O problema em criar Nenês…


images.jpeg

Todo mundo que já conviveu com um Nenê, sabe as dificuldades que existem.

Apesar da sua chegada trazer euforia, entusiasmo, um novo ânimo para o ambiente, a convivência tem seus percalços.

E entre as principais adversidades, a mais complicada é quando está contrariado, se irrita fácil, por muitas vezes se torna mimado e exagera no choro propositalmente.

A parte ruim disso tudo é quando a exposição pública é grande, muitos de longe sem entender, julgam você e não acreditam que aquela “coisinha linda” pode estar dando tanto trabalho, e quando você menos percebe perdeu o controle.

E para você que pensa que estou falando de crianças, digo que não, estou falando do Nenê no São Paulo.

Admiro seu futebol e realmente sua chegada, mais Lugano na diretoria e Aguirre deram uma nova perspectiva para o São Paulo, o de enfim, retomar os trilhos e aos poucos resgatar sua trajetória vitoriosa, mas de repente, sem mais nem menos, a união do grupo desandou, e muito passa pela atitude de Nenê.

Ele, talvez seja a maior referência dentro de campo hoje, quando bate o pezinho por uma substituição ou quando ao comemorar um gol, propositalmente leva o menino da base a cumprimentar o banco, exceto o treinador, ele erra mais que o treinador, ele não dá exemplo, ele fortalece a cultura recente do clube de mimar atletas, queimar técnicos e não sair desse círculo viciado.

Fora de campo, a chegada de Raí e Lugano davam carta branca para eles cobrarem isso dos jogadores, contarem com a torcida e mudarem a chave no São Paulo, mas não, entraram no mesmo jogo, quando Raí cede a pressão e demite o treinador e quando o zagueiro curte comentário sugerindo a saída de Nenê, ninguém da exemplo, todos seguem a postura infantil dos últimos tempos.

São Paulo não precisa de Nenes, precisa de Anderson (nome do atual camisa 10 do tricolor), homens, adultos e que assumam suas responsabilidades perante o clube.

E isso vale para jogadores, dirigentes, técnicos e torcidas.

O São Paulo parece um adulto com crise de identidade que está repensando sua carreira, suas escolhas, etc.

Nenê precisa assumir o seu papel no time, de ser um exemplo não só técnico em campo, mas principalmente de respeito fora dele.

Raí precisa assumir o papel de dirigente, igual tal como jogador, craque de conduta inquestionável.

E o São Paulo precisa querer que eles assumam esses papéis.

Se não, só restará a parte ruim de cuidar de um nenê

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s