Zequinha e o futebol na rua


 

criancas160117

Zequinha era o típico menino que vivia na rua jogando bola, perto da sua casa tinha uma rua que passava pouco carro, então era lá que ele se reunia com a turma e começavam a jogar bola.

Já começava pelo famoso par ou impar, com discussão de quem alguém segurou a mão para ganhar, ou mesmo quem cederia o chinelo para fazer de gol, porém tudo seguia e os times estavam prontos. Com possíveis ajustes, de passar o mais fraco para o time que estivesse mais forte para equilibrar.

O jogo começava e raramente aconteciam faltas, era disputado, era brincadeira, mas tinha respeito, ninguém ia querer machucar ninguém, todos eram amiguinhos. A única discussão era com aquele que ficava protegendo o gol, sempre alguém dizia que não valia ficar tanto tempo dentro “do gol”, que tinha que ter uma distância.

E assim, seguia a tarde toda com alguns ralados no joelho, muitas tampas de dedo perdida e algum vencedor após o famoso “quem fizer ganha”, independente do placar do jogo naquele momento.

Zequinha sempre viveu em uma família de boleiros e seu destino não poderia ser diferente, em determinado momento ia ser levado para o teste de fogo, ir para a peneira de algum clube grande. Zequinha já tinha seus 9 anos e na escola os primeiros recados do professor bateram como música no ouvido do pai, “o menino leva jeito, hein Seu Silva, tá na hora de levar ele para treinar em algum lugar”.

Seu Silva conversou com Dona Marluce (sua esposa) e decidiram que iriam levar o menino para ele ter uma chance em alguma peneira. E assim, foram atrás de uma chuteira, um meião e um calção para ir a peneira, essas despesas eram totalmente fora do orçamento da família Silva, mas quais pais não fazem esforços sobre-humanos para agradar seus filhos.

Seu Silva fez a inscrição do filho, só que o “evento” ganhou repercussão na rua e não mais só Zequinha iria, mas Carlos, Gigante, Pedrinho e Jão também se animaram e iriam participar da peneira. Aquele mês passou com a criançada polvorosa brincando na rua, imaginando como seria a peneira e qual a consagração de cada um.

Veio o final de semana esperado e Seu Silva junto com Adenor, pai de Pedrinho, se organizaram para levar a trupe toda para a peneira, Adenor tinha uma Kombi que fazia carreto, as mães de todos eles se organizaram com os lanches e lá se foram os dois adultos com as cinco crianças rumo a peneira.

continua…

Capítulo 2 – Zequinha e sua primeira peneira

Minha idéia é contar em forma de conto, um pouco de como o futebol faz parte do nosso dia a dia e como não valorizamos da maneira adequada a formação dele como um programa social. A história do Zequinha terá alguns capítulos que divulgarei provavelmente as terças, com exceção de hoje, espero que gostem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s