Encerrar a carreira no time que ama: Sonho brasileiro, realidade argentina…


Juninho-Pernambucano-Vasco-Sergio-Moraes_LANIMA20101113_0062_26

Esses dias estava lendo no Blog do Birner uma matéria sobre uma declaração de Di Maria onde o meia argentino comentava que iria jogar no seu time do coração o Rosario Central. Birner aproveitou para explorar o universo de jogadores argentinos que atuavam por outras equipes dentro da própria Argentina, mas assumiam publicamente seus times.

Porque isso no Brasil é tão distante?

Para começar, eu acho que o mais curioso além da distância para isso ocorrer no Brasil, é a particularidade dessa situação na Argentina, talvez a Inglaterra tenha casos similares, além dos casos pontuais pelo mundo afora.

Mas concentrando na análise do Brasil, quero fazer alguns comentários sobre quais os motivos que acredito abafarem a possibilidade dos jogadores assumirem seus clubes do coração.

Primeiro a formação, e nela incluo a mistura de baixa escolaridade com ficar “na mão de empresário”. Esse combo é para mim o pior dos motivos. Pois, um jogador já desde cedo (10/11 anos) tem a presença de algum ser entitulado empresário ao lado dele.

E desde cedo, esse cara deixa muito claro a mercadoria que tal jogador é para ele. E nesse tacanho pensamento somado a baixa escolaridade do menino que não consegue também analisar de maneira mais clara as melhores opções para ele, uma espécie de lavagem cerebral é feita.

E o jogador entende que assumir algum clube pode limitar o seu mercado de atuação. Logo, esse primeiro passo, afasta e muito a possibilidade do cara assumir o clube sem medo algum.

A característica do jogador brasileiro é outro fator que acaba sendo critério complicado para que ele assuma seu time. O argentino é aguerrido por natureza, mesmo jogando por um clube rival ao seu clube de coração, ele irá morrer em campo todo jogo.

O brasileiro não tem essa característica, acredita que o talento é muito mais importante para vencer uma partida (nem digo que está errado, são apenas estilos de jogos diferentes). Logo é mais fácil para uma torcida aceitar alguém que está o tempo todo se matando em campo, do que o contrário.

Além disso, acho que mídia, os próprios torcedores, e todos os demais envolvidos parecem ainda não estarem prontos para isso.

Pensar em um jogador repetir o que Juninho Pernambucano fez com o Vasco, voltar para ganhar um salário irrisório, apenas para ajudar o clube que ama, depois de ter feito sua carreira vencedora, ainda parece contos antigos de futebol.

Quem sabe, aos poucos, mais brasileiros voltem apenas pelo amor do time que torce..

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s