O despreparo com a carreira de um jogador

JeanChera20102018

Eu já desisti que falar que agora vai, agora voltei, ou qualquer coisa do gênero, mas seguimos, sem desistir.

Confesso que é difícil escrever neste momento, porque a cabeça fervilha perante a disputa eleitoral que se aproxima para o nosso país. Mas algumas coisas no paralelo andam me chamando a atenção no futebol nesse ínterim.

A possível volta do Neymar ao Barcelona é uma delas, as outras, juro que tentarei escrever logo, para que elas continuem frescas em nossas memórias. Mas o Neymar voltar ao Barcelona me chamou atenção.

Confesso que já concordei e discordei com a decisão em vários momentos, mas sinceramente, acho que tem mais erros no retorno do que acerto.

Neymar desde sempre sabia que estava indo para Paris, portanto deveria ter ideia de como seria morar lá, como seria o campeonato de lá e as expectativas sobre isso. A Ligue 1 é inferior a La Liga, qualquer pessoa com pouca noção de futebol sabe, ele que adora um videogame, com certeza sabe. Além disso, no próprio videogame que ele tanto joga com os parças, ele sabe que ele saiu de um clube com muito mais tradição e consequentemente com mais chances na Champions League do que o atual clube.

Portanto, quando eu vejo a decisão do Neymar, cada vez mais eu tenho certeza, são pouquíssimos os jogadores que possuem alguma capacidade real de debater sobre sua carreira ou olhar e entender como devem conduzi-la e o pior que normalmente quem está ao lado do jogador para orientar só consegue pensar na próxima transação e quanto ele vai ganhar com isso.

A figura do empresário deveria ser melhor pensada, principalmente pelas pessoas que cercam o jogador, família, amigos, etc (sei que aqui, isso não se aplica ao Neymar). Deve haver a consciência do passo que cada jogador faz ao aceitar uma transação, ir para Islândia, EUA, China ou Casaquistão não pode ser analisado apenas pelo fator financeiro, da mesma forma que ir para Espanha, Inglaterra, Italia ou Alemanha, não vale ir a todo custo pela exposição somente.

Por exemplo, um jogador que reconhecidamente é um grande potencial no Brasil, vale ir muito novo para um Shakthar Donetsk? O time é notoriamente conhecido por fazer jogo duro na hora de vender, ou seja, chances grandes de ficar por muito tempo lá, e aí nem todo mundo é William (Chelsea), alguns podem mofar lá pela Ucrânia e depois não conseguirem nem voltar para um grande clube por aqui.

Jogador de futebol precisaria ter mais cuidado com sua carreira, enxergar melhor as oportunidades para não correr o risco de jogar fora sua carreira que poderia ser tão brilhante.

Como diria Arsene Wenger, alguns jogadores estão aqui pelo dinheiro, outros pela glória. Complementando isso, digo, todo empresário, todo mesmo, inclusive se ele for seu pai, está pelo dinheiro, cabe ao jogador decidir se quer a glória, se gostaria de quando pendurar as chuteiras ser reconhecido por alguma torcida como ídolo, aposto que isso não tem dinheiro que compre.

 

Anúncios

Você concordou com a seleção da Fifa 2016?

fifapro2016

Com um pouco de atraso, mas vamos falar da seleção da FIFA.

Nessa segunda a Fifa divulgou sua seleção e o melhor do mundo. Sobre o melhor do mundo pouca coisa a comentar, Cristiano foi escolhido e não houve surpresa para ninguém, na verdade a única sensação que 2016 talvez tenha sido o ano que individualmente ficou mais fácil para alguém destronar a hegemonia Messi-CR7, porém ninguém se destacou a esse ponto, e foi Griezmann que disputou com eles.

Porém o atacante francês pecou e errou (pênaltis) nos momentos decisivos e jogaram contra ele, já o português que não teve um ano brilhante tecnicamente, ganhou tudo que era possível, inclusive uma surpreendente Eurocopa por sua seleção. Cristiano não sobrou em campo em 2016, mas ganhou tudo. Como um jogador é feito de suas atuações e títulos, prêmio muito bem dado.

E agora, vamos falar da seleção, os escolhidos foram: Neuer (Bayern Munique); Daniel Alves (Juventus), Piqué (Barcelona), Sergio Ramos (Real Madrid) e Marcelo (Real Madrid); Kroos (Real Madrid), Modric (Real Madrid) e Iniesta (Barcelona); Messi (Barcelona), Cristiano Ronaldo (Real Madrid) e Suárez (Barcelona).

Sinceramente, achei que algumas escolhas foram preguiçosas de quem não teve capacidade de olhar todos os campeonatos com carinho e resumiram o time ao duelo Barça-Real. Teve muita gente jogando muito bem em outras posições, o CMC10 vai escalar aqui, a seleção 2016 dele.

