The Oscar goes to..

Galera, ontem foi divulgado os candidatos a melhor do mundo em 2010. Desde de que me entendo por gente no futebol, não me lembro de uma lista tão difícil de decidir. Os candidatos são:

Os espanhóis, Xabi Alonso, Iker Casillas, Cesc Fábregas, Andrés Iniesta, Carles Puyol, David Villa e Xavi. Os alemães, Miroslav Klose, Philipp Lahm, Thomas Müller, Mesut Özil e Bastian Schweinsteiger. Os holandeses, Arjen Robben e Wesley Sneijder. Os brasileiros, Júlio Cesar, Maicon e Daniel Alves. O português Cristiano Ronaldo, o marfinense Drogba, o camaronês Eto’o, o uruguaio Forlán e o ganês Asamoah Gyan. Além é claro do atual detentor do título de melhor do mundo, o argentino Lionel Messi.

Lógico que depois de ler a lista, você provavelmente já decidiu o seu, agora se você fosse apostar em quem levaria o prêmio, quem seria?

Este ano carrega algumas particularidades, a primeira, é ano de Copa do Mundo, Iniesta e Xavi foram os caras na Espanha, portanto, tem grandes chances de levarem o prêmio. Cristiano Ronaldo está voando sob a tutela de Mourinho, o português também entra como favorito na disputa, além é claro de Messi, o argentino “metido a craque” continua a exibir todo o seu talento quando veste a camisa azul-grená do Barça.

Correm por fora, a revelação alemã Müller, o baixinho Özil e Forlán que para quem não se lembra foi eleito o craque da Copa.

Como não poderia deixar de ser, vou fazer a minha relação como se fosse um dos técnicos votantes e aquela que acho que será o resultado final:

Minha relação: 01º Sneijder, 02º Messi, 3º Xavi, 4º Mueller e 5º Forlán

Relação final: 01º Iniesta, 02º Cristiano Ronaldo, 3º Xavi, 4º Messi e 5º Forlán.

E para vocês, como ficará?

Mundial ou Mundialito?

“Era um Mundialito. Mas, sinceramente, muitos jogadores do nosso time ficavam acordados até as 5 horas, 6 horas. O pessoal não dormiu, muitos vieram aqui a passeio. Além do mais, os times europeus enfrentaram um calor enorme. O pessoal do Manchester United, então, lá no Rio, ficava só na piscina tomando cerveja”.

Ele desmoralizou a maior conquista corintiana, o Mundial de 2000. Outra vez o lateral-esquerdo foi sincero e paga por isso. A pressão no Corinthians para ele se desmentir é imensa. Andrés e Ronaldo não perdoaram o desatino. Porque no futebol quem fala a verdade é punido. Ainda mais porque Roberto Carlos não é mais funcionário do Real Madrid. Seu dinheiro vem do Corinthians. Como eu não tenho nada a ver com o Corinthians, dou o meu depoimento.

Cobri o Mundial, ou Mundialito – depende do freguês. Acompanhei, na primeira fase, justamente os jogadores do Real Madrid, que ficaram em São Paulo. Primeiro: os espanhóis estavam contrariados. Não concordavam com o formato do torneio. Estavam irritados com o calor. A preocupação era com o que acontecia na Europa. Lindas mulheres estavam, por coincidência, por supuesto, no luxuoso hotel do Real Madrid.

O treinador era ninguém menos do que Vicente del Bosque, atual campeão mundial com a seleção espanhola. A estrela máxima era Raúl. O jovem goleiro Casillas não saía do hall do hotel. Deu tanta entrevista que ninguém mais queria falar com ele. O espírito era de raiva e de pressa para voltar para a Espanha. Todos faziam questão de mostrar que estavam no Mundialito obrigados. As farras noturnas estavam presentes nas olheiras dos jogadores pela manhã. Prostitutas de luxo da região dos Jardins fizeram a festa. Para elas sim, foi um verdadeiro Mundial.

Fui para a fase final no Rio de Janeiro. E encontrei a delegação do Manchester United. Não no treino. Mas na danceteria Nuth.
Muitas mulheres bonitas, público selecionado. A grande estrela era Beckham. Ele e seus companheiros de time estavam simplesmente celebrando a eliminação do torneio. Sim. Comemorando voltar para a Inglaterra. Foi a primeira e última vez que vi isso na carreira. Todos beberam muito. Ficaram o tempo todo no camarote. Alguns garotos furaram o cerco, se aproximaram, conversaram, arrancaram alguns beijos. Menos Beckham, o mais arredio, preocupado com fotógrafos. Era transparente a felicidade dos ingleses por estarem livres para voltar do Rio.

