Ainda bem que o tapete é pequeno!!

Em meio a tanta sujeira acontecendo na FIFA, ao nosso projeto de Ditador (Ricardo Teixeira) usando o esporte para “dar o troco” em partido político, uma coisa fica claro.

O futebol virou uma mistura perigosa. A paixão provocada por ele, serviu para cegar muitas, ou melhor, bilhões de pessoas nos últimos anos.

Ficamos extasiados com o Barcelona jogando, com as atuações de Neymar. Entendemos o que é Libertadores, quando vemos Veléz e Peñarol na noite anterior.

Mas, a cada dia que passa, aumenta a dúvida em mim, tudo isso foi por mérito próprio dos clubes dentro de campo?

Quando vemos, que a decisão de uma Copa começa a ser vendida, começamos a questionar quando torneio também foram vendidos antes mesmo de acabar.

Sem querer polemizar com os times que mencionarei abaixo, saliento que nunca acreditei que um clube fosse capaz de “comprar” um campeonato, tenho certeza absoluta que são terceiros que operaram essas manobras nefastas.

Por exemplo a turma de Roman Abromovich, nada me tira da cabeça que alguns títulos do Chelsea e até mesmo o do Corinthians em 2005, foram encomendados por ele para que pudesse fazer sua sonhada lavagem de dinheiro.

Lógico que por se tratar de futebol, fica difícil garantir “a aquisição do produto” já que o outro time pode ser muito superior ao outro e se tornar impossível cumprir o “Contrato”.

E é claro que o futebol perde por muitas vezes o seu conceito original e ao invés de um esporte de massa começa a se tornar uma peça de teatro misturada com o antigo Telecat da extinta TV Manchete.

Essa perda de credibilidade passa pelos os comandantes (ou seria muito nomeá-los ditadores) que acumulam sujeira embaixo do tapete há mais de 50 anos.

Pelo menos o tapete ficou pequeno agora, esta é a chance de em um futuro próximo apenas o que acontece dentro das quatro linhas ser o destaque dos jornais.