Donnarumma (Milan), Walker (Tottenham), Sergio Ramos (Real Madrid), Verthogen (Tottenham) e Marcelo (Real Madrid), Kante (Leicester / Chelsea), Pogba (Juventus / Man United), Coutinho (Liverpool), Messi (Barcelona), Cristiano Ronaldo (Real Madrid) e Suarez (Barcelona).

Fiquei fazendo esse exercício ontem e inicialmente Schmeichel (Leicester) e Kroos estavam escalados, mas depois fiz alterações e jogadores como Griezmann, Aubameyang, Neuer, Rafinha, Lewandowski, De Bruyne, Marquinhos, Godin, Varane, passarm pela minha cabeça porque também fizeram um bom 2016. 12 jogadores, mais do que um time, daria para montar um 3-4-3 muito bom.

Por fim, percebi que Neuer, Daniel Alves, Pique e Iniesta foram escalados por preguiça de boa parte de jogadores e jornalistas, muito na sensação de que ninguém vai dizer que eles estão errados em escalar esse trio, mas fica conveniente, não precisa olhar de verdade para ver quem se destacou em 2016 na posição.

Mesmo o meu time, eu acompanho muito mais o inglesão, espanholão e alemão, pode ser que perdi algum bom jogador em alguma posição que tenha atuado na Itália, na França ou em Portugal, por exemplo.

O que fica é o exercício de especular de cada um escalar a sua seleção de 2016.

E aí? Qual a sua seleção 2016?

Jogos de Natal e Ano Novo

papaisnoeis040117

E entre o fim do Brasileirão e o início dos queridos estaduais ficamos apenas com o futebol dos amigos de fulano x amigos de ciclano, ousadia x alegria, entre outros. Mas será que era possível ter algum jogo nesse intervalo valendo algo?

Quando olhamos para as ligas europeias, apenas a inglesa segue com seus jogos nessa semana e até de maneira muito intensa, com os times jogando dois jogos entre os dias 26/12 a 01/01.

A italiana e a alemã tiveram jogos até bem próximo do Natal e só.

Já nos EUA, as ligas de basquete e futebol americano seguem a todo vapor nessa época, acho que o Hóquei também.

Confesso que como telespectador acho ótimo, porque durante o ano todo tem sempre algum esporte para ver, mas olhando pelo conceito total do esporte, acho temerário forçar a barra assim. Ontem mesmo, estava assistindo a Bournemouth 3×3 Arsenal, os Gunners tinha jogado domingo e voltaram a campo na terça, cerca de 48 horas de diferença, era nítido que a qualidade técnica do time caiu muito.

Eu sou a favor de fazer outras competições para atender essa época, por exemplo, torneio sub-20 para que o torcedor assista mais a molecada do time dele, um campeonato curto feminino para criarmos vergonha na cara e começar a transmitir mais nossas meninas.

Para o nosso formato de calendário, onde dezembro é o fim da temporada, os jogos entre Natal e Ano Novo atrapalhariam toda uma pré temporada, diferentemente dos campeonatos europeus, onde esse período é o meio da temporada.

E mesmo a rodada inglesa entre Natal e Ano Novo deveria ser melhor cuidada para não ficar desgastante, poderia ser dois jogos entre Natal e Ano Novo e depois só no final de semana seguinte para ter tempo de descanso, mantém a tradição, mas também adapta-se as realidades de calendário como o de 2016/2017.

Por fim, agradeço a Premier League que me permitirá nos últimos 10 dias assistir a 5 jogos (Leicester 0x2 Everton; Liverpool 4×1 Stoke; Liverpool 1×0 Manchester City; Bournemouth 3×3 Arsenal e hoje Tottenham x Chelsea), mas aqui em terras tupiniquins vamos deixar do jeito que está, ainda precisamos arrumar o nosso calendário antes de fazer um jogo com o Papai Noel.

E vocês o que acham? Alguma ideia?

Me sigam nas redes, Instagram, Twitter, Facebook

Cadê Meu Camisa 10?

Vai Leicester!!

ranieri

E o Leicester se sagrou campeão da Premier League.

O feito que talvez muitos ainda não tenham entendido o tamanho da realização, aconteceu ontem sem o time sensação precisar jogar. O empate entre Tottenham e Chelsea por 2×2 deu o título antecipado para o time inglês.

Acho que repetir a história que vocês já tem lido em todos os sites por aí, não se faz necessário, todo mundo já entendeu que no ano passado, o time briga para não cair e agora é o campeão. Mas, diferente do Fluminense em 2009-2010, o Leicester em 15-16, trouxe aquilo que só futebol permite, a surpresa.

Diferentemente dos grandes esportes coletivos, o futebol é o único que dá esperança ao mais fraco vencer o mais forte, mesmo quando a disparidade entre os times é abissal, como Mazembe x Inter, Mirassol x Palmeiras e tantas outras zebras que poderiam ser listadas aqui.

A questão do grande feito do time inglês é que ele provou essa máxima no pior cenário possível, durante uma competição de pontos corridos. É como se ao invés do Hercules, tivessem mandado o Ranieri para fazer os doze trabalhos do rapazinho filho de Zeus. E Ranieri e sua “tropinha” venceram todos eles.

Ranieri, Kante, Vardy, Mahrez e companhia levaram o futebol a um nível intangível para os outros esportes, agora é realmente sabido que em qualquer situação, qualquer que seja a dificuldade, o futebol permite essas histórias grandiosas.

Para mim, é difícil mensurar, mas o Leicester talvez tenha nos proporcionado o maior feito da história do futebol e que talvez nunca se repetirá. E Ranieri naquele choro contido após a vitória sobre o Sunderland, parece que já sabia o tamanho do feito.

Vai Leicester!!

Guardiola fora da Champions?

pep150316

E o campeonato inglês pode protagonizar uma outra curiosa situação.

Além de todos os indícios de que teremos um campeão fora do comum, Leicester ou Tottenham, começo a desconfiar que existe uma chance de Pep ficar fora da Champions no ano que vem.

Em tempo, antes de entrar nessa possibilidade, não coloquei o Arsenal porque realmente acho que o time não chega, o time teve chance de realmente encostar algumas vezes e nunca chega de vez, vai morrer na praia.

Voltando a possibilidade que eu vejo, O City encontra-se atualmente em 4º na última vaga para a Champions pela Premier League. O time de Pellegrini está 4 pontos a frente do United e 7 do Liverpool que tem um jogo a menos. Os Citizens nesses 08 jogos finais ainda enfrentam United, Chelsea e Arsenal e o time tem ido muito mal nos clássicos.

Lógico que o United também balança, enquanto o Liverpool parece a vias de engrenar. Não se apresenta ainda como uma possibilidade gigante, por enquanto é apenas uma possibilidade, mas que o City pode protagonizar o maior “vexame” da história de Pep, deixar o espanhol fora da maior competição do mundo.

A meu ver, um tropeço no domingo no clássico de Manchester pode aumentar consideravelmente essa possibilidade.

E aí, vocês acreditam em Guardiola fora da Champions?

Augsburg mais importante que o Santos…

augusburg

Navegando em um ou outro blog, me deparei no blog do Rafael Reis com a informação sobre a quantidade de vezes que algum time teve o seu jogo transmitido na TV no mês de Fevereiro no Estado de São Paulo. Tanto TV fechada quanto aberta. Adivinha? Sim, nenhum brasileiro aparece entre os 10 primeiros.

1º – Liverpool
Paris Saint-Germain – 7 partidas
3º – Barcelona
Bayern de Munique
Borussia Dortmund
Chelsea
Juventus
Manchester City
Manchester United
Tottenham – 6 partidas

Além dessa expressiva marca da ausência de brasileiros entre os 10+, alguns dados são mais impressionantes, o Santos teve menos jogos exibidos do que Augsburg, Independiente Santa Fé, Sunderland e Huracan.

Isso me remeteu a um texto que fiz o ano passado sobre a real possibilidade de grandes clubes europeus começarem a possuirem uma representativa torcida aqui no Brasil. Esse números de transmissões explica muito esse processo, para uma criança é mais criar identidade com PSG, do que com Santos, é mais fácil para ele acompanhar. Uma criança que nasce em São José do Rio Preto (cidade a 450km da capital paulista) tem grandes chances de achar o Santos um time qualquer, já que aparece muito menos que o Tottenham por exemplo. Um time com história menor do que o Santos.

E tudo isso, passa pela qualidade do espetáculo, sim é chover no molhado, mas sem estádios decentes, não falo de beleza, falo de qualidade de gramado para a prática, por exemplo, o estádio de Cariacica (que tem abrigado alguns jogos do Flamengo) é ótimo, foi reformado para a Copa (a seleção de Camarões ficou lá) e está excelente para jogo.

A melhoria dos estaduais ou do calendário, não dá para enfiar os modorrentos estaduais goela abaixo, fazendo um paralelo com a Europa, eles são os similares as disputas regionais que levam os clubes para as divisões principais. O formato de calendário nosso é péssimo, não só Brasil, mas Conmebol. Libertadores e Brasileirão tinha que ser o ano todo, com uma Copa nacional.

A sensação é que o time que você torce será torcida de bairro daqui a pouco.