Rapidinhas do Camisa 10 – 26.06.2013

melhorescartazes2

O gigante acordou! aproveitando do lema que toma conta das manifestações pelo país afora, parece que a família Scolari resolveu usá-lo como mantra. O time ainda não convence, oscila muito e apresenta algumas falhas de entrosamento, mas o time passou a vencer. Não teve dificuldades contra Japão, México e Itália. Tudo bem que em dois jogos, o time achou gols logo no início, mas o time parece no caminho certo, principalmente porque Neymar começou a aparecer.

Desmanche na baixada… Falando em Neymar, o Santos pretende fazer uma verdadeira limpa no plantel. Após a saída de Neymar, André e Durval, Felipe Anderson foi vendido ontem para o Lazio. Entre os titulares, Rafael e Arouca também devem sair, não sei quanto do dinheiro será revertido em contratação nessa janela, mas uma coisa é certa, o time terá que se acertar o rapidinho ou o torcedor passará muito sufoco nesse segundo semestre.

Fim de uma era…Pero no mucho.. A geração vencedora da Libertadores e Mundial parecem estar com os dias contados. Jorge Henrique já foi para o Inter, Paulinho parece de malas prontas para o Tottenham, Sheik balança pelo amor ao Bonde do Mengão, sendo assim Tite enfrentará mais uma vez, uma reformulação do elenco corintiano, até agora foi tudo bem, pelas peças de reposição a tendência é que a transição seja tranquila, mas ainda sim é uma transição.

Formula de louco. Diz o ditado, que é impossível obter resultados diferentes realizando as mesmas coisas. Porém Juvenal Scotch Juvêncio parece estar muito ébrio para entender esse ditado, acabou de anunciar Clemente Rodriguez como o novo lateral esquerdo do São Paulo. Vale lembrar que Clemente veio para substituir Juan que havia sido afastado e reintegrado após a lesão de Carleto e o afastamento de Cortez que havia sido contratado para substituir Juan. Mais uma dose para eu entender.

Inspiração no Brasil… E eis que a Espanha mostra que sua inspiração continua vindo do Brasil. Após a vitória sobre a Nigéria, alguns jogadores da Fúria quiseram fazer uma festinha regada por pagode e moças da região. No fim, eles conheceram outra problema que vivemos hoje, o padrão Fifa, os seguranças que estavam nesse padrão proibiram essas amigas dos espanhóis subirem. Shakira agradece.

Só para lembrar… De Juca Kfouri, no ‘Uol’: “Sempre é bom lembrar: a Fifa não pediu para o Brasil receber a Copa. Foi o Brasil que se ofereceu para receber a festa da Fifa. E foram os governadores de todos os partidos, do PT, do PSDB, do PMDB, do PSB que concordaram em erguer as faraônicas arenas que encantam os olhos e irritam as prioridades nacionais.”

Será que vai dar jogo? Ainda sobre as manifestações, existe um clima de tensão a respeito da partida de hoje do Brasil. A Polícia Militar suspeita que mais de 100 mil pessoas estariam prontas para a manifestação próximo ao início do jogo, segundo a própria polícia dependendo do volume, hora de início e por onde ela ocorrer existe o risco dos ônibus das delegações de Brasil e Uruguai não chegarem ao estádio. Se o clima dentro dos estádio está ótimo, a tensão pelo que o que acontece fora assusta aos “organizadores”.

Lugano ganhando o jogo ou pelo menos tentanto a única forma que o Uruguai pode tentar levar a partida contra o Brasil, na catimba. Lugano disse que Neymar continua simulando faltas e que achou muita coincidência o árbitro chileno ser escolhido para apitar a partida, já que O Brasil “cedeu” para o Chile ser o país-sede da Copa América de 2015. Lugano fez a parte dele e criou um clima tenso para o árbitro e para o principal jogador brasileiro, resta agora Neymar ignorar esses comentários.

Longevidade… Rogério Ceni está completando 20 anos desde sua estréia pelo São Paulo, mais uma grande marca obtida pelo goleiro-artilheiro. Parabéns!

Dúvida da semana… O Taiti teria boa atuação na Copa Kaiser de Confederações?

Anúncios

A altitude pode afetar, mas é pior enfrentar o Messi…

Imagem

Galera do blog ontem foi um dos meus primeiros contatos com futebol no ano, olhando de forma mais concentrada, acompanhando todos os detalhes e nuances de uma partida. Acompanhei o clássico espanhol e o jogo do São Paulo.

No clássico espanhol, nenhuma grande novidade, um clássico que merece usar a palavra. Jogo pegado, com muita disposição e com talento de sobra em todos os cantos da partida.

O Real optou por uma tática mais vertical, aguarda um bote certeiro para sair em rápido contra-ataque, ora com Ronaldo, ora com Özil. Na escalação inicial, me surpreendeu a presença de Callejon, o jovem meia da base madrilenha, não dá sinais de ser superior a Modric ou mesmo Kaká, mas como Mourinho parece gostar de reafirmar sua teimosia, entendemos a escalação.

Já o Barcelona foi o de sempre. O que se tratando de Barcelona é ótimo! Destaque para Daniel Alves, fazia tempo que o lateral jogava apenas com o nome, ontem ele voltou a ser Daniel, foi para cima, provocou os rivais e foi peça importante nas jogadas ofensivas do time catalão. Contudo, percebo que o Barça começa a entrar naquela curva descendente do estilo de jogo, apesar do domínio na posse de bola, notei que os famosos triângulos já não estão tão compactos. Tem uma distância maior entre um e outro.

Resta saber se é mérito de Mourinho, ou o Barça já começa a se reinventar.

De qualquer forma, o Barça ainda encanta pelo estilo, por ter Xavi e Messi. Dois monstros. O jogo terminou 1×1, gol de Fabregas pelo Barça e Varane pelo Real. No fim do mês, teremos o jogo de volta e apesar de toda a dedicação do Real, acredito que será difícil não dar Barcelona.

Vamos agora ao jogo do São Paulo, um jogo com muitos gols e de um tempo para cada time.

Enquanto houve pulmão, o São Paulo estralhaçou mais uma vez o fraquíssimo Bolivar, o time brasileiro passeou na altitude, dando indícios de que Ceni tinha razão em dizer que muito era psicológico. Osvaldo e Jadson estão em excelente fase e construíram com facilidade o 3×0 favorável ao tricolor. O Bolívar ainda achou um gol no final do primeiro tempo.

Veio o segundo tempo e, ou as pernas dos brasileiros cansaram, ou o psicológico bateu. O Bolivar pressionou e foi construindo o placar ao seu favor, culminando no gol da virada e que decretaria números finais a partida. O Bolivar venceu a partida por 4×3.

Não vou me atentar a análise do Bolivar, falarei apenas do clube brasileiro.

O São Paulo decidiu adotar de vez o esquema 4-3-3, o time está bem firme e as peças de reposição no banco tem feito os titulares estarem sempre atentos, casos especiais de Rhodolfo, Cortez e Jadson. A sombra de Toloi, Carleto e Ganso fazem eles buscarem dar o máximo a toda partida.

Se Ney conseguir controlar o vestiário e a cabeça de Luis Fabiano, o ano promete ser promissor para o time do Morumbi.