Pìtacos: Atlético e Corinthians fazem jogo digno do programa “Quem fica em pé?”. No final Galo 100% e Corinthians sem nenhum ponto.

Hora de falar do jogo do Corinthians, apenas para explicar o título, o jogo não foi violento, mas foi recheado de faltas graças a péssima arbitragem de Wilton Sampaio. O árbitro de Brasília parou demais o jogo, irritou os jogadores, se perdeu em campo e expulso duas pessoas de maneira errada.

O jogo foi amarrado no meio de campo, o Galo por estar em casa tinha o domínio da posse de bola, mas as chances eram escassas.

O Atlético chegou com perigo em dois chutes um de André e outro de Mancini. Enquanto o Corinthians quando apareceu, apareceu com mais perigo, aliás se não fosse o momento Deivid do Elton, o clube paulista abriria o marcador.

Assim segui o primeiro tempo, arrastado e muito amarrado.

Veio o segundo tempo, e Cuca fez as alterações corretas, percebendo o nervosismo de Mancini e a inoperância de Dudu Cearense, o treinador colocou Escudero e promoveu a estréia de Junior Cesar.

E no segundo tempo, vieram os dois lances cruciais, no primeiro William recebeu boa bola nas costas da zaga e mandou uma bomba para o gol que foi prontamente tirada por Rafael Marques de ombro. Confesso que de primeira, tinha parecido muito pênalti para mim, mas depois olhando o lance com atenção, ficou claro que foi um lance limpo.

No lance seguinte, Réver curtindo uma de meia, lançou para Danilinho que deu um totó de cabeça para tirar Cássio da jogada, o goleiro que estava mal posicionado ficou apenas observando a bola entrar e decretar a vitória atleticana.

Pelo Corinthians, por mais curioso que possa ser, o time sofre do seu próprio pragmatismo, o elenco está tão coeso sobre o esquema tático, que o time não consegue criar variações táticas quando o time está atrás do marcador. Tite tornou o time refém de um esquema só. O time joga muito nesse esquema, mas só nesse esquema.

Pelo Galo, o time é esforçado, era bom trazer uma peça de criação para o time e compor melhor o elenco. Junior Cesar chega para ser titular. Mas seria bom olhar para o setor de meio de campo.

Veja também: No melhor jogo da rodada, Flamengo e Inter empatam em 3×3.

Pitacos: No melhor jogo da rodada, Flamengo e Inter empatam em 3×3, mesmo com Joel tentando atrapalhar.

Galerinha do blog, o post está um pouco atrasado mas ainda em tempo. Nesse fim de semana, acompanhei dois jogos na íntegra. Flamengo 3×3 Internacional e Atlético-MG 1×0 Corinthians.

No sábado, aconteceu o melhor jogo da rodada, Flamengo e Inter fizeram um jogo dinâmico e de muitos gols. Empate com sabor de derrota para o Flamengo (estava ganhando por 3×1) e com sabor de vitória para o Inter (além de reverter a vantagem, jogou com vários desfalques e trouxe um ponto do Rio).

Pelo Flamengo, muita movimentação de Love e de Ronaldinho que infernizava a defesa adversária e criava as melhores chances. Aliás, Ronaldinho foi bem na primeira etapa e depois assim como o time todo sucumbiu.

E logo aos oito minutos, o Flamengo abriu o marcardor. Ronaldinho cobrou o escanteio, Gonzáles desviou e encontrou Airton embaixo da trave. O Inter ficou um pouco atordoado e o Flamengo continuou em cima e logo chegou ao segundo gol. Em uma presepada de Indio, o defensor cometeu pênalti infantil em Gaúcho. O próprio cobrou e fez 2×0 a favor do rubro-negro.

O Flamengo recheado de volantes resolveu recuar e dar espaços para o Inter. E aí cabe uma bronca para Joel, do que adianta rechear o time de volantes, se nenhum deles marcava Dátolo. O único jogador lúcido no meio de campo da partida tinha liberdade total para criar. E logo aos 33, Dátolo achou Fabrício livre que cruzou na medida para Gilberto colocar no fundo das redes.

O Inter diminuía e ia para o intervalo um pouco melhor. Contudo, o Flamengo achou um gol logo aos 3 minutos com Vagner Love. É impressionante o que o atacante está jogando pelo Flamengo, como ele se entrega, se dedica e aidna tem resolvido a partida.

Porém, o excesso de zelo flamenguista foi duramente castigado. Insistindo na idéia de deixar Dátolo livre, o meia criava oportunidades e foi fundamental para o empate. Após puxar um contra ataque, Dátolo entregou para Dagoberto que encontrou Fabricio livre, o lateral encheu o pé e fez um bonito gol.

Três minutos depois, Dátolo precisava do dele, dominou a bola na entrada da área e livre bateu colocado no ângulo de Paulo Victor e marcou um golaço decretando números finais.

Pelo Inter, a certeza de que o time possui um ótimo elenco e que o meio tinha tudo para ser dos quatro argentinos. Guinazu, Bollatti, D Alessandro e Datolo formam um meio de campo de muita qualidade. E ainda sobra Oscar que é tão bom quantos os dois meias.

No Flamengo, falta qualidade no elenco, principalmente na defesa, o time joga com vários volantes, mas parece jogar sem nenhum.

Veja também: Atlético e Corinthians fazem jogo digno do programa “Quem fica em pé?”. No final Galo 100% e Corinthians sem nenhum ponto.