenhum deles marcava Dátolo. O único jogador lúcido no meio de campo da partida tinha liberdade total para criar. E logo aos 33, Dátolo achou Fabrício livre que cruzou na medida para Gilberto colocar no fundo das redes.

O Inter diminuía e ia para o intervalo um pouco melhor. Contudo, o Flamengo achou um gol logo aos 3 minutos com Vagner Love. É impressionante o que o atacante está jogando pelo Flamengo, como ele se entrega, se dedica e aidna tem resolvido a partida.

Porém, o excesso de zelo flamenguista foi duramente castigado. Insistindo na idéia de deixar Dátolo livre, o meia criava oportunidades e foi fundamental para o empate. Após puxar um contra ataque, Dátolo entregou para Dagoberto que encontrou Fabricio livre, o lateral encheu o pé e fez um bonito gol.

Três minutos depois, Dátolo precisava do dele, dominou a bola na entrada da área e livre bateu colocado no ângulo de Paulo Victor e marcou um golaço decretando números finais.

Pelo Inter, a certeza de que o time possui um ótimo elenco e que o meio tinha tudo para ser dos quatro argentinos. Guinazu, Bollatti, D Alessandro e Datolo formam um meio de campo de muita qualidade. E ainda sobra Oscar que é tão bom quantos os dois meias.

No Flamengo, falta qualidade no elenco, principalmente na defesa, o time joga com vários volantes, mas parece jogar sem nenhum.

Veja também: Atlético e Corinthians fazem jogo digno do programa “Quem fica em pé?”. No final Galo 100% e Corinthians sem nenhum ponto.

Pitacos: O melhor jogo da semana, com destaque para Muriel, Neymar e Ricci!!

Galera do blog, ontem foi dia de acompanhar o clássico entre Santos e Inter. Os dois últimos campeões da Libertadores entraram em campo para decidirem suas vidas na próxima fase do torneio.

E o jogo começou com a pressão inicial do time da casa, o Inter tentou superar o time santista na empolgação da torcida. Mas o time esbarrava na própria falta de criatividade, com as ausências de Oscar e D’Alessandro, a criação ficava apenas para Dátolo.

Mas, apesar de toda a pressão, o Inter abriu o marcador na bola parada. Em cobrança magistral de Nei, o time colorado abriu o marcador. O gol deu uma maior tranquilidade para o Inter que passou a criar mais chances, contudo essa tranquilidade relaxou um pouco o time que começou a deixar o Santos jogar.

E Neymar começou a aparecer, ainda bem marcado e sem pode contar com a ajuda de Ganso e Borges, ambos muito apagados na partida, a jóia santista viu o primeiro tempo terminar com o placar de 1×0 para o Inter sendo justo por aquilo que os times criaram.

Veio a segunda etapa, e o Santos voltou melhor, em parte pela relaxada do time gaúcho na marcação, e parte por Neymar conseguir mais espaços para criar suas jogadas. Até que Muricy resolveu lançar Kardec em campo e tirar um lateral, uma mudança bem ofensiva e que fez o Santos abrir mais a defesa do Inter e dar espaços para Ganso, Neymar e Juan.

E foi Juan que fazia uma partida burocrática que fez ótimo cruzamento que encontrou Kardec que conseguiu mesmo bem marcado testar a bola e empatar a partida.

O gol abalou a confiança colorada e o Santos passou a dominar as ações, principalmente com o craque. Neymar começou a mostrar todo o seu repertório e dar muito trabalho para o Inter, principalmente para Muriel. O goleiro do Inter terminou como um dos destaques da partida, pelas ótimas defesas que fez no segundo tempo. Muriel defendeu pelo menos três bolas complicadíssimas.

E o segundo tempo foi caminhando dessa forma, o Santos muito superior criando oportunidades e o Inter tentando acertar um contra ataque. No fim, 1×1 que de certa forma, ficou bom para todos.

No Inter, destaque individual, além de Muriel, para Dátolo e Tinga que fizeram uma bela partida. Em compensação, Damião e Dagoberto foram peças nulas na partida. No Santos, Neymar e Arouca foram bem, enquanto Borges vive uma péssima fase.

Outro ponto muito positivo, foi a atuação de Sandro Ricci. Diferente do que seus amigos europeus fizeram ontem e terça, o árbitro não quis ser protagonista mesmo em meio a toda a polêmica. O árbitro foi muito bem e controlou uma partida que podia ser complicada. Parabéns para Ricci.

Mais argentinos no Brasil, brasileiros no Uruguai, uruguaios no Paraguai e paraguaios na Argentina!!

Ontem, o Internacional apresentou o argentino Dátolo que passa a integrar o elenco colorado. Dessa forma, o time passa a contar com 4 estrangeiros no elenco. Guiñazu, D’Alessandro e Bolatti são os outros.

Até agora sem nenhuma novidade.

Porém, o problema está quando olhamos a regra de utilização de estrangeiros no Brasil. É autorizado o uso de apenas de 3 estrangeiros no clube durante a partida. Ou seja, o time pode ter quantos estrangeiros quiser, mas durante uma partida entre os 18 relacionados apenas 3 podem atuar.

Na minha opinião, o Brasil deveria se reunir com os clubes pertencentes do Mercosul e flexibilizar o uso dos jogadores destes países. Ou seja, brasileiros, uruguaios, argentinos e paraguaios não teriam restrição para atuar.

Algo parecido com o que é feito na União Européia. Onde as regras permitem maior utilização de jogadores de países estrangeiros, mas pertencentes a União Européia. Por exemplo, no Real Madrid, Ronaldo (Portugal), Kaká (naturalizado italiano), Ozil (Alemanha) e Pepe (Portugal) costumam ser titulares em seu time, mas não entram como estrangeiros.

Essa medida permite uma troca maior, ajudando a tornar forte todos os campeonatos sulamericanos.

Boa parte do sucesso da seleção espanhola, está no processo de globalização que seu campeonato ganhou. Com jogadores de todos os cantos do mundo disputando “La Liga” foi possível conhecer diversos estilos de jogo, para buscar aquele que seria melhor para a Fúria. Depois disso, foi só encontrar nos seus principais clubes os melhores espanhóis e comemorar o título de 2010.

Eu sou a favor de que entre brasileiros, argentinos, paraguaios e uruguaios não exista limite de utilização da “mão de obra futebolística”, que o Inter possa escalar seus 4 argentinos em campo.

E para vocês, está certo a regra que limita o uso de três estrangeiros por partida no Brasil?