Quem mais merecia a Bola de Ouro?

edmundo-goncalves-540x305

E na quarta-feira no Instagram lancei a pergunta, qual jogador merecia ter recebido uma Bola de Ouro?

A pergunta começou por causa de um vídeo que eu também postei no Insta de Iniesta, vi o vídeo e lembrei que mais do que aquele lance no Insta, Iniesta quase sempre jogou acima da média, quase sempre foi genial e talvez seja um dos grandes nomes que colocaram o Barcelona no estágio atual de super time.

Contudo, ao ver que Iniesta começa a dar indícios que sua carreira caminha para o final, percebi que ele não terá a chance de receber esse prêmio individual máximo, e aí fiquei me questionando quem mais teve carreira brilhante, mas não recebeu tão honraria.

Fiquei pensando se o prêmio não poderia ser dado para mais de um jogador por ano, mas acima de tudo precisaria criar alguns critérios para não virar prêmio de consolação ao invés de realmente um prêmio para quem foi destaque do ano.

Sendo assim, meu intuito aqui é destacar jogadores que foram fora de série, mas por terem disputado com alguém que também foi sensacional no mesmo ano, ficou sem o prêmio. Não irei listar quem ainda tem potencial para ganhar, mas sim quem provavelmente não ira ganhar mais ou quem já se aposentou.

Para saber quem já ganhou, clique aqui, não trouxe a lista, porque é imensa.

Mas irei listar alguns jogadores dos quais vi jogar e que foram sensacionais em alguns momentos/ano/temporada.

Buffon, Maldini, Baresi, Del Piero, Totti, Iniesta, Edmundo, Gamarra, Hagi, Bergkamp, Baggio, Batistuta, Ibrahimovic, Eric Cantona, Henry, Gerrard, Romário, Pirlo, Rijkaard.

Confesso que foi um exercício dificílimo e que provavelmente terei esquecido de alguém, meu único ponto fora da curva foi Edmundo, mas sua temporada em 97 foi absurda e precisei mencionar.

E para vocês, quem mais ficou faltando dessa lista?

 

Anúncios

A fala de Messi…

messi300616

Enfim, falarei de Messi.

O craque argentino, atualmente melhor jogador do mundo disse que não jogará mais pela seleção argentina. Após mais um vice campeonato, o terceiro consecutivo pela seleção e o segundo seguido nos pênaltis contra o Chile, o argentino disse que não dá mais para ele, que só quem está ali sabe o que eles passam e queriam trazer o título.

Sinceramente, do ponto de vista profissional, não entendo em nada a decisão de Lionel. O campeão se faz também com as derrotas, um craque também se destaca na superação dos revés que o futebol proporciona, pular fora assim, parece que algo de alguém que está apenas acostumado com a “facilidade vitoriosa” que o Barcelona proporciona.

Contudo, até pelo Barça algumas derrotas aconteceram e nem por isso ele se mostrou assim.

Ainda no ponto de vista profissional, Messi está na sua melhor forma pela seleção, foi regular em 2014, melhorou em 2015 e tem estado muito bem em 2016, além disso, se tornou o maior artilheiro da sua seleção ao superar Batistuta e ainda tem muita lenha para queimar, o craque possui apenas 29 anos, estará ainda voando no Qatar-2018.

Portanto, algo maior parece ser a motivação.

E não estranhamente, vários jogadores parecem rumar para a mesma posição de Messi, a de pular fora da seleção. Sendo assim, duas opções se tornam as mais prováveis, ou é a comissão técnica ou é a galera do escritório (AFA) que andam incomodando os jogadores.

Eu li que Messi quem indicou Tata, não sei o quanto é verdade, sinceramente acho o trabalho do treinador mediano, não soube trabalhar no Barça e seu único feito (se é que é mérito dele) é fazer Messi render mais na seleção. Mas, pensando no potencial que essa seleção tem, deixa muito a desejar.

Portanto, não descarto a possibilidade de ser apenas um motim contra o comando técnico.

Porém, desde o vice campeonato da Copa do Mundo que pipocam reclamações sobre o que a Confederação tem feito com nossos hermanos, desde um mal planejamento das viagens para os jogos, até instalações em condições precárias, e antes que muitos falem que é frescura, pode até ser, mas parece um pouco surreal que a seleção argentina não tenha condições razoáveis para hospedar o time, sem falar nos acertos financeiros combinados que dão a entender que seguem confusos.

Por isso, minha opinião diante do cenário recente (últimos dois anos) é que Messi teve um arroubo de decepção por não conseguir mais um título, mas que essa declaração confusa sobre continuar ou não tem muito mais nas entrelinhas do que apenas a tristeza.

Até porque se for apenas emocional a decisão, Messi pode ter parado na escadaria que leva rumo ao Olimpo dos craques.

Eu quero ver gol!!

20100105-chuteira_ouro

A disputa pela artilharia da Copa reserva bem mais do que apenas “a artilharia dessa Copa”. Principalmente para dois jogadores.

Neymar e Thomas Muller.

Ambos atingem marcas que os credenciam a disputar o lugar que Klose hoje tenta tirar de Ronaldo Fenômeno. O de maior artilheiro de todas as Copas.

Muller já tem 9 e apenas 24 anos. Pode jogar mais duas copas tranquilamente e até uma terceira, ou seja, tem os jogos que restam para Alemanha nessa Copa + a quantidade de jogos que a Alemanha poderá disputar nas próximas.

Pensando que a Alemanha é uma potência e sempre estará entre os favoritos. Não é difícil imaginar Muller superando os 15 gols de Klose e Ronaldo atualmente.

Já Neymar tem 22, consegue jogar 3 copas e tem a mesma condição de Muller. Atua em uma seleção que sempre está entre as favoritas.

Klose pode até superar Ronaldo nessa Copa, mas está vendo de perto dois candidatos a tirarem dele essa coroa já já.

Confira a lista de quem mais marcou gols em Copas:

15 gols: Ronaldo (Brasil) e Klose* (Alemanha)

14 gols: Gerd Müller (Alemanha)

13 gols: Just Fontaine (França)

12 gols: Pelé (Brasil)

11 gols: Klinsmann (Alemanha) e Kocsis (Hungria)

10 gols: Batistuta (Argentina), Cubillas (Peru), Liniker (Inglaterra), Lato (Polônia) e Rahn (Alemanha Ocidental)

9 gols: Ademir de Menezes, Jairzinho e Vavá (Brasi), Roberto Baggio, Paolo Rossi e Vieri (Itália), Eusébio (Portugal), Rummenigge, Uwe Seeler e Thomas Müller* (Alemanha) e David Villa (Espanha)

8 gols: Leônidas da Silva e Rivaldo (Brasil), Maradona e Stábile (Argentina), Miguez (Uruguai) e Völler (Alemanha)