A tecnologia no futebol, porque não?

arbitragem151216

E ontem um gol polêmico iniciou a eliminação do Atlético Nacional da Colômbia no Mundial de Clubes.

Polêmico, pelo uso da tecnologia, não vou entrar no mérito se foi acertado ou não. Acho que a polêmica maior é sobre o uso da tecnologia. Eu sou a favor, e achei muito oportuna a tentativa. É lógico que algumas coisas precisam ser aprimoradas e não banalizar a decisão.

Eu sou a favor do método de desafio, igual no tênis, cada time teria um desafio por tempo, não cumulativo e se utilizado de forma equivocada perderia o do outro tempo, além de um tempo máximo para pedir o desafio, 30 segundo no máximo.

Além disso, algumas tecnologias seriam implantadas sem necessidade de uso de desafio, como o chip na bola para dizer se ela entrou ou não, por exemplo.

Por exemplo um carrinho que o jogador tem certeza que foi tocado e que sofreu o pênalti, logo após ele receber o contato ele mesmo, avisa o capitão para solicitar o desafio. Além de certificar da decisão correta, cria a consciência nos atletas de pararem de inventar falta e só pedir se realmente sofreram a falta.

Acho que o desafio criaria uma responsabilidade no jogador perante ao jogo, hoje é comodo para alguns atletas simularem faltas e cometerem faltas escondidas e jogar tudo nas costas da arbitragem.

O futebol hoje é visto por milhões de pessoas e os erros percebidos em menos de um minuto dentro do estádio, todo mundo acessar o celular e logo, todo mundo está sabendo do que aconteceu, o futebol precisa acompanhar isso,  para evitar que por várias vezes o centro da polêmica fique sobre a arbitragem ou qualquer decisão dela.

Eu desconfio muito da muleta de quem assina para manter essa restrição, ou não querer resolver de verdade, parece que cria uma forma de mostrar que a tecnologia não serve e que comodamente é melhor não seguir em frente.

Deixar a dúvida e a culpa na arbitragem parece conveniente para quem suborna até voto para escolher a sede do maior evento do mundo de futebol.

Tecnologia é mais difícil subornar.

Anúncios

E aí, seu advogado é craque?

tecnologia-arbitragem-1376

E resolvemos continuar falando da arbitragem.

E o melhor, isso não fica apenas para nós torcedores, vai para o comentarista, vai para os blogueiros, vai o jornal, para o treinador, para os jogadores, e para os tribunais. Sim, como já disse aqui inúmeras vezes, como nosso STJD gosta de “disputar” o campeonato brasileiro e curiosamente sempre prepara uma entrada triunfante na reta final do Brasileirão.

Já faz tempo que damos espaço maior que o devido para eles, sim, a culpa é de todos os envolvidos, eles só aproveitam para aparecerem.

Para mim, tudo começa na falta de apoio aos árbitros e uma comunicação clara, é preciso um limite de tempo para se tomar a decisão final sobre um lance. Não se pode gastar 13 minutos para se decidir se um gol é válido ou não. Em treze minutos, todo mundo no estádio já sabe o que realmente aconteceu.

E se no futebol não permitimos o uso de tecnologia é porque assumimos que o erro faz parte do jogo, é bem difícil acertar sempre, portanto, de maneira prática, a arbitragem deveria gastar 30 segundos para decidir um lance duvidoso, o árbitro acha uma coisa, o bandeira próximo ao lance acha igual ou diferente, aí o árbitro precisa decidir, ou seja, em trinta segundos, uma decisão deve ser tomada e segue jogo.

Se errar, paciência, tá dentro da expectativa.

Isso independe de profissionalização (que eu defendo), isso independe de calendário fechado de arbitragem (que eu também defendo), isso independe de outras várias medidas para ajudar a arbitragem, enquanto não aceitar o uso da tecnologia para resolver a partida, o erro fará parte.

Ou teriamos alguma discussão, se Ricci tivesse dado o gol do Flu e pronto? Ah, ele tava impedido, sim, mas ficaria apenas na conta dos famosos erros que acontecem, nem tampouco o Figueira entraria agora com a mesma ação.

E para aproveitar a chance de aparecer, o STJD decide que irá julgar até o mês de Novembro, ou seja, ganhou a chance de brincar de dono da decisão do campeonato, é patético.

Enquanto isso, fica a sensação que além de um bom time, os clubes precisam se preocupar em trazer como reforço a cada temporada, um bom advogado, porque em algum momento, ele poderá ser útil.

Já tô vendo que para o próximo album de figurinhas do campeonato brasileiro, além do craque do time, teremos um espaço para o advogado do clube.

E aí, seu advogado é craque?

Exaltando à toa nas mesas redondas de domingo.

arbitragem

Vira e mexe nossa arbitragem resolve aparecer, sendo que em algumas rodadas, a vontade é um pouquinho maior do que nas outras, como aconteceu nessa 16ª rodada que ainda tem um jogo para encerrá-la.

Com destaque para o jogo do Corinthians e da Ponte, onde os erros foram importantíssimos para o rumo da partida. No primeiro, a não expulsão de Cássio contribuiu para o Corinthians conseguir buscar o empate, assim como no da Ponte, o time do interior teve um gol anulado e dois pênaltis não marcados, interferindo diretamente no empate contra ironicamente o time do DVD.

O Inter que adora fazer um DVD para reclamar da arbitragem, que seria saber se a partida de ontem, entrará no playlist.

Aliás, aproveitei essa deixa do DVD para destacar exatamente isso, é quase impossível cravar que a arbitragem erra a favor de alguém ou de algum eixo, a arbitragem erra para todos os lados e erra muito.

Se existe algum esquema é com apostadores, e aí o erro para todos os lados é mais conveniente. Mas aí, é pura especulação, é preciso seriedade para fazer qualquer acusação. Eu simplesmente fico com a opção que os juízes erram.

Muito se fala na profissionalização como caminho, contudo, apesar de por muitas vezes, eu mesmo defender, existe uma questão curiosa, em qual outro país, esse formato funciona, onde o árbitro é exclusivamente árbitro, não possui outra atividade remunerada?

Portanto, mais do que a profissionalização, é preciso adequar o formato, o jeito que a informação é tratada. Escutando o Sálvio Spinola falar, o que acontece na maioria dos países que aqui não é a forma.

Por exemplo, os árbitros de cada campeonato são definidos antes e tem alguns encontros antes e durante para alinhamento e debate sobre alguns lances polêmicos. No Brasil, tem árbitro que é escalado para uma Série, por exemplo, quase no final do primeiro turno e os lances são apenas vistos pelo próprio quando acontece um burburinho muito grande, caso contrário, o árbitro pode ficar dias sem olhar seus eventuais erros.

E aí, voltamos a turma do DVD, onde agora incluo todos os times, eles também precisam querer arrumar isso, não adianta vir a público apenas para reclamar quando é contra si e fazer cara de “poisé” quando acontece a seu favor. Isso é jogar para torcida e não resolver nada.

Como já disse algumas vezes, é preciso união real para arrumar, pois senão continuamos apenas nos exaltando a toa nas mesas redondas de domingo.

Acerto no erro e erro no acerto…

SP - BRASILEIRÃO/CORINTHIANS X SANTOS - ESPORTES - O zagueiro David Braz, do Santos, reclama após ter sido expulso da partida contra o   Corinthians, realizada na Arena Corinthians, em Itaquera, na zona leste de São Paulo,   pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, neste domingo (20). O Corinthians venceu por 2   a 0.    20/09/2015 - Foto: WILLIAM VOLCOV/BRAZIL PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

SP – BRASILEIRÃO/CORINTHIANS X SANTOS – ESPORTES – O zagueiro David Braz, do Santos, reclama após ter sido expulso da partida contra o Corinthians, realizada na Arena Corinthians, em Itaquera, na zona leste de São Paulo, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, neste domingo (20). O Corinthians venceu por 2 a 0. 20/09/2015 – Foto: WILLIAM VOLCOV/BRAZIL PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A FIFA rejeitou o pedido brasileiro pela utilização da tecnologia para algumas decisões do
árbitro.

Contudo parece que o árbitro de Figueirense 0x1 Santos entendeu que já podia utilizar, o gol de Gabriel anulado quase três minutos depois deixou a nítida sensação de que alguma interferência externa foi preponderante para que o tento fosse anulado acusando o impedimento do jogador.

A conclusão é óbvia, até porque qualquer lance polêmico, certo ou errado, o máximo que o juiz faz é escutar seus auxiliares e chegar a uma conclusão. Algo que deve durar 1 minuto no máximo.

Aliás o Santos foi protagonista de dois lances de arbitragem nos últimos cinco dias que mostram a dificuldade que está para um arbitro apitar hoje em dia. No domingo de manhã, toda aquela trapalhada do Flavio Guerra que acertou ao marcar o pênalti, mas errou na expulsão e depois justificou de uma forma que para todos os envolvidos, vê-se claramente que ele não quis assumir o erro.

Já ontem o juizão com medo de ter errado, enrolou o quanto pode e até ter a informação correta para voltar atrás e invalidar o gol de Gabriel.

Eu sei que é repetitivo, eu sei que muitos falaram da importância de manter o futebol como ele é, eu discordo, para mim deixar essa brecha no esporte é por um interesse muito maior e obscuro. Tem como incluir tecnologias no futebol, não precisa robotizar a arbitragem, mas permitir que alguns lances sejam melhor esclarecidos.

Para mim, impedimentos, mão na bola e bola cruzou a linha do gol ou não já poderiam contar com ajuda da tecnologia, são lances que não atrasiriam tanto o andamento da partida e daria cada vez mais credibilidade para o jogo.

Enquanto isso, vemos essas bobagens acontecendo e nossa arbitragem acertando nos erros e errando nos acertos.

Depois de rir dos memes, está na hora de alguém investigar!

Brazilian soccer referee Edilson Pereira de Carvalho is seen during a Brazilian championship game in Sao Paulo in this undated file photo. Carvalho was arrested Saturday, Sept. 24, 2005 a day after the newsweekly Veja reported on a federal investigation into a corruption scheme run by Internet betting sites. Carvalho allegedly was paid to

(AP Photo/Agencia O Globo, File)

Vocês sabem o quanto é ruim falar sobre arbitragem. Não gosto, acho desnecessário tratar um problema que todo mundo sabe a solução.

Profissionalizar o árbitro e pagar por meta. Fixo, mais índice de acertos em uma partida. Pronto, não parece nenhum exagero. Dito a solução, vamos então entrar na seara das especulações, onde alguns não gostarão do que falarei, outros concordarão, mas ninguém poderá provar nada, ou seja, um perigo pois fala-se o que quiser.

Para mim, uma coisa é fato, Corinthians tem contado com muito apoio dos erros da arbitragem nesse campeonato, assim como o Galo vem sendo muito prejudicado nos últimos 4 jogos. Contudo, nada que mude o futebol apresentado. Para mim, o Corinthians merece a liderança, mesmo jogando um futebol feio e pragmático, já que aqueles que se propõe a jogar bonito, não tem conseguido fazer isso.

Agora, a questão é, pura coincidência, má intenção, despreparo, ou todo junto.

O que mais me incomoda nesse dilema todo, é o excesso de acusações aleatórias. Falar que o campeonato está comprado, querer justificar o erro atual com erros contrários sofridos no passado.

Sou a favor da investigação, até porque uma coisa é séria, os erros são muitos e tem ajudado um lado só.

Mas já que todo mundo anda falando qualquer coisa, irei pitacar também, para mim clube nenhum tem poder e/ou dinheiro atualmente para tal arranjo. Mas para um mercado obscuro de apostas ilegais em jogos, esse dinheiro é mais fácil.

Espero que muito jornalista sai do papel de contador de factoides e faça sua essência, saia para a rua e investigue.

Até lá, resta apenas rir da criatividade alheia com os memes.

Falar de favorecimento, é só a ponta do iceberg…

iceberg

E a arbitragem voltou a ser tema no nosso querido futebol.

Eu sempre evito falar, mas a comoção é tamanha que não pude deixar passar.

Eu não acredito em complô, esquema, acho difícil pelo atual cenário político da CBF. Não só porque o principal rival da manutenção do que já acontece é oriundo do Corinthians, como pela questão de exposição a órgãos internacionais atualmente. O FBI está em cima da CBF.

Contudo, também não acho que simplesmente sentamos na verdade absoluta de que “nossa arbitragem é ruim mesmo, ela erra sempre”. Não, não dá para aceitar essa verdade é pronto. Acho que os jornalistas esportivos que temos devem investigar, fazer aquilo que lhe cabe na função. Buscar fatos e dados, para que o diagnóstico seja de incompetência ou safadeza.

Em 2005, o esquema não era para algum time, é para manipulação de resultados, porque não estaria acontecendo de novo, ou pior, porque isso não estaria acontecendo a muito tempo debaixo de nosso nariz.

Além dessas questões, precisamos profissionalizar o árbitro. Garantir, salário mensal para ele e contrato de produtividade na remuneração variável. Árbitro teve 100% de acerto, ganha tanto de variável, de 0,75 a 0,99 de acerto, outros tantos, abaixo de 0,75 não ganha variável. Dois jogos abaixo dessa média, vai para a reciclagem.

Portanto, ficar apenas escrevendo se acredita em teoria da conspiração ou se acha um absurdo levantar essa hipótese manterá tudo do jeito que querem lá em cima. Uma eterna bagunça embaixo, impossibilitando que se olhe as bobagens que se faz em cima ou embaixo do enorme iceberg.