Pitacos: Pouco futebol, mas nem sei se foi culpa dos times…

Galera do blog, nessa Páscoa consegui acompanhar ao jogo do São Paulo no sábado. Pois no domingo a Bandeirantes e a Anhanguera não me deixaram chegar a tempo das partidas.

Portanto, vou analisar os números frios, sem me atentar aquilo que vi na partida, com exceção do jogo do São Paulo.

O líder do Paulistão teve mais uma das suas atuações bipolares. Fez um bom primeiro tempo e um segundo tempo fraco. Porém, dessa vez, essa oscilação pareceu mais proposital, devido a expulsão e uma possível tentativa de poupar seus atletas.
Destaque para Casemiro e Cortês. O primeiro por ter recuperado seu bom futebol e o segundo porque é disparado o melhor jogador do time nesse início de ano.

O segundo colocado do Paulistão, que é segundo apenas pela sua economia em fazer gols, venceu mais uma vez por 1×0. Essa é a sétima vitória do time por esse placar. O time segue firme e o único problema é quando enfrenta times com um ou dois jogadores mais habilodosos, pois desmontam o time de Tite e o time não possui alternativa tática. Como no futebol sulamericano, a chance de um time ter dois bons jogadores é mínima, o time chegará longe sempre.

O terceiro colocado é o Santos que sofre da “vontade” de jogar o paulistinha. Quando entra os reservas, o time joga com determinação, mas falta habilidade e técnica para vencer. Quando joga os titulares sobra futebol, como no gol feito pela dupla Ganso/Neymar ontem, mas falta vontade de vencer. O time se classificará tranqüilo, resta saber se nos mata-matas jogará com ou sem vontade.

O Palmeiras caiu de 1º para 5º, nas últimas rodadas. A derrota para o Corinthians tirou o time do rumo e tornou mais nítido as limitações do time. O que o torcedor não pode “bitolar” é que tudo está perdido. O time é arrumado e conseguiu contratar ótimas peças para esse ano, mesmo assim ainda falta elenco. Para um mata-mata, o time pode surpreender e vencer, tanto que tem grandes chances no Paulista e na Copa do Brasil, para o Brasileirão, o time vai sofrer. Resta, reencontrar os trilhos do início do ano.

Além disso, destaque para o ótimo clássico em Minas. Que terminou com o empate em 2×2, após o Galo estar com 2×0 a favor. Pelo que vi no VT da partida, nada de novidade, pela Raposa só Montillo jogou e contou com Anselmo Ramom inspirado, pelo Galo, boa atuação de Danilinho. Guilherme também fez boa partida, mas na ânsia de querer tirar o estigma de formado no Cruzeiro isolou duas chances claras e virou vilão. Achei um exagero da torcida atleticana, o cara participou com um passe genial do segundo gol. Além disso, Roger era para ter sido expulso o que mudaria completamente o cenário da partida. A cotovelada que ele deu em Danilinho foi quando o Galo ainda vencia por 2×0.

E vocês o que viram nessa Páscoa?

Pitacos: Cruzeiro 3×3 São Paulo

Um jogo emocionante aconteceu na noite de ontem, nem tanto pela qualidade, mas pelas variáveis e alternativas que o jogo permitiu. No final, um empate péssimo para os dois. Ruim para o São Paulo que pode ver seus adversários na luta pelo título abrirem vantagem e ruim para o Cruzeiro que continua perigosamente próximo do rebaixamento.

O primeiro começou com o time da casa arriscando uma pressão inicial, mas logo contornada pelo visitante, com bons contra-atraques e domínio do meio de campo. Contudo, em um lance isolado, Montillo avançou e cruzou para Keirrison abrir o marcador, enquanto os marcadores tricolores olhavam tudo isso.

Mesmo assim, o São Paulo continuou melhor e criava algumas chances, em uma delas Cicero apareceu sozinho na cara do gol, deixou a bola escapar e pulou quando o goleiro Fábio se aproximou, o juiz inventou um pênalti para o tricolor. Na cobrança, o “afobado” Luis Fabiano bateu no canto sem força, fácil para Fábio pegar.

O lance que poderia abater o atacante na descida dos vestiários teve efeito contrário, o jogador voltou para o segundo tempo motivado e disputou a ajudar o tricolor. E logo aos 14 minutos, o atacante deixou Cícero na cara do gol, o volante tricolor só teve o trabalho de tirar de Fábio e empatar a partida.

O São Paulo cresceu de vez na partida e partiu para cima, aí apareceu mais uma vez Dagoberto. O atacante são paulino fez mais uma obra-prima nesse campeonato, deixou três marcadores para trás e tocou por cima de Fábio, simplesmente um golaço.

Porém seis minutos depois, Montillo cobrou a falta para o meio da área, Ceni hesitou na saída e ficou vendido no lance, para completar na sobra Luis Fabiano escorregou e deixou Charles livre para chutar para o gol vazio.

Nesse momento, o jogo ganhava em emoção e mais uma vez Dagoberto apareceu, o atacante fez um passe primoroso para Juan cabecear e colocar novamente o São Paulo em vantagem. Parecia que por mais que a defesa falhasse o tricolor sairia de campo vencedor.

Só parecia, em mais uma falha da defesa tricolor, o Cruzeiro chegou ao empate, em escanteio cobrado por Montillo Everton desviou na primeira trave e encontrou Anselmo Ramon sozinho embaixo do gol para empatar a partida. Detalhe que no lance haviam 5 são paulinos contra 2 cruzeirenses e os dois conseguiram tocar na bola.

O jogo continuou franco, porém ninguém mais conseguiu colocar a bola no fundo das redes.

No fim, ficou a sensação de que o São Paulo foi o grande derrotado, era nítido a supremacia do time sobre o desorientado Cruzeiro, porém o time teve falhas individuais na partida que culminaram em dois pontos para o lixo.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 3 X 3 SÃO PAULO

Data: 5/10/2011
Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG)
Árbitro: Paulo Henrique Godoy Bezerra (SP)
Auxiliares: Erich Bandeira (PE) e Nadine Schram Câmara Bastos (SC)
Renda/público: R$ 108.375,00 / 9.944 pessoas

Cartões amarelos: Fábio e Charles (Cruzeiro); João Felipe, Denílson e Dagoberto (São Paulo)
Cartões vermelhos: Denílson (São Paulo)

Gols: Keirrison, 12′ 1º T (1-0), Cicero, 14′ 2º T (1-1), Dagoberto, 19′ 2º T (1-2), Charles, 26′ 2º T (2-2), Juan, 31′ 2º T (2-3) e Anselmo Ramon, 34′ 2º T (3-3)

CRUZEIRO: Fábio; Vítor, Victorino, Léo e Everton; Marquinhos Paraná, Charles, Roger (Elber) e Montillo; Farías (Anselmo Ramon) e Keirrison (Wellington Paulista). Técnico: Vágner Mancini.

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Jean (Casemiro – 41’/2T), João Filipe, Rhodolfo e Juan; Denílson, Carlinhos Paraíba, Rivaldo e Cícero; Dagoberto (Marlos – 43’/2T) e Luís Fabiano. Técnico: Adilson Batista.

Galera, não deixem de participar da enquete ao lado.