Uma questão de conceito!

cinco-de-bastc3b5es-futebol-pelada

Acho engraçado nossos conceitos sobre futebol moderno.

O querido leitor André Russo comentou no post “Pelo fim do futebol moderno” sobre os conceitos que chamamos de moderno e que eles já estiveram presentes em seleções e clubes do passado.

Por exemplo, guardadas as devidas proporções podemos comparar Alemanha e Cruzeiro como exemplos a seguir. Alemanha, como exemplo do queremos para a nossa seleção e o Cruzeiro como o melhor time do Brasil. Ambos carregam características idênticas. De novo, guardadas as devidas proporções.

Os dois abriram mão do tradicional camisa 09. Alemanha tem em Muller o seu centroavante, quando muito Klose faz essa função também. No Cruzeiro, Ricardo Goulart é o Thomas Muller brasileiro e Moreno faz às vezes de Klose. No fim, ambos jogam com centroavantes, que buscam o jogo, saem para a tabela, se movimentam e abrem espaços para as chegadas dos meias.

Os dois possuem dupla de volantes que sabem jogar mais do que desarmar. Nos dois selecionados, não existe o volante brucutu, os Galeanos (com todo respeito ao grande Galeano), os Amarais (nosso querido coveiro) cada vez mais não existem. O futebol começa por eles, são os volantes que constroem o jogo, que ditam o ritmo e que controlam o jogo. O nome não é à toa, sem eles ou com eles ruins, o carro-clube fica desgovernado.

Além disso, todo mundo entende a importância coletiva do time. Todo mundo sabe que correr atrás do adversário para marcar é um saco, é muito mais legal jogar com a bola no pé, construir jogada e fazer o adversário correr, mas para isso é preciso ter a bola e por muitas vezes, todo mundo tem que ajudar a recuperar a bola do rival. Everton Ribeiro, é um meia que aparece dentro da área e acompanha lateral, talvez esses vídeos ajudem Pato a entender do que se trata.

Respeitar o coletivo e saber que ele é fundamental para as conquistas, foi o maior legado dessa Alemanha. Você nunca irá falar que essa foi a Alemanha de fulano, assim como não falará desse Cruzeiro.

No fim, queremos apenas que um time jogue bola. Que todos entendam o seu papel dentro do grupo, para que possam também resolver com suas individualidades. Não digo que o futebol seja o mesmo de 100 anos atrás, só digo que a essência para o sucesso é a mesma. Hoje com mais importância e disciplina na parte tática, mas ainda assim, um time que goste de jogar futebol.

Ou seja, nada de novo, apenas conceitos de quem gosta de futebol.

Anúncios