Ao final da noite, Beckham terminou bêbado, sentado na calçada, esperando o ônibus para levar o time de volta ao hotel. Cena surreal que não tem preço. Ou seja: Roberto Carlos não estava menosprezando o Mundial do Corinthians. Os europeus realmente não deram a menor importância para o torneio que a Fifa resolveu fazer no Brasil. E os obrigou a disputar. O Corinthians é o digno campeão. Jogou com todo empenho e seriedade. Assim como o Vasco. Cobrindo evento, a divisão foi clara. Para os brasileiros, a competição valia a vida. Para os europeus, um torneio sem sentido que a Fifa os obrigou a disputar.
E que eles sabiam que nunca mais seria repetido da mesma forma.

Não foi mesmo. Só quem acreditou que haveria outro Mundial daquele foi o ex-presidente Mustafá Contursi. Ele abriu a vaga do Palmeiras para o Vasco apostando no segundo, na Espanha. Mustafá e os palmeirenses estão esperando por esse novo Mundial, ou Mundialito, há dez anos…

Todo esse post, foi retirado de Cosme Rimoli, jornalista que por muitas vezes duvidei da credibilidade, mas que não tenho mais dúvidas quanto a competência. Admiro seu blog, do qual sou frequentador assiduo.

Trago este tema para debate, pela polêmica que ele gera. O torneio foi chamado de Mundial, foram convocados na época os melhores times, mas era nítido o descaso europeu, como validar um torneio onde alguns times não levaram a sério o torneio. Na minha opinião, o Corinthians venceu um torneio de Verão disputado contra o Vasco. Manchester e Real Madrid não vieram para o torneio. Vieram para passar as férias em São Paulo, ou no Rio de Janeiro.

Roberto Carlos ainda tentou corrigir a versão dizendo que Mundialito é Mundial em espanhol, pode até ser verdade, mas isso não exime a parte onde ele menciona que os clubes europeus vieram a passeio. Ou seja, Mundial ou Mundialito foi apenas importante para Vasco e Corinthians.

Uma pena, tinha tudo para ser um grande campeonato. Agora resta o debate…

Já que as regras são essas, vamos palpitar!!

Há 147 anos eram definidas as leis do futebol, faz tempo né. Já que não conseguimos mudá-las, e também não entendemos ela. Vamos tentar palpitar.

01º Thiaguinho – 100 pts
02° Blogueiro / Paloschi / Jorge – 90 pts
03° Rodrigo / Andre Russo – 60 pts

Eu sigo na loderança do mês de Outubro com 595 pontos. Paloschi vem logo e seguida, essa última rodada promete.

Na liderança geral segue da seguinte forma:
01º Paloschi – 4970 pts
02º Rodrigo – 4655 pts
03º Thiaguinho – 4555 pts

No Cartola, o mês de Setembro fez o meu time subir no salto. Preciso reorginazar o time, ou cabeças vão rolar. Para quem se interessou, basta acessar no Cartola a liga CMC10 LIga. Participem!

Vejam os jogos a serem palpitados:
Quarta, 27/10
19h45 Atlético MG x Palmeiras – Sulamericana
22h00 Goiás x Avaí – Sulamericana
22h00 Flamengo x Corinthians – Brasileirão

Quinta, 28/10
21h00 São Paulo x Atlético-PR – Brasileirão
21h00 Fluminense x Grêmio – Brasileirão
21h00 Atlético-GO x Ceará – Brasileirão

Sábado, 30/10
16h45 Milan x Juventus – Italiano
18h00 Barcelona x Sevilla – Espanhol

Domingo, 31/10
16h00 Internacional x Santos – Brasileirão
16h00 Vitória x Vasco – Brasileirão
18h30 Palmeiras x Goiás – Brasileirão
18h30 Grêmio Prudente x Cruzeiro – Brasileirão
18h30 Atlético-MG x Botafogo – Brasileirão
18h30 Avaí x Guarani – Brasileirão

Pitacos da 31ª Rodada…

Galera do blog, mais uma rodada que termina. Se nas rodadas anteriores, os líderes estavam tropeçando e deixando o segundo pelotão encostar, nessa rodada praticamente todos tropeçaram. A rodada foi excelente para Corinthians, Botafogo e Atlético-MG.

Na parte de cima, embolou tudo na disputa pelo título, Fluminense e Cruzeiro com 54 e Corinthians com 53 prometem disputar “a tapa” cada ponto. No Corinthians destaque para a volta de Bruno César que decidiu no clássico, no Flu Washington continua na “seca” e ainda marcou contra. Pela Raposa, Montillo abusou da habilidade, perdeu um pênalti e viu o Galo liderado pelo “Sobrenatural” Obina atropelar no clássico.

No meio da tabela, a disputa pelo G4 (se existir) ficou restrita a Botafogo, Grêmio, Atlético-PR, São Paulo e Palmeiras, sendo que os dois últimos precisam recuperar-se na próxima rodada, pois a tarefa será mais difícil. Destaque destes times para o golaço de Marcelo Cordeiro contra o Vitória, no reencontro da “vitória” do time carica e ao bom clássico feito por Gremio e Internacional, onde D’Alessandro vai se especializando em Gre-Nal’s.

Na parte debaixo, o Galo enfim saiu da zona do rebaixamento, e colocou os baianos nessa desconfortável região. Contudo, o Guarani parece estar sofrendo da mesma doença do Avaí, “Complexo de 2º turno”, o time vem fazendo campanha sofrível no returno e tem grandes chances de figurar no final do ano entre os rebaixados. Uma pena.

Vamos melhorar o quadro de segunda, vamos eleger o melhor e o pior da rodada.

Melhor da rodada: D’Alessandro (INT), Bruno César (COR) ou Obina (AtMG)
Pior da rodada: Washington (FLU), Roberto Brum (SAN) ou Dedé (VAS)

Eu fico com D’Alessandro e Brum. E vocês?

Quando a decepção vira doença…

Tem momentos na vida do ser humano que ele deve ter a consciência de que deve parar. Saber que construiu uma história respeitável enquanto exerceu seu cargo e que poderia dormir tranquilo ao entregar a sequência do projeto para um sucessor. Mas Juvenal Juvêncio, dá sinais claro que no futebol, não é apenas alguns jogadores que não sabem a hora de parar, ele também sofre desse mal.

Juvenal assumiu o São Paulo em 2003, substituindo Marcelo Portugal Gouvea, que para muitos são paulinos, foi o grande dirigente do clube nos últimos anos, apesar da seca de títulos na gestao Marcelo Portugal, o desenho do projeto de profissionalização do clube foi iniciado em sua gestão. E sabiamente seguido por Juvenal, foi dessa forma, que Juvenal tornou o São Paulo novamente temido, exemplo de profissionalização e principalmente vencedor. Na sua gestão, o tricolor paulista faturou nada menos do que Uma Libertadores, Um Mundial e Três Brasileiros, além de inumeros títulos nas categorias de base.

A partir dessa soberania nacional que começaram os problemas de Avareza, Juvenal achou que tinha se tornado o homem mais poderoso dentro do futebol nacional, não teve a mínima humildade ou capacidade política para entender que o nosso futebol vive de raízes um pouco mais nebulosas e que precisaria de mais paciência para atingir seus objetivos. Sua própria pretensão o derrubou, ao perceber a lacuna que existia de estádios em São Paulo, duvidou que a Copa não seria no Morumbi, assim como duvidou que encontraria dificuldades para conseguir o financiamento. Simplesmente, porque ele peitou Ricardo Teixeira, o capitão-mor das relações obscuras na CBF, começou silenciosamente a derrubar todo o apoio que Juvenal precisaria para o Morumbi servir como abertura da Copa e melhor encontrou em Andrés Sanches a marionete perfeita para dar a devida lição no “garoro mimado” Juvenal.

E assim o sonho do Morumbi abrir a Copa parece ter ido para o lixo. E justamente quando a decepção bateu por completo em Juvenal, a loucura o tomou por completo. Declarações como as que ele vem soltando nas últimas semanas, emporcalham tudo que ele tinha feito até agora. Independente de qualquer intriga pessoal com Andrés, ele não pode deteriorar a imagem de ITaquera como fez. O bairro da Zona Leste que possui enorme propensão ao desenvolvimento ganhará força caso o projeto do Corinthians caminhe mesmo. Isso apenas para citar uma das infelicidades dita por Juvenal.

Portanto, cale-se Juvenal, seu único mérito foi tocar sabiamente o projeto de Marcelo Portugal, e você fez isso em silêncio.

Sessão Camisa 10 – O dono da camisa!!

Galera do blog, eu sei que a overdose sobre o assunto já deve ter consumido o sangue de vocês, mas como não fazer uma homenagem a ele. O blog tem esse nome porque nunca mais aparecerá outro igual, portanto tenho que fazer minha homenagem ao rei , ao dono da camisa 10, Pelé.

Pelé mostrou ao mundo que talento sozinho não faz diferença nenhuma, que com apenas talento, alguns se tornam Robinhos, Ronaldinhos entre outros, agora talento aliado a muito treino e transpiração podem transformar um rei. Foi assim com Pelé, o craque nasceu com o dom do futebol, para ele isso podia bastar, seu futebol já era suficientemente bom para deixar todos no chinelos, mas porque não treinar mais e sempre buscar a perfeição. Esse foi Pelé, parafraseando outro mestre: “Se Pelé não nascesse homem, nasceria bola.”

Veja um pouquinho deste mito: