Como é possível?

Quem nunca escutou essa frase em uma roda de discussão sobre futebol?

Ontem, estava já nas cercanias do Morumbi esperando pelo início do jogo quando alguém passou por mim dizendo: “O São Paulo ganha do Cruzeiro, do Inter e do Grêmio lá, mas perde para o Coritiba, como é possível?”

A frase simboliza toda a imprevisibilidade que o nosso querido futebol nos trás.

Basta ver essa o que aconteceu nos jogos de ontem. A começar do próprio São Paulo.

Como é possível o tricolor fazer dois tempos tão distintos e conseguir uma vitória com um belo gol de Maicon, provavelmente nenhum dos torcedores tricolores imaginou tal situação. Da mesma forma que fica difícil entender como o São Paulo conseguiu ter apenas o garoto Boschilla como armador para o próximo jogo.

Como é possível o Corinthians conseguir resultados tão expressivos contra seus rivais diretos, incluindo não perder nenhum momento para o Cruzeiro, mas consegue ser tão apático contra os pequenos. O Corinthians é uma espécie de Atlético de Madrid brasileiro, gosta do jogo grande, marcar muito e contra ataca como poucos. É o grande favorito para a Copa do Brasil, porque tem tudo para só fazer jogo grande até a final, mas é gigante a chance de ficar no caminho da vaga na Libertadores pelo Brasileirão, porque o campeonato não tem só jogo grande.

Como é possível explicar que o artilheiro do campeonato seja Henrique e Marcelo Moreno, o segundo todo mundo entende o porque, já que faz parte do time com o melhor ataque, já Henrique joga no Palmeiras que só agora conseguiu uma margenzinha sobre a turma do descenso, mas que nem pode se dar ao luxo de relaxar. Contudo, vale lembrar que essa história de artilheiro no grupo de baixo é antiga, Dimbas, Dills e outros que o digam.

Como é possível explicar que a fase do Botafogo que já é terrível o suficiente ainda fica nas mãos de um presidente que prefere evitar o confronto com a crise e afastar alguns líderes do grupo por suas atitudes dentro de campo não eram compatíveis com suas atitudes fora, é verdade, eles reclamavam e jogavam, onde já se viu fazer os dois ao mesmo tempo, né Sr. Presidente.

Como é possível explicar que um mesmo time é o último colocado se a tabela fosse apenas dos jogos em casa, porém disputa G4 se valessem os pontos apenas do jogos fora de casa. Esse é o Figueirense, um dos visitantes mais indigestos do campeonato, o clube que tem a alcunha da primeira vitória oficial dentro do Itaquerão. E o seu oposto é o Sport que disputa G4 apenas com os jogos como mandante e luta para não cair quando é visitante.

Contudo, sim, tudo é possível no futebol, ele talvez seja um único esporte coletivo onde os fracos tem vez, onde é possível alguém sonhar com um resultado improvável, com um protagonista imprevisível. Talvez a única coisa atualmente que não seja possível é tirar o caneco do trem azul mineiro. Mesmo com essa fase de oscilação e sem seus principais jogadores, eles mantém margem segura para o segundo colocado.

Aliás, como é possível, sobrar tanto no campeonato?

Juridicão com poucos gols e um começo interessante tricolor!

Luciano 21042014

Galera do blog, fim da primeira rodada do Brasileirão. E entre um jogo e outro, a decepção pela falta de gols. 16 gols em 10 jogos, sendo que os tricolores carioca e paulista foram responsáveis por 6 desses 16 gols. Talvez, tenha sido a tristeza dos times em não ter mais Luciano para narrar seus gols.

Surpreendeu a boa vitória do São Paulo, não pelo placar, mas pela postura do time, a movimentação de Pato e aposta em Boschilla, tudo deu certo. Além disso, a apatia do rival também foi grave. O Botafogo parece não ter entrado em campo.

O jogo foi muito tranquilo para o tricolor, Muricy surpreendeu ao tirar os atacantes Pabon e Osvaldo para promover as entradas de Pato e Boshilla. Pato era certo, mas a dúvida era quem dos atacantes permaneceria no time, a opção por Boschilla, deu mais consistência ao meio e permite a Ganso um repertório intenso de jogadas, já que Pato e Boschilla se movimentaram muito, abrindo diversos espaços, tanto para Ganso aparecer na área como no terceiro gol, como para criar jogadas.

Douglas teve atuação impecável, dentro do que eu espero de Douglas. Parece que finalmente a camisa parou de pesar para o lateral, ou a chegada de um jogador que realmente poderia ameaçar sua titularidade, ligou o alerta no lateral que resolveu jogar.

O time ainda carece de qualidade defensiva. A dupla de zaga não passa confiança nem nos pais dos mesmos. Muricy me surpreendeu com o esquema adotado, mostra que sabe muito mais do que o Muricybol. Foi apenas um jogo, mas quem sabe meu palpite com o coração, não se materialize de forma real ao fim do campeonato.

Cristovão parece ter dado vida ao Fluminense, ainda é muito cedo, mas o time mostrou uma atitude ausente até então e o quadrado mágico, Conca, Wagner, Sóbis e Fred pode funcionar muito bem.

O treinador decidiu dar qualidade ao meio e acertar os jogadores de defesa, o time mostrou boas opções com Wagner e Conca se revezando na construção das jogadas e Sóbis está fechado com Cristovão e promete fazer um campeonato espetacular. Da mesma forma que o São Paulo, gostei muito do que vi no primeiro jogo do Fluminense, mas foi apenas um jogo.

Já Mano Menezes começa a ser o novo Luxemburgo, a única diferença é que Mano não tem o currículo de Luxa. O treinador parece não acertar mais seus times. Ficou quase um mês para preparar o time, e a atuação diante de um Atlético com a cabeça na Colômbia foi decepcionante. O jogo foi chato, e pelo jeito, os jogos do Corinthians serão chatos até o final do ano. O time pode até ir longe, com esses oxo e 1×0, mas será chato ver jogo do Timão.

Meus favoritos não encantaram. Grêmio jogou contra o Furacão e perdeu por 1×0, o Galo topou a chatice corintiana e o Cruzeiro venceu o Bahia com dois gols iguais, mas não dá para dizer que o resultado foi justíssimo. O Baeaa, merecia sorte maior.

E para vocês, como foi a primeira rodada do Juridicão?