Quando o futebol vira marionete do gordinho frustado!!

É difícil comentar qualquer coisa, admito que o encontrão do Gil em cima do Ronaldo foi totalmente desnecessário, mas até aí ser marcado a falta existe um abismo imenso. Acima de tudo, me incomoda, porque um time de massa como o Corinthians pode ganhar novamente um título sob suspeitas.

Quero deixar claro que tanto em 2005, como agora em 2010, acredito que não existe “compra” por parte do clube, mas existe a necessidade de interesses maiores. Às vezes, parece que apenas os amiguinhos do bulldog que cuida da entidade maior do futebol brasileiro podem ganhar. Ou outros terão que sofrer muito para levar o título.

Deixo os comentários de três jornalistas que respeito muito.

Vitor Birner: “O Corinthians foi extremamente cauteloso. Quase medroso. Nunca se arriscou. O Cruzeiro saiu mais para o jogo, contudo só criou uma chance clara, e como tem Wellington Paulista de centroavante não pode reclamar do erro.
Sandro Meira Ricci, o árbitro, marcou um pênalti bem no estilo brasileiro. Eu temia isto, tal qual conversamos nos posts durante a semana.”

Cosme Rimoli:“A Comissão de Arbitragem da CBF o considerava como o árbitro revelação de 2010. Foi escalado sem medo para um das partidas que vai decidir o Brasileiro. Ele conseguiu manchar, estragar o campeonato. Foi mais um árbitro a cair na pressão de Ronaldo, da torcida corintiana. Tudo já estava estranho. Impedimentos inventados contra o ataque do Cruzeiro.
Marcações desmoralizantes. Cuca conseguiu encaixar a marcação na saída de bola corintiana. Bruno César foi anulado. Montillo sofria, mas nos poucos lances em que conseguia escapar de Ralf deixava a torcida corintiana arrepiada. Júlio César fez uma defesa maravilhosa, quando Wellington Paulista estava cara a cara com ele. O Corinthians tentava de qualquer maneira, mas os mineiros marcavam bem e mereciam a vantagem no placar. Aos 42 minutos do segundo tempo, a bola foi levantada em direção a Ronaldo. Ele estava de costas para o gol. Gil disputou a jogada com ele pelo alto. Choque normal, como acontece milhares de vezes durante todas as partidas. Ronaldo gritou, cobrou o árbitro, como se fosse um chefe falando com um subalterno.”

Lédio Carmona: “Ao final do jogo, o presidente do Cruzeiro, Zezé Perrella, e o técnico Cuca, sugeriram “armação” pró-Corinthians. O presidente, mais exaltado, fez acusações à comissão de arbitragem e ao árbitro. Zezé é dirigente do clube há 17 anos. Já viu de tudo no futebol. Suposições de dúvidas e sugestões de falta de honestidade todos já viram. Se Zezé souber (e tenha provas), que fale. Do contrário, melhor se resignar e entender que nossa arbitragem é pessima e não tolera contato numa disputa de bola. Na prática, árbitro no Brasil acha que futebol é tênis. É proibido encostar. Desde que a bola redonda o futebol brasileiro é uma fábrica de pênaltis. Acompanho isso há quase 40 anos. E duvido que um dia melhore